Estudantes de classe média vão à escola pública por economia e para sair da “bolha” social

Busca por ambiente mais diverso faz famílias de classe média desistirem da rede privada

Em SP, o número de alunos que migrou para a rede pública aumentou em 25% em 5 anos

Por HELOÍSA MENDONÇA e TALITA BEDINELLI, do El Pais

Pedro Nakagawa, de 15 anos, sempre estudou em escolas particulares, mas mudou para um colégio público neste ano. Foto: FERNANDO CAVALCANTI

“É preciso diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, até que num dado momento a tua fala seja a tua prática”. Foi a frase do educador Paulo Freire que guiou a escolha da artista plástica Anne Rammi, de 37 anos, em meados do ano passado. Ativista, militante pela educação e defensora da democracia e da igualdade, como se define, ela se pegou vivendo uma incoerência: seus filhos viviam na “bolha da escola particular”, onde não conviviam com qualquer diversidade, num ambiente completamente desigual ao da maioria das crianças brasileiras. “Como posso ter um discurso de somos todos iguais enquanto estou comprando o acesso dos meus filhos à educação?”, questionou-se. E o pagamento não era barato: cerca de 2.000 reais por cabeça.

Em meio a essa reflexão, a família matriculou Joaquim, 7 anos, e Tomás, de 5, na rede pública de ensino. E aguarda uma vaga desde setembro para a pequena Iolanda, de um ano. O mesmo fez a renomada chef de cozinha Bel Coelho, 37 anos. Dona de um restaurante na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, ela matriculou o filho Francisco, de três anos, em uma escola municipal por acreditar que lá ele seria educado em um ambiente mais diverso e inclusivo, mais próximo da realidade do país. “Eu queria que meu filho tivesse uma exposição à sociedade diferente da que as escolas particulares promovem. Queria que ele convivesse com negros, brancos e com pessoas de distintas classes sociais”, explica ela, que se diz chocada ao lembrar que ao longo da sua vida escolar em tradicionais instituições privadas nunca teve um colega negro na sala.

Nos corredores da rede pública, essas famílias têm encontrado mais pais de classe média que tomaram a mesma decisão. Do final do ano passado para o início deste ano, 220.767 estudantes matriculados na rede estadual de São Paulo vieram da rede privada, um número 25,8% maior do que os que fizeram a mudança há cinco anos (175.404). Alguns saíram por pura ideologia. Outros, também pela dificuldade de, em plena crise econômica, pagar mensalidades que podem beirar os 5.000 reais, especialmente quando a escola aparece no topo das melhores do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

Sindicato cria disque denúncia para combater trabalho infantil e exploração sexual de crianças

Sindicato cria disque denúncia para combater trabalho infantil e...

Nota pública sobre a aprovação da Lei 12696/12

  PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS   NOTA PÚBLICA DO CONANDA Sobre...

Juventude é engajada, solidária e generosa; Educação é que parou na era industrial

Entrevista a Jô Húngaro Caminhos para a Política Cidadã no século...

Prouni abre inscrições nesta quinta para mais de 144 mil bolsas

Prazo termina às 23h59 de segunda-feira, dia 21 de...

para lembrar

Livro Popular – incentivar leitura e ampliar investimentos são prioridades para 2012

Cultura: incentivar leitura e ampliar investimentos são prioridades para...

Livro – ‘Griot’ narra conflitos religiosos

Livro infanto-juvenil narra as dores e os desafios de...

MEC amplia currículo alternativo para tirar ensino médio público da crise

Reprovação é a mais alta desde 1999, segundo divulgou...

Educação, raça e gênero: Relações Imersas na Alteridade

Educação, raça e gênero: Relações Imersas na Alteridade NILMA LINO...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=