Ficção científica para relatar a sociedade desigual

‘Branco Sai, Preto Fica’, de Adirley Queirós, vencedor do Festival de Brasília em 2014, narra as chagas brasileiras de um modo novo
por Rosane Pavam, do Carta Capital 

O título do filme de Adirley Queirós remete à ordem proferida pela polícia em um baile funk dos anos 1980. A expressão “branco sai, preto fica” antecedeu, naquele contexto, a usual limpeza étnica promovida pela polícia. Saíram feridos do evento na periferia dois amigos negros, e um deles, a perna arrancada, tornou-se especialista em próteses. O outro, um radialista pirata dos confins, está condenado a uma cadeira de rodas, ainda que sua movimentação possa ser recuperada por uma inalcançável fisioterapia. A esse jogo de aproximações se soma um terceiro personagem, um policial negro vindo do futuro para recolher provas de que o passado cometera atrocidades contra os carentes.

Alguém tem de pagar pelo que fez, raciocinam os três personagens às voltas com uma estranha engenharia (fios, aparelhos rudimentares e ultrapassados, a bricolagem da gambiarra, cujos propósitos serão conhecidos no decorrer do filme), feita para corrigir os erros sociais. Misturados em três tempos, passado, presente e futuro, os personagens costuram uma punição a Brasília, cidade que exige dos habitantes da Ceilândia um passaporte de entrada. A Brasília dos ricos, contudo, nunca aparece. E os únicos desautorizados a desejar seu fim são os do futuro, porque, destruída a cidade do poder, simplesmente não haverá um mundo onde todos possam viver o amanhã.

Vencedor do Festival de Brasília em 2014, Branco Sai, Preto Fica narra as chagas brasileiras de um modo novo, se consideramos a tradição cinematográfica local. É documental enquanto ficcionaliza não o fato, mas sua reflexão sobre ele. A Ceilândia do filme, como acontece em ficções científicas à moda da Alphaville, de Jean-Luc Godard, é também a de hoje, invisível sob as pontes, seus habitantes condenados às ruínas urbanas em campo vasto. Todos proferem o que pensam com casualidade, e os três atores principais, entre eles Marquim do Tropa (melhor intérprete do festival), falam à perfeição, com calma, a língua dos excluídos. O Brasil está quase todo lá, seus maravilhosos seres cotidianos, os homens negros que alguns protestos recentes talvez teimem em excluir. Algo entre Stanley Kubrick e Vittorio De Sica, Adirley Queirós desacelera o tempo para devolver aos olhos do espectador uma realidade terrível.

Veja o trailler:

Veja a entrevista feita pela TV Carta com o diretor Adirley Queirós:

+ sobre o tema

para lembrar

Cinco fatos sobre Beatriz Nascimento

Para entender com precisão a história do Brasil, ciente...

Arch Junior de três anos faz sucesso como DJ na África do Sul

Um novo DJ de apenas três anos de idade...

De surpresa, Beyoncé lança nova música e novo clipe

Beyoncé pegou gostou pelas surpresas. Que bom que o HuffPost...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...
-+=