quinta-feira, dezembro 1, 2022
InícioEm PautaEvangélicos querem "conceito bíblico de família". Que tal uma pesquisa bíblica?

Evangélicos querem “conceito bíblico de família”. Que tal uma pesquisa bíblica?

As divergências nos conceitos entre família é analisada sobre a luz da própria bíblica.

Por: Cefas Carvalho, do Potiguar Notícias

Como quase todo mundo tomou conhecimento, a comissão especial que discute o Estatuto da Família na Câmara dos Deputados aprovou recentemente por 17 votos favoráveis e 5 contrários ao texto principal do projeto, que define família como “a união entre homem e mulher.” Na prática não quer dizer muita coisa. As famílias fora deste clichê “homem e mulher” continuarão vivas e felizes. Na teoria o texto dispõe sobre os direitos da família e as diretrizes das políticas públicas voltadas para atender a entidade familiar em áreas como saúde, segurança e educação.

O que me chamou realmente a atenção foi ver e ler entrevistas dos ilustres deputados que votaram família como “a união entre homem e mulher”, quase todos das chamadas “bancada evangélica” e “bancada católica”, citarem deus e a Bíblia.

Sempre que citam a Bíblia para assuntos de ordem pública (que afetam a vida privada) meu sinal de alerta acende a luz a vermelha.

Alguns dos nobres falaram muito no “conceito bíblico de família”. Como já li a Bíblia inteira algumas vezes, estranho este conceito. relembremos, pois o tão citado livro:

Jacó, filho de Isaque, teve de fugir por ter enganado o irmão Esaú, como se sabe. Nesta fuga, encontrou parada na casa de Labão e tendo se apaixonado por Raquel propôs casamento a ela, porém, na noite de nupciais acabou consumando o casamento com a irmã dela, Lia. Labão ofereceu a mesma Raquel em casamento a Jacó (em troca de mais 7 anos de trabalho, como sabemos) e assim foi feito, Jacó e suas duas esposas.

Um detalhe: quando ambas não podiam mais engravidar, ofereceram suas escravas – Bila e Zilpa- para gerar mais filhos de Jacó, que chegou, portanto à velhice com duas esposas e 12 filhos de 4 mulheres diferentes que conviviam todas juntas com ele (tudo isso pode ser lido e conferido em Gênesis capítulos 29 e 30).

Mais adiante, na era dos reis de Israel, houve Davi que teve oficialmente três esposas, Mical, Abigail e Betesabá (ou Bate-seba), sem falar as muitas escravas e concubinas que tiveram filhos de Davi. Tudo lá nos livros I e II de Samuel. Também teve Salomão, filho de Davi, com suas centenas de concubinas. Tudo bem família.

Daí, passando por cima de muitas outras histórias escabrosas do Velho Testamento, parti para o Novo Testamento, garimpando trechos onde Jesus fala especificamente de “família enquanto união homem e mulher”. Não encontrei, mas como admito que a pesquisa foi apressada, posso ter pulado tais trechos, aguardo então, possível correção dos bons e atentos leitores.

Ah, mas entre os trechos que encontrei de Jesus sobre “família”, me chamou a atenção esse aqui: “Falava ainda Jesus ao povo e eis que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora procurando falar-lhe. E alguém lhe disso: tua mãe e teus irmãos estão lá fora e lhe querem falar. Porém, Jesus respondeu ao que lhe trouxe o aviso: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos” (Mateus, 12, 46-49.)

Pelo visto meu conceito de família é mais parecido com o de Jesus do que com o de Malafaia, Feliciano, Cunha e os deputados religiosos…

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench