Feminismo à Inglesa?

Sheryl Sandberg, chefe operacional do Facebook, escreveu o livro “Lean In”, sobre como as mulheres podem negociar para acompanhar o passo dos colegas homens na esfera comercial

O feminismo é uma preocupação elitista? Um novo estudo britânico afirma que o feminismo aqui falhou com as mulheres da classe trabalhadora, ao se concentrar obsessivamente na igualdade no comando de empresas e na corrida hesitante para “quebrar o telhado de vidro”. Amelia Gentleman – Em Londres (Reino Unido)- BBC Desigualdade na busca pelo feminismo

 

Enquanto os avanços feministas muitas vezes são medidos pelo número de mulheres em cargos públicos importantes, o poder decrescente das mulheres na outra ponta do espectro de renda é muitas vezes ignorado, segundo um relatório publicado pelo Instituto para Pesquisa de Políticas Públicas, organização de esquerda baseada em Londres.

“A justiça entre gêneros no topo não basta. Os debates na corrente dominante sobre gêneros também devem abordar a crescente insegurança na extremidade inferior do mercado de trabalho – inclusive o desafio enfrentado pelas mulheres autônomas, desprotegidas”, diz o relatório “Grandes expectativas: Explorando as promessas da igualdade de gêneros”, enquanto debate a questão de se as vitórias do feminismo britânico foram igualmente compartilhadas por mulheres de todas as classes.
O relatório indaga por que continuamos olhando para algumas mulheres no topo da escala profissional, em vez de analisarmos o destino de uma amostra mais representativa. Ele salienta como o foco excessivo sobre as poucas mulheres que tiveram sucesso pode ter um efeito de armadilha perturbador, sugerindo que as mulheres venceram, enquanto ignora o fato de que para a vasta maioria ainda há enormes desigualdades.

Dalia Ben-Galim, diretora-associada do instituto, disse: “Enquanto o feminismo foi eficaz para algumas profissionais, outras mulheres ficaram para trás. Muitos avanços das mulheres no topo mascararam a desigualdade no fundo. A abordagem de ‘quebrar o telhado de vidro’, que simplesmente promove as ‘mulheres na diretoria’, não teve tanto sucesso para mudar a cultura de trabalho ligada à família ou oferecer oportunidades para outras mulheres avançarem”.

Enquanto houve uma celebração abafada do gradual avanço das mulheres para um maior número de funções públicas e executivas importantes, para as mulheres de baixa renda vem ocorrendo um processo paralelo, descrito como a “feminilização da pobreza”.

“Em muitas áreas, empregos bem remunerados em indústrias foram substituídos por empregos relativamente de baixo nível e mal remunerados no setor de serviços privados, ocupados por uma força de trabalho principalmente feminina, barata e flexível”, diz o relatório.
Não é apenas o Reino Unido que tem uma perspectiva distorcida ao medir os avanços em igualdade. Nos últimos meses, a discussão global do feminismo envolveu comentários de duas executivas de alto nível e notáveis quebradoras de telhado de vidro – Sheryl Sandberg, do Facebook, e Marissa Mayer, da Yahoo.

A mensagem feminista de Sandberg em seu livro “Lean In” [algo como “incline-se para dentro”] parece se concentrar em como as mulheres podem negociar para acompanhar o passo dos colegas homens na esfera comercial. Mayer, em contraste, disse que não se considera feminista, e (talvez, para ser justo com ela, as palavras estejam fora de contexto) disse a um entrevistador que não pensava ter “o impulso militante e o tipo de atitude combativa que às vezes o acompanha”.

O desagrado sobre sua decisão de proibir o trabalho em casa para membros da Yahoo se intensificou quando surgiram reportagens sobre o berçário que ela mandou construir para seu novo bebê ao lado de seu escritório – lembrando-nos de que ela tem pouca experiência nas lutas frequentemente envolvidas em cuidar de crianças, e talvez tenha pouca necessidade do apoio de ativistas feministas.

O desejo de Sandberg de ensinar as mulheres “a negociar para ganhar mais” tem uma relevância apenas marginal para os milhões de mulheres mal-pagas nos EUA e no Reino Unido que têm perspectivas muito tênues de aumentar seus salários além do mínimo que podem esperar os empregados nos setores de cuidados a doentes e idosos, caixas de lojas, refeições, limpeza e trabalho religioso.

O relatório do Instituto para Pesquisa de Políticas Públicas diz que uma campanha feminista mais justa se dedicaria mais a “aumentar a qualidade e o status dos serviços que as mulheres fazem” – talvez criando uma melhor estrutura de pagamento para trabalhadoras no setor de cuidados (cuja maioria é mulher) e garantir que elas recebam treinamento adequado e um salário suficiente.

As feministas britânicas vão achar o argumento geral um pouco duro. Além de suas campanhas para a maior representação das mulheres em posições de poder, a Sociedade Fawcett – o principal grupo de campanhas feministas no Reino Unido – também tem uma campanha que se chama “Cutting Women Out” [Eliminando as Mulheres], que pede ao governo para adotar uma estratégia de emprego para mulheres que aborde alguns dos problemas ligados ao fato de que elas são a maioria dos que têm empregos mal pagos e funções de cuidados não remuneradas.

Ceri Goddard, executiva-chefe da Fawcett, disse que é válido salientar os “desafios particulares enfrentados pelas mulheres de baixa renda, que muitas vezes não têm o destaque que deveriam ter”, mas acrescentou que é “ao mesmo tempo inútil e impreciso culpar o feminismo – um movimento muito amplo que atua em várias frentes – pela falta de progresso nessas questões”.

“O feminismo não é a causa da desigualdade entre mulheres e homens, ou mesmo entre mulheres diferentes – é a cura”, disse Goddard. “Nós não falhamos – apenas temos um longo caminho a andar. Contrapor as campanhas pela representação das mulheres em instituições políticas e financeiras que moldam nossas vidas a pedidos por um salário mínimo maior ou mais creches é ao mesmo tempo simplista e limitado. Todos são importantes”, ela disse.

Os autores do estudo admitem que esse debate ferve em fogo baixo há um século e continuará causando furor. Perguntando se o feminismo britânico até agora foi apenas uma “história de progresso da classe média”, o relatório aponta que as acusações de que o feminismo beneficiou principalmente as mulheres da classe média “perseguem o movimento há muito tempo, pelo menos desde que Emmeline Pankhurst deu prioridade ao voto sobre as questões da maternidade”.

Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

 

Fonte:  Observatório da Mulher

 

Saiba Mais: 

‘A promulgação da PEC do trabalho doméstico é uma segunda abolição da escravidão’, diz Luiz Alberto

Ministra: PEC das domésticas não provocará desemprego

Branquitude! Tremei! A PEC das Domésticas veio para ficar – Por Cidinha da Silva

 

+ sobre o tema

Feminismo, empoderamento e solução: a singularidade de Karol Conka

Sucesso indiscutível entre a crítica e os internautas, a...

Camila Pitanga é eleita Embaixadora Nacional da Boa Vontade

Atriz ganhou o título da ONU Mulheres Brasil e...

para lembrar

O depoimento dessa mãe é mais do que um debate: é uma aula essencial sobre feminismo

Ser mãe é daquelas coisas difíceis de explicar, gente:...

Guevedoces: o estranho caso das ‘meninas’ que ganham pênis aos 12 anos

Condição parece ligada a uma deficiência genética comum em...

O crack, a maternidade e o poder público

Adoção de crianças e, mais que tudo, adoção de...

Seminário internacional Brasil/EUA debate violência contra mulher

Evento aborda programas para homens autores de violência Do MPSP O...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...
-+=