Festival Latinidades lança campanha de financiamento coletivo para edição de 2017

Evento marcado para acontecer entre os dias 27 e 30 de julho tem como meta arrecadar R$ 50 mil para cobrir parte dos custos da programação artística

Enviado para o Portal Geledés 

O maior festival de mulheres negras da América Latina – Latinidades chega à décima edição em 2017 com o tema “Horizontes de liberdade: afrofuturismo nas asas da Sankofa”. Entre os dias 27 e 30 de julho, o festival vai promover encontros que dão visibilidade para a produção artística, cultural, política e intelectual de mulheres negras em todo o mundo.

Para tornar viável a realização do projeto, o Latinidades conta com diversas parcerias. Em 2017, o evento optou também pela campanha de financiamento coletivo que tem como objetivo financiar parte da programação artística, passagens e hospedagens de mulheres negras de diferentes regiões brasileiras que virão a Brasília acompanhar a programação. A contribuição começa com R$ 10 e pode ser feita por meio do Catarse, site que ancora centenas de projetos de financiamento coletivo Brasil afora. Como forma simbólica de agradecimento aos apoios, o Latinidades criou nove tipos de recompensas para quem contribuir com valores a partir de R$ 20. O objetivo é arrecadar R$ 50 mil.

Vale lembrar que toda a programação do Latinidades é gratuita. Além das atrações artísticas, o festival promove debates, oficinas, conferências, espaço infantil, ações de sustentabilidade ambiental, lançamentos literários, entre outras atrações.

“Horizontes de liberdade: afrofuturismo nas asas da Sankofa”

Para esta 10ª edição, o Latinidades propõe uma reflexão coletiva: como a arte e os saberes de mulheres negras, assim como suas lutas históricas e contemporâneas por direitos e por liberdade, incidem no presente? Como podem orientar a pensar e a criar o futuro dessas mulheres? O conceito de Sankofa, dos povos Akan, ensina que tudo aquilo que foi perdido, esquecido, renunciado ou roubado no passado, pode ser reclamado, reavivado, preservado ou recuperado no presente. “O que queremos resgatar, e o que deixaremos no passado? Que futuro queremos e como vamos construí-lo?” são alguns dos questionamentos pertinentes à essa reflexão.

Sankofa

O significado original da palavra Sankofa é: “não é um tabu segurar/pegar o que está em risco de ser deixado para trás”. Visualmente, o conceito – originário dos povos Akan (Gana, Togo e Costa do Marfim) – é expresso pelo símbolo Adinkra de um pássaro mítico que voa para frente enquanto olha para trás, com um ovo (simbolizando os conhecimentos do passado e também o futuro e as gerações futuras) em seu bico (entre outros).

Histórico

O Latinidades foi criado em 2008 para marcar o 25 de julho (dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha), que tem ganhado força ano após ano como uma espécie de 8 de março da mulher negra. Ao longo dos últimos anos, mais de 200 mil pessoas passaram pelo festival e cerca de 100 artistas, entre nacionais e internacionais se apresentaram. Seu diferencial, além da quantidade de estados e países envolvidos, diz respeito tanto ao seu caráter cultural quanto ao formativo.

O projeto é bastante conhecido por seus debates e publicações, mas também pelos grandes shows. Todos os anos Latinidades envolve música, dança, teatro, literatura, formação, capacitação, empreendedorismo, economia criativa, moda, comunicação e é realizado por meio de diversas atividades pelo Distrito Federal e outros países, como já aconteceu em Cuba e Cabo Verde. Nasceu com intuito de celebrar o Dia da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha e abrir espaço para convergir debates e iniciativas do estado e da sociedade civil relacionadas à promoção da igualdade racial e enfrentamento ao racismo, machismo e sexismo.

Desde 2008, o Festival Latinidades vem fortalecendo conexões internacionais, e já contou com a participação de nomes como Angela Davis, Patricia Hill Collins, Hope Clayburn (EUA); Teresa Cárdenas (Cuba); Pascale Obolo (Camarões/França); Esperanza Bioho (Colômbia); Shiley Campbell (Costa Rica); Paulina Chiziane (Moçambique); Malika Tirolien (Guadalupe); e Okwei Odili (Nigéria). E nomes como Sueli Carneiro, Jurema Werneck, Conceição Evaristo, Makota Valdina, Ana Maria Gonçalves, Djamila Ribeiro, Stephanie Ribeiro. Além disso, atrações como Elza Soares, Margareth Menezes, Playing For Change, Marienne de Castro, Paula Lima, Karol Konka, Gaby Amarantos, Ellen Oléria, e muitas outras mulheres negras de todas as áreas.

Recompensas financiamento coletivo Latinidades 2017:

Publicações Latinidades – Anos 2013 e 2014.

Calendário Latinidades

Bolsas Latinidades

Porta-crachás Latinidades (chaveiro com gancho de metal e cordão de tecido escrito Cinema Negro).

Copo Latinidades exclusivo

Bonés exclusivos Latinidades – 02 tipos

Casacos de moletons exclusivos Latinidades – 02 tipos

 

Colabore aqui

+ sobre o tema

Retrospectiva de Pedro Figari recupera o Uruguai africano no Masp

Pintor uruguaio dedicou sua vida a retratar os dramas...

Das coisas boas e belas que nascem na favela

A possibilidade de ver o belo é sempre um...

Galeria do Instituto de Artes da Unicamp recebe exposições sobre a África

O Museu de Artes Visuais da Unicamp (MAV) traz...

para lembrar

Netinho abandona seu programa

Netinho abandona seu programa: Netinho de Paula gravou nesta...

Mumia Abu Jamal: Do corredor da morte ao mundo

"Porque é preciso muita gente para fazer a revolução,...

No Japão, Pelé faz homenagem às vítimas do tsunami

Ex-jogador visitou área devastada e foi a escola na...

Rosana Paulino: ‘Arte negra não é moda, não é onda. É o Brasil’

Com exposição em cartaz no Museu de Arte do...
spot_imgspot_img

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...
-+=