Gilberto Gil e Zezé Motta retratam orixás em mostra inédita

Enviado por / FonteDo Catraca Livre 

 

Gilberto Gil, Oxalufã (o princípio e o fim. Representa o infinito. Ele reconstitui e se auto reproduz) Foto: Daryan Dornelles

Em um momento em que a cidade precisa de mais tolerância religiosa, entra em cartaz no Centro Cultural Justiça Federal a exposição “Orixás: quando o mito veste o corpo“. As fotografias de Daryan Dornelles e Stefano Martini ficam em cartaz de 16 de setembro até 5 de novembro.

Com entrada Catraca Livre, a mostra idealizada por Margo Margot pode ser visitada de terça a domingo, sempre das 12h às 19h.

A partir de pesquisa bibliográfica e visita ao Ilé Àse Ògún Àlákòró, Margot desenvolveu vinte “Orixás” para nos convidar conhecer profundamente um pouco mais de uma das culturas de base do povo brasileiro. A exposição, mais do que uma mostra visual, busca trazer reflexões sobre a essência dos mitos africanos cultuados no candomblé.

Zezé Motta, Oxum (a mais bela de todas) (Foto: Stefano Martini)

No decorrer da exposição ainda é possível fazer uma visita mediada, participar de bate-papos e oficinas para escolas e grupo a serem agendados no Educativo do CCJF.

Nas imagens, voluntários de peso como é o caso de Zezé MottaGilberto GilVidal Assis e João Donato aparecem em meio à trajes e elementos da natureza que compõe o ambiente de cada orixá. Pedras, areia de mar, barro e até partes de árvores complementam e enriquecem as obras.

Confira todos os convidados e os orixás que representam:

Aleff Bernardes, Ossain (antídoto, não existe folha que não se transforma em remédio)
Anastacia Gabriel, Ewá (quem trouxe para a humanidade o direito de sonhar)
Cau Ramalho, Obá.
Felipe Pacheco, Oxumaré
Gilberto Gil, Oxalufã (o princípio e o fim. Representa o infinito. Ele reconstitui e se auto reproduz)
Ivo Modogllio, Ori
José Araújo, Iroko (divindade árvore que nos traz a paciência, que nos acalma)
Larissa Bandeira e Leo do Gran, Ibejis (a permanência e a alegria)
Luana Bandeira, Oyá
Lui Mendes, Oxaguiã (renovação de Oxalá)
Marcelo Campos, Ógún (possibilidade de caminhar ao encontro do que é essencial)
Marcielly Vanucci, Iemanja (modeladora das cabeças e protetora das mães)
Marcos Bandeira, Omolu (Limite, Sinalização que nos faz parar. Processo de reflexão para melhorar. O rei)
Pedro Oliveira, Logunedé (o único orixá procriado)
Pedro Renato Martins, Esú (patrono da comunicação. Aquele que traz o novo, o movimento contínuo,  espiral)
Renata Ribeiro, Nana
Renegado, Osòósi (Dono da consciência do que se pode mudar)
Sergio Cezar, Sango (Justiça do que você pode ser. Trabalha a retidão e a verdade)
Vidal Assis, Ori
Zezé Motta, Oxum (a mais bela de todas)

+ sobre o tema

‘Marte Um’, filme escolhido pelo Brasil para o Oscar 2023, chega à televisão paga

Pela primeira vez, um longa escrito e dirigido por...

Vivian Eichler: Uma longa caminhada

Aprendi a cantar em 1994 trechos de Nkosi Sikelel...

Friburgo perde o músico Nego Dé para a Covid-19

Morreu neste domingo, 3, o músico André Henrique de...

para lembrar

Servidores públicos debatem racismo institucional

Todo o funcionalismo público foi convocado para participar das...

Alicia Keys vem ao Brasil gravar clipe com Beyoncé na favela

Alicia Keys vem ao Brasil gravar com Beyoncé o...

Conheça 5 brasileiros negros famosos que foram retratados como brancos

Foi muito comum no Brasil que pessoas negras de...

Países do G7 vão anular dívida do Haiti, diz ministro do Canadá

Clube de Paris já havia anunciado cancelamento dos débitos.Membros...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=