Goiás: família de mulher morta oferece R$ 10 mil por pistas

Assessora parlamentar foi morta com um tiro durante uma suposta tentativa de assalto em frente a uma lanchonete em um bairro nobre de Goiânia; Ana Maria Victor Duarte seria mais uma vítima do ‘serial killer’ que tem atacado jovens na cidade

 

A família da assessora parlamentar Ana Maria Victor Duarte, assassinada em março, anunciou que desde ontem disponibilizou recompensa de R$10 mil para quem der pistas consistentes que levem à prisão do motoqueiro suspeito do crime.

As pistas estão sendo colhidas pelo disque-denúncia da polícia, pelo 197, e na sede da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios. A moça, que tinha 27 anos, foi morta no dia 14 de março deste ano com um tiro durante uma suposta tentativa de assalto em frente a uma lanchonete no Setor Bela Vista, bairro nobre de Goiânia.

Segundo testemunhas, Ana Maria  estava acompanhada do namorado e de uma amiga quando, pouco antes da meia noite, um homem desceu de uma moto e, sem tirar o capacete, pediu que o grupo entregasse os celulares. O namorado e a amiga entregaram os aparelhos, mas Ana Maria não estava com o dela. O homem efetuou dois disparos contra a jovem e fugiu sem levar os celulares. A assessora parlamentar morreu no local.

O caso é um dos 12 inquéritos que está sendo investigado por uma força-tarefa da Polícia Civil de Goiás, que, desde segunda-feira, está atuando com o objetivo de desvendar as motivações e a autoria de uma sequência de crimes que aconteceram desde janeiro na capital de Goiás. Em todos eles, as vítimas foram mulheres jovens, de 14 a 29 anos, mortas em locais públicos, por suspeitos com arma de fogo e que usaram motos. A hipótese da existência de um assassino serial não foi descartada pela polícia, pelo menos até o final das investigações

Irmã de Ana Maria, a agente policial Livia Duarte Fiori, 34, disse que a família acredita no trabalho da polícia, mas resolveu fornecer um incentivo para envolver mais a população na solução do crime.

“Desde o início já pensávamos nisso. Confio no empenho dos colegas, afinal eu faço parte da instituição. Mas, conversando com meu pai e meu irmão, resolvemos juntar este montante para oferecer um incentivo a obtenção de pistas sobre o caso”, explicou ela, que é filha de um delegado e promotor de justiça aposentado.

“Não duvidamos do trabalho da polícia, sabemos que o caso é complexo”, disse ainda a agente, que confessou estar profissionalmente e pessoalmente empenhada na solução também dos outros casos das moças assassinadas por motociclistas.

Livia, que é policial há 14 anos, revelou ao Terra que, em maio, em conversa informal com o delegado Tiago Damasceno, responsável pelo caso, confessou a ele a suspeita pessoal de que os crimes pudessem estar sendo cometidos por um assassino serial, após duas vítimas terem sido mortas no mesmo dia, com as mesmas características, em 8 de maio.

“Comentei com ele e algumas amigas da minha irmã, no intuito até de alertá-las”, disse. As linhas de investigação para a morte de Ana Maria envolviam até então somente outras hipóteses, como latrocínio e retaliação.

Porém, Livia disse que não foi a responsável pelo boato sobre o serial killer ter sido espalhado nas redes sociais, o que causou um certo pânico entre a população da capital. “Não sei quem divulgou. Se é ou não um assassino em série, isso será apurado. Mas o fato é que as mortes continuaram a acontecer. Acho que a população deve tomar cuidado”, assinala.

Livia conta que a morte da irmã caçula (de uma família de três irmãos) trouxe muito sofrimento à família. “Meus pais estão vivos, mas também mortos. Todos nós. Sentimos muita falta dela.”, disse.

Fonte: Terra 

+ sobre o tema

A meritocracia de quem “larga tudo para fazer o que gosta” é branca e masculina

Constantemente temos visto artigos e textos falando sobre profissionais...

Ex-comandante de UPP e 7 PMs são condenados por morte de Amarildo

Ex-comandante de UPP e 7 PMs são condenados por...

Teorias e práticas científicas legitimam produção de iniquidades, alertam pesquisadores reunidos no Recife

O Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (CPqAM/Fiocruz Pernambuco) promoveu,...

Mulher é presa ao jogar farinha em vizinha negra: ‘você agora é britânica branca’

Kellie Wells assediou sua vizinha inúmeras vezes com atos...

para lembrar

Cotas raciais são mais efetivas que as sociais

Por: Rafael Moraes Moura   BRASÍLIA - Pesquisa feita em 2010...

MC Carol denuncia a violência policial e critica a Lava Jato em música; ouça

‘Delação premiada de pobre é tortura’ denuncia MC Carol Em setembro...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=