Homem é condenado a dois anos de prisão por injúria racial contra escritora

Pena de reclusão foi substituída por serviços a comunidade; Ricardo Rodrigues da Silva enviou emails com ofensas racistas à então colunista da Folha Marilene Felinto

Ricardo Rodrigues da Silva foi condenado a dois anos de reclusão, em regime aberto, pela prática do crime de injúria racial, por duas vezes, contra a escritora Marilene Felinto. A pena de prisão foi substituída por prestação de serviços a comunidade, e cabe recurso da decisão.

A sentença é da juíza Carla de Oliveira Pinto Ferrari, da 20ª Vara Criminal de São Paulo.

Silva enviou dois emails com ofensas de cunho racista a Marilene, um em junho de 2021 e outro em novembro de 2021. À época das ofensas, Marilene era colunista da Folha.

A juíza afirma que o teor das mensagens, “além de ofender a cor e raça da vítima, também apresenta conteúdo sexista e misógino, bem como embute-se de preconceito social-econômico”.

O inquérito foi requerido por Marilene, que atuou na ação penal como assistente do Ministério Público de São Paulo, que apresentou denúncia contra Silva.

A denúncia do Ministério Público informa que a investigação policial obteve os dados cadastrais de conexão do endereço de email usado para o envio das mensagens e identificou o denunciado como responsável pelas condutas criminosas.

Consta também no documento que, interrogado por carta precatória, Silva reservou-se ao direito de ficar calado. Ele compareceu com advogado à audiência de instrução e julgamento.

A decisão afirma que o réu, em interrogatório, confirmou o envio das duas mensagens, dizendo que o teria feito em contexto de divergência política, ligada a artigos escritos por Marilene.

A juíza não deu razão às questões preliminares alegadas pela defesa.

A magistrada também negou que o arrependimento ou retratação do denunciado poderia gerar extinção de punibilidade, justificando que não há amparo legal para tanto. A decisão cita o artigo 143 do Código Penal, que fala da possibilidade de extinção da pena em caso de retratação, mas que trata apenas os crimes de difamação e calúnia.

A juíza não concedeu o pedido de reparação de dano à vítima, argumentando que o acusado já tinha sido condenado na esfera civil pelas mesmas ofensas.

Em outubro de 2022, Silva foi condenado ao pagamento de indenização no valor de R$ 50 mil, além das custas processuais e honorários advocatícios, no valor de 10% do valor da condenação. O acusado não apresentou contestação no processo.

A decisão foi do juiz Dimitrios Zarvos Varellis, da 11ª Vara Civil do Tribunal de Justiça de São Paulo, em ação de danos morais movida pela vítima.

“Em suas mensagens o requerido manifestou, de forma completamente injustificada, diga-se de passagem, injúria racial e ódio gratuito contra a requerente no exercício de sua nobre profissão”, escreveu.

Após a decisão na área civil, Silva não recorreu, e a ação transitou em julgado. O valor da condenação, contudo, ainda não foi pago, e ainda não foram localizados bens para execução.

Leia também:

Entenda o que muda com a equiparação de injúria racial ao crime de racismo

Injúria Racial é Racismo!

Por que injúria racial não é somente um crime contra a honra?

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Pela primeira vez, negras são maioria como rainhas de bateria

Das 12 escolas postulantes ao título do Grupo Especial,...

Justiça condena segurança de supermercado por discriminação racial em abordagem

SENTENÇA Processo Digital nº: 1502711-79.2021.8.26.0320 Classe – Assunto: Ação Penal -...

The fight for equality in art and architecture

Brazilian artist and architect Muha Bazila gave a lecture...

Curiosidade sobre como vivem pobres alimenta turismo nas favelas

No início do século 20, a curiosidade sobre como...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=