segunda-feira, outubro 25, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoEstudantes pedem demissão de professor de escola pública do DF por comentário...

Estudantes pedem demissão de professor de escola pública do DF por comentário racista na internet

Fonte: G1

Uma publicação feita nas redes sociais por um professor de escola pública do Distrito Federal causou revolta por parte de pais e alunos. Murilo Vargas, que dá aulas de espanhol, republicou a foto de uma modelo negra de cabelo crespo e a chamou de “cosplay de microfone”.

Na publicação, realizada nesta quinta-feira (20), o professor do Centro de Ensino Médio 804, do Recanto das Emas, tira sarro de uma postagem que constava a seguinte frase: “Não consigo ouvir o seu racismo por causa do volume do meu cabelo”.

Internautas reagiram com críticas. A comunidade escolar onde ele trabalha iniciou uma campanha pela demissão do professor. A Secretaria de Educação afirma que vai “apurar o assunto”.

“A Secretaria de Educação reafirma a sua missão educacional de assegurar o respeito à diversidade e à pluralidade na rede pública de ensino e, com isto, contribuir para que se propague em toda a sociedade.”

A reportagem entrou em contato com o autor do texto e ele afirmou “não ter nada a declarar”.

Nota de repúdio
Em menos de 24 horas, um abaixo-assinado organizado por estudantes e ex-alunos da instituição reuniu mais de 2,4 mil assinaturas.

O documento cita que a conduta desrespeita o regimento da Secretaria de Educação, que proíbe professores de “ferir a suscetibilidade dos estudantes no que diz respeito às convicções políticas, religiosas, etnia, condição intelectual, social, assim como no emprego de apelidos e/ou qualificações pejorativas”.

blank
Estudantes e ex-aluno de escola pública do DF organizam abaixo-assinado pedindo a demissão de professor por racismo — Foto: Reprodução/Change.org

Após a repercussão negativa, o perfil da escola nas redes sociais publicou uma nota de repúdio à publicação do professor.

“Essas declarações não refletem o pensamento da escola, que sempre prezou pela diversidade e pluralidade de ideias e procurou sempre se pautar pelos princípios da liberdade, como escola formadora do pensamento crítico-reflexivo, independente de partidarismo político, ideologia, raça ou credo.”

Ao G1, uma estudante de 17 anos, que preferiu não se identificar, disse que já presenciou o professor chamar uma aluna negra de “macaca” em sala de aula. Questionada se a turma procurava a diretoria, ela afirmou que sim. “A gente contava, mas era a palavra dele contra a nossa”.

Segundo a aluna, a postagem do professor nas redes sociais foi uma oportunidade de tornar o caso público. “É a primeira vez que a gente consegue registrar ele fazendo isso”, afirmou.

Na legislação brasileira, o crime de racismo pode ser punido nos termos do artigo 140 do Código Penal, caracterizado como injúria “na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia”. A pena é de um a três anos de reclusão e multa (veja números abaixo).

blank
Fachada do Centro de Ensino Médio 804, em Recanto das Emas, no Distrito Federal — Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Investigação
O diretor da escola, Luiz Moreira da Cunha, afirmou à TV Globo que se reuniu com o conselho de classe da instituição e avaliou a conduta de Murilo como “inadequada”. Ele disse que o posicionamento foi encaminhado à Regional de Ensino.

Injúria racial no DF
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), houve 241 registros de injúria racial, de janeiro a julho, no Distrito Federal. No mesmo período do ano passado, foram 246.

Em todo o ano de 2019, ocorreram 453 ocorrências de injúria racial. Em 2018, 433 crimes.

RELATED ARTICLES