Familiares de mãe Bernadete Pacífico deixam Quilombo de Pitanga dos Palmares por proteção

Matriarca foi assassinada na última quinta-feira (17); velório foi marcado por homenagens, música e ancestralidade

O governo da Bahia retirou familiares da líder quilombola Bernadete Pacífico do Quilombo de Pitanga dos Palmares, como medida de proteção. A ativista foi assassinada dentro de casa, na última quinta-feira (17), aos 72 anos.

Estabelecida na região desde o século XIX, a comunidade é descendente de trabalhadores e trabalhadoras vítimas da escravidão, que formaram grupos e territórios de resistência desde o período colonial. Há décadas, as famílias do território lutam contra as consequências de grandes empreendimentos públicos e privados; e convivem com forte especulação imobiliária empresarial e violência.

Neste sábado (19), a secretária de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia, Ângela Guimarães, informou que parentes de mãe Bernadete deixaram o local. Alem disso, segundo ela, equipes da pasta e da polícia permanecem no quilombo para assegurar proteção a moradores e moradoras.

“Obviamente a comunidade está assustada, porque ninguém esperava uma situação tão brutal e tão torpe. Estamos com a presença da Polícia Militar e retiramos os familiares para eles não ficarem na comunidade. Também estamos identificando as pessoas que necessitem dos programas de proteção a vítimas e de defensores de direitos humanos”, disse Ângela à Agência Brasil.

Ela ressaltou ainda que o governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), determinou investigação rigorosa por parte das polícias Militar e Civil. A Polícia Federal também atua para descobrir os mandantes e os executores do crime. 

Bernadete Pacífico é uma liderança histórica da região de Simões Filho (BA), município da região metropolitana de Salvador, onde está localizado o Quilombo Pitanga dos Palmares. Ela já havia denunciado ser alvo de ameaças e estava sob proteção policial.

A liderança foi executada enquanto assistia televisão com os netos por dois homens de capacete que invadiram a casa. Mãe Bernadete Pacífico foi enterrada neste sábado, na capital baiana. Ela está ao lado do filho, Flávio Gabriel Pacifico, que também foi morto em um atentado.

Velada em uma cerimônia candomblecista no quilombo, a ativista foi levada ao cemitério em um caminhão do Corpo de Bombeiros, que chegou em carreata a Salvador e percorreu as ruas de Simões Filho acompanhado por uma caminhada em homenagem à matriarca.

O velório e o trajeto foram tomados por música. Bernadete Pacífico foi lembrada com samba, o que era desejo expresso dela. Neste sábado (19), a Organização das Nações Unidas (ONU) convocou o Estado Brasileiro a realizar uma investigação “célere, imparcial e transparente”.

Leia também:

Ao menos 30 líderes quilombolas foram assassinados nos últimos dez anos

Estado tem obrigação de apurar assassinato de líder quilombola

Coalizão Negra por Direitos se soma ao Quilombo Pitanga dos Palmares e à CONAQ na luta por justiça por Binho do Quilombo e Mãe Bernadete

+ sobre o tema

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

Uma menina de 4 anos, chamada de Flor de...

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro...

para lembrar

Morte aos escravos: sobre a pena capital

No Império, a pena capital atingiu majoritariamente negros, pobres,...

Vida em dívida por Cuti

Vida em dívida - Vais morrer, negrinho! - Não te fiz...

Morte de jovem negro no Missouri reaviva discussão sobre racismo nos EUA

A pequena cidade de Ferguson, no Missouri (centro dos...

“Preso, aprendi cedo tudo sobre crime e roubo”

"Aqui estou eu, no Instituto para Menores Delinquentes de...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...
-+=