Haddad sanciona lei que permite excluir nomes de militares de ruas de SP

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, sancionou na quarta-feira uma lei que permite a troca de nomes de ruas batizadas em homenagem a autoridades que tenham histórico de violação contra os direitos humanos. Moradores de ruas com nomes de militares que tenham cometido crimes durante a Ditadura, por exemplo, poderão solicitar a mudança.

Um desses logradouros é a rua Doutor Sérgio Fleury, situada na Vila Leopoldina, zona oeste da capital paulista. Ela foi denominada em homenagem ao delegado Sérgio Paranhos Fleury, que atuou no Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) de São Paulo e é acusado de ter praticado torturas e homicídios durante o regime militar.

Um projeto dos vereadores do PCdoB Jamil Murad e Orlando Silva pede que o nome da rua seja trocado para Frei Tito, frade católico que foi preso e torturado pelo delegado Fleury. “Não se trata de uma mera substituição de denominação de ruas, mas sim de uma reparação histórica”, diz o projeto de lei dos vereadores.

 

Leia também: Violência Racial & Policial

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Homenagens e protestos marcam Dia de Martin Luther King Jr. nos EUA

NOVA YORK (Reuters) - Homenagens ao líder de defesa...

UEPG anuncia fim das cotas para negros nos vestibulares da instituição

Regras de cotas para alunos da rede pública também...

Ser um atleta medalhista olímpico não apaga sua cor, diz ex-levantadora Fofão

A história da ex-levantadora Fofão, 48, preencheria vários capítulos...

para lembrar

Para PM paulistana RACISMO não é crime! (vídeo)

    Oluandeji, Infelizmente este tipo de cena é...

Intelectuais protestam contra racismo em Israel

Vários importantes intelectuais de Israel protestaram neste domingo em...
spot_imgspot_img

Novo Selo de Igualdade Racial será lançado para incentivar diversidade nas empresas, anuncia Anielle Franco

O governo federal planeja introduzir, até o final do ano, um "Selo de Igualdade Racial" destinado a reconhecer empresas públicas e privadas que implementam...

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...
-+=