Filme “Mudança” junta Welket Bungué e Joacine Katar Moreira

A deputada Joacine Katar Moreira é um dos rostos que se destaca na curta-metragem de Welket Bungué, que estreia esta segunda-feira (28.09) na plataforma online do Teatro do Bairro Alto, em Lisboa. O projeto digital, inspirado na interculturalidade que caracteriza a capital portuguesa, nasce no âmbito do programa “Essenciais” e do confinamento imposto pela pandemia de Covid-19.

O realizador explica que elegeu a deputada do Parlamento português também pela sua visibilidade. “Não somente por ela ser deputada, mas também por ser uma cidadã que incansavelmente assume esta batalha ou premissa, que é congregar, trazer uma certa convergência honesta, transparente, visando justamente celebrar as diferenças que não devem servir para nos separar, mas sim para nos aproximar”, justifica.

Por seu lado, Joacine Katar Moreira – que na última quinta-feira (24.09) apresentou o seu livro “Matchundadi: Género, Performance e Violência Política na Guiné-Bissau” – aceitou o convite e o desafio de representação em palco, entre outras razões, porque o realizador guineense é já uma referência para muitos afrodescendentes.

“Mas eu não estava à espera que este homem, no momento em que está a começar a ter o reconhecimento nacional e internacional resolva efetuar uma curta metragem de uma deputada negra alvo de muito ódio, de muita desinformação e de muito escárnio”, confessa a deputada.

“Herança sensorial” das tradições Bijagós

“Mudança” conta com a participação de quatro mulheres portuguesas afrodescendentes e tem um objetivo bem claro. “O filme baseia-se naquilo que considero ser a herança sensorial das tradições Bijagós, arquipélago que fica na Guiné Bissau”, diz Welket Bungué. “Uma vez que estamos impossibilitados de estar juntos é também por isso que surge o programa ‘Essenciais’. Temos que fazer uso deste artifício que nos permite esta omnipresença através do conteúdo digital.”

O realizador já tinha captado imagens da floresta amazónica e do Parque Natural de Itatiaia, no Brasil, que fazem parte do seu arquivo filmográfico, para agora “de alguma maneira construir visual e sensorialmente a paisagem natural do arquipélago dos Bijagós”, explica.

As imagens ganham força com a musicalidade do artista guineense Mû Mbana. Incluem pinturas concebidas em Paris por Nú Barreto e compõem a pluralidade não só de formas de expressão, mas também de linguagem visual, sonora e física, completada com a presença dos atores em palco.

Diz o realizador que, graças ao dispositivo cinematográfico, em tempo de pandemia, o público vai poder ver Joacine Moreira com outro tipo de caraterísticas e fragilidades que vão, com certeza, humanizá-la para lá daquilo que tem vindo a ser o seu escrutínio político.

“O filme ganha muito com a presença dela, mas sobretudo é Portugal que ganha, porque é uma cidadã que consegue mostrar outro tipo de valências e que consegue agregar não só aquilo que é a opinião pública relativamente à sua pessoa, mas também relativamente ao desejo de unidade e de parcialidade que a diáspora africana procura aqui em Portugal”, sublinha.

“Nada une mais do que a arte”

Recentemente, a deputada foi alvo de ameaças de morte por neonazis ligados à extrema direita. Joacine Katar Moreira é a defensora de mais visibilidade e representatividade dos negros e afrodescendentes em Portugal. A mudança, na sua opinião, visa alcançar mais igualdade e mais justiça social, contra o racismo que ainda vinga na sociedade portuguesa. “E a arte tem este âmago maravilhoso que é a união. Nada une mais do que a arte”, sublinha.

Welket Bungué: “Há ainda um caminho a percorrer”

Na ótica de Joacine Moreira, o seu conterrâneo Welket Bungué é exatamente a representação daquela mudança ainda necessária na sociedade e na cultura portuguesas. “O reconhecimento que eu tenho pela sua figura, pela sua enorme qualidade artística, afinal, ele também tem reconhecimento pelo meu trabalho, a minha participação política e o meu contributo para a sociedade”, afirma.

Para Bungué, a presença ainda reduzida de negros no teatro e no cinema em Portugal não é gratuita. “É uma presença que resulta de um trabalho incansável por parte dos sujeitos dessa desigualdade e dessa iniquidade que faz com que muitos dos artistas negros, digamos racializados – ou por outras palavras não brancos – se vejam remetidos para um lugar de desvalorização. Esses artistas, muitas vezes, são chamados apenas para cumprir papéis temáticos ou para representarem personagens estereoestipadas para as quais são condicionados a terem que interpretar”, lembra o realizador.

Mais diversidade étnico-cultural em Portugal

O ator guineense defende um novo paradigma de representatividade, neste caso, no cinema, dando ao público a possibilidade de ver uma maior diversidade étnico-cultural nos conteúdos audiovisuais portugueses. “Se isso está a acontecer, não acontece ainda na medida em que deveríamos estar neste momento. Há ainda um caminho a percorrer. É um caminho que tem vindo a ser percorrido há bastante tempo”, sublinha.

Muito do que é difundido em termos de cinema não são projetos com o suporte das estruturas de produção por excelência. Segundo o realizador, que critica atitudes racistas ainda existentes na sociedade portuguesa e a falta de oportunidades, muito do que é produzido resulta de um trabalho de resgate, de resistência, de resilência e de subversão, em busca da afirmação.

Pela sua temática, o filme está pensado para passar também nas salas de cinema e em festivais internacionais, nomeadamente em Portugal e no Brasil. Não há datas definidas, mas a sua exibição na Alemanha está nos planos do artista transdisciplinar guineense, que vai estar a 17 de outubro em Colónia para participar no DiverseCity-Tag, no âmbito da Kulturbunker Mülheim, onde fará uma comunicação sobre interculturalidade e imigração na contemporaniedade.

 

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mostra destaca a contribuição de Zózimo Bulbul para a cultura negra

O ator e cineasta Zózimo Bulbul, que morreu em...

Ruth de Souza

Ruth Pinto de Souza (Rio de Janeiro RJ 1930)....

Centro Cultural do Brasil fala sobre cinema africano

  O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Brasília...
spot_imgspot_img

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...

“Ó Paí, Ó 2” segue em primeiro lugar nos complexos de Salvador e alcança um público de 120 mil pessoas em todo o país

"Ó Paí, Ó 2" estreou em todo o país no dia 23 de novembro e segue, por dois finais de semanas consecutivos, sendo a maior...
-+=