Impasse inaceitável

Conselho de Segurança da ONU tornou-se anacrônico

O Direito humanitário internacional agoniza, e o multilateralismo fenece, enquanto ao menos 5 mil pessoas, a maioria civis, já perderam a vida no mais recente conflito bélico mundial, a contraofensiva de Israel ao terror do Hamas. São ambos — o Direito e o multilateralismo — reféns de um modelo, daqui a pouco centenário, de negociação global em que um punhado de países manda muito, e um monte apita quase nada. O poder de veto torna as votações de mentirinha. Aconteceu mais uma vez nesta semana, quando a oposição solitária dos Estados Unidos escanteou no Conselho de Segurança da ONU uma resolução articulada pelo Brasil, que teve, na prática, sinal verde de 14 dos 15 membros.

O ataque terrorista em Israel, que vitimou mais de 1.400 pessoas, incluindo três brasileiros, e fez quase duas centenas de reféns, em 7 de outubro, se deu dias depois de o Brasil assumir por um mês a presidência do conselho. A primeira providência do Itamaraty foi convocar uma reunião de emergência, no dia seguinte à barbárie. O encontro, tão breve quanto esvaziado, não resultou sequer em nota conjunta dos países. Nem houve consenso sobre condenação ao Hamas. Sandra Coutinho, correspondente da TV Globo em Nova York, notou que o governo Joe Biden, democrata, se fez representar pelo embaixador Robert Wood, quinto na hierarquia da missão americana na ONU, liderada por Linda Thomas-Greenfield. Sinal de falta de apreço ao colegiado e de alinhamento total — e declarado — à posição israelense.

Foram necessárias outras duas reuniões, até a manhã quase histórica de quarta, 18. Na sexta, 13, também terminara sem acordo a sessão presidida pelo chanceler brasileiro, Mauro Vieira, que substituiu o chefe da missão, o experiente embaixador Sérgio Danese. Na segunda, 16, foi a vez de o conselho rejeitar a proposta de cessar-fogo de uma Rússia ainda em guerra pela invasão da Ucrânia. A resolução recebeu somente cinco votos a favor (China, Emirados Árabes Unidos, Gabão, Moçambique e a própria Rússia), quatro contra (Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido) e seis abstenções (Albânia, Brasil, Equador, Gana, Malta e Suíça).

Por causa da recorrente falta de acordo, a construção da proposta do Brasil foi considerada tão significativa. O país já tinha empreendido uma bem-sucedida operação de repatriação de mais de mil brasileiros, boa parte turistas, em território israelense. O Itamaraty ainda organizou a saída de duas dezenas de famílias para Rafah, nos arredores da passagem de Gaza para o Egito. Diante do agravamento do conflito, com Israel determinando o deslocamento do Norte para o Sul da Faixa de Gaza de mais de 1 milhão de palestinos e a crise humanitária se agudizando, o conselho apreciaria o texto na terça à noite.

No meio da tarde, horas antes da sessão, a reunião foi remarcada. No “Estúdio i”, na GloboNews, informei que os Estados Unidos tentavam postergar a votação em 48 horas, mas o Brasil só concordava com adiamento de um dia. Aos americanos não interessava aprovar uma resolução no Conselho de Segurança antes de o presidente retornar da viagem ao Oriente Médio. Pouco antes do embarque de Biden, a explosão que deixou centenas de mortos num hospital de Gaza tornou mais urgente a sessão em Nova York.

Os palestinos e o mundo árabe acusam Israel; o governo de Benjamin Netanyahu, a Jihad Islâmica. Egito e Jordânia cancelaram o encontro com Biden, que só foi a Israel. Representantes da Liga Árabe na ONU fizeram pronunciamentos duros contra a morte de civis às centenas em Gaza. A temperatura subiu a ponto de a Rússia solicitar a antecipação da reunião do colegiado em Nova York.

Foi sob o impacto das estimadas 500 mortes no hospital, repudiadas por organizações como OMS, Médicos Sem Fronteiras, que o Conselho de Segurança votou, anteontem de manhã, a proposta brasileira. A resolução classificava o Hamas como grupo terrorista, estabelecia pausa humanitária no conflito, criava corredor de assistência aos civis, pedia a libertação dos reféns israelenses pelo Hamas.

Onze países, incluindo dois membros permanentes do conselho (China e França) votaram com o Brasil. Reino Unido e Rússia se abstiveram. Como tinham poder de veto e não o exerceram, abriram caminho para o que seria o primeiro entendimento entre potências globais sobre a tensão Israel-Palestina em sete anos. Mas os Estados Unidos usaram o poder de veto, herança do pós-Segunda Guerra Mundial aos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança.

A Casa Branca ainda tentou responsabilizar o Brasil pela votação da proposta antes de Biden retornar de Israel. A versão não convence, porque a sessão foi precipitada pela tragédia no hospital em Gaza. Ainda que o Brasil ignorasse o agravamento do conflito e concordasse com o adiamento desejado pelos Estados Unidos, a resolução seria apreciada.

O governo americano não tem como se livrar da responsabilidade de ter sido o único de 15 países a se opor à única faísca de humanidade possível até aqui, na “mais complexa situação do tabuleiro diplomático mundial”, nas palavras de um embaixador. Não é por acaso que tantos países equidistantes da queda de braço permanente entre as potências, caso do Brasil, insistem em cobrar novos membros, novas regras para o anacrônico Conselho de Segurança da ONU.

+ sobre o tema

‘Financial Times’: Grupos neonazistas desafiam o mito de democracia racial no Brasil

Extremistas da Ucrânia teriam recrutado brasileiros para lutar contra...

Jovem brasileira se suicida na Itália após suposto racismo

SÃO PAULO, 26 JAN (ANSA) – Uma adolescente de...

Neymar encerra “caso racismo”, mas repreende técnico: “fugiu da ética”

Neymar preferiu encerrar a repercussão sobre uma possível ofensa...

para lembrar

Polícia reconstitui agressão a vigilante negro no Carrefour de Osasco (SP)

Por: TATIANA SANTIAGO Após quase um ano da agressão contra...

Polícia britânica ‘atirou apenas três vezes’ em um ano

Os números chamam atenção quando comparados aos de outros...

Um diálogo entre negritude e loucura

“De mim para mim, tenho certeza que não sou...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=