Influenciada pelo Black Lives Matter, União Europeia faz seu primeiro projeto contra o racismo no continente

O movimento antirracista Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) está influenciando as políticas públicas da União Europeia (UE), em um momento em que o braço executivo do bloco prepara-se para apresentar seu primeiro plano de ação contra o racismo. Segundo o projeto da Comissão Europeia, visto com antecedência pela agência Bloomberg, os cidadãos do bloco enfrentam uma “realidade de racismo arraigado” que não pode mais ser ignorada. A autoridade prometeu processar os países que não cumprirem as rígidas leis da UE contra o racismo e a xenofobia e disse que também revisaria as medidas existentes para garantir que elas sejam rigorosas o suficiente.

— O progresso na luta contra o racismo e o ódio na Europa não é bom o suficiente, mas esperamos que, com tempo e mais esforço, possamos virar a maré na Europa — disse à Bloomberg Vera Jourova, vice-presidente de Valores e Transparência da comissão, antes da publicação do projeto, prevista para esta sexta-feira. — Esse é o objetivo do novo plano de ação e não hesitaremos em agir, inclusive fortalecendo nossa legislação e aplicando vigorosamente as regras.

As mudanças na Europa ocorrem em um momento em que os Estados Unidos vivem grandes protestos contra o racismo, motivados pela morte de diversos negros desarmados por policiais brancos no país. Uma das vítimas foi George Floyd, asfixiado e morto por um agente enquanto estava algemado de costas para o chão, em Minneapolis, no estado de Minnesota, em 25 de maio passado. Uma gravação da agressão viralizou nas redes sociais e gerou comoção mundial. O policial foi acusado de assassinato.

— Estes são tempos em que precisamos conter o nosso cinismo. Devemos realmente saudar este momento como algo muito importante, em que o Executivo da UE reconhece que o racismo é um problema na Europa — disse Judith Sunderland, diretora adjunta interina para a Europa da Human Rights Watch.

De acordo com o projeto, uma das prioridades do bloco deve ser a criação de um conjunto de dados confiáveis para avaliar de forma adequada a escala e a natureza da discriminação em toda a União Europeia. Em comparação com informações de discriminação por outras razões — como sexo, deficiência e idade — os dados no continente sobre preconceitos de origem étnica ou racial são escassos. Isso se deve em parte à rejeição de muitos países, após a Segunda Guerra Mundial e as perseguições nazistas a minorias, à manutenção de tais registros.

“Os obstáculos [para ter esses dados] incluem problemas no estabelecimento de uma metodologia comum, já que alguns Estados-membros coletam essas informações, enquanto outros evitam conscientemente essa abordagem”, explica o novo plano da UE, que continua: “Como resultado, muitas pesquisas focam na percepção de discriminação ou usam representantes como cidadania ou país de nascimento.”

A comissão quer “uma nova abordagem para a coleta de dados sobre igualdade” e irá organizar uma mesa redonda para encontrar formas de coletar essas informações com mais harmonia entre os países.

— Os planos de ação em geral, embora nunca sejam implementados de forma adequada e completa, enviam uma mensagem de que este é um problema que nos preocupa — diz Sunderland, que afirma que o projeto indica um roteiro e pontos específicos que devem ser seguidos.

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

Testemunhas desmentem PM que matou caminhoneiro e alegou legítima defesa

Três pessoas prestaram depoimento e afirmaram que crime não...

Mulher denuncia que foi à delegacia registrar acidente, apanhou e foi presa

Como internauta frequentador de sua importante página na Internet...

Justiça manda soltar PMs suspeitos da morte de empresário em SP

Decisão foi divulgada pelo TJ-SP nesta quinta-feira (26).Reconstituição do...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Gênero e reparação histórica na Guiné-Bissau e Além: entrevista com a intelectual Joacine Katar Moreira

No ano da celebração do 50º Aniversário da Independência da Guiné-Bissau, o Sesc Pompeia e o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP...

Crescimento pardo e preto reflete avanço na luta contra o racismo

Os dados do Censo 2022 revelam uma mudança na demografia brasileira, marcada pelo aumento da população que se autodeclara parda, atingindo 45,3%, e pelo...
-+=