Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias escolares, o carnaval e as festividades que o antecedem, também é fortemente demarcado pelo período das fortes chuvas que, ano após ano, vêm deixando cenários catastróficos, principalmente nas zonas urbanas, que crescem desenfreadamente sem gestão e urbanismo.

Infelizmente, as pessoas mais atingidas por todos esses impactos, são pessoas que vivem em condições vulnerabilizadas. Pretos e pardos no Brasil, possuem menor acesso à água potável, às infraestruturas sanitárias, à moradia digna. Essa camada da sociedade é demarcada pelos reflexos da colonização escravocrata brasileira que suprimiu a oferta de direitos humanos aos negros desse país, os remetendo a condições de vida muitas vezes sub-humanas, e que, proporcionalmente, pouco se evoluiu com o passar dos séculos. Pretos e pardos permanecem sendo indivíduos que têm aspectos de vida com maior grau de insalubridade e são os mais acometidos por doenças diarreicas, doenças de veiculação hídrica e arboviroses.

Caso a relação não seja explícita, compete dizer que tais doenças estão diretamente relacionadas aos aspectos ambientais e climáticos. 

As mudanças climáticas, que intensificam efeitos naturais, gerando fortes chuvas ou secas extremas, que também são reflexo de uma urbanização desenfreada e da ausência do comprometimento dos entes públicos em promover, de fato, um desenvolvimento urbano sustentável, corrobora para a intensificação de efeitos desastrosos nas camadas da população de baixa renda, que, não à toa, é caracterizada por uma maioria de indivíduos negros.

Desde a década de 70, Lélia González, Milton Santos, Abdias Nascimento – grandes pensadores negros brasileiros, denunciam a relação: ambiente – urbanismo – raça. Essa tríade caminha numa dinâmica descompassada, em que a população negra, em sua maioria, se afeta diretamente pelos efeitos dos desastres naturais, sejam esses: inundações, desabamentos, transbordamento de rios, perda de habitações, insegurança alimentar, aumento de doenças de veiculação hídrica, a ausência do fornecimento de água potável dentre outros impactos que atravessam as camadas mais vulnerabilizadas da população.

As inequidades raciais são transversais à vários setores da sociedade: à política, à economia, à saúde, à educação, ao saneamento. Não seria diferente, no âmbito dos aspectos ambientais. Refletir sobre as mudanças climáticas sem considerar os aspectos de étnico-raciais, é incorrer em medidas falhas, que não abordam com o devido cuidado cada cidadão brasileiro com suas características socioespaciais intrínsecas. Somos um país estruturalmente racista, que apartou os negros de direitos e acessos por séculos. As mudanças climáticas atacam em cheio essa população. Portanto, é urgente e necessário, um novo olhar do poder público para propor e pensar políticas públicas, estratégias e ações que enxerguem tal dicotomia em busca de reduzir as iniquidades, sobretudo as iniquidades raciais deste país.

 Isabela Coelho Moreira – Eng. Ambiental, Especialista em Saneamento e Mestre em Políticas Públicas de Saúde

+ sobre o tema

Em defesa da tolerância religiosa em nossa sociedade

Em defesa da tolerância religiosa em nossa sociedade: Uma...

Encontro das águas: precisamos falar sobre afetividade

O sistema escravocrata e as divisões raciais criaram condições...

Quanto vale uma vida?

Quando perguntamos às crianças o que querem ser quando...

A manutenção de Fundeb como estratégia para reorganização das comunidades escolares pós-pandemia do covid-19

Foi reportada, pela primeira vez, pelo escritório da Organização...

para lembrar

Combater desastres demanda análise de projeções climáticas

Em 1993, o número de desastres geológicos, hidrológicos, meteorológicos,...

Até quando vamos contar corpos à espera de adaptação climática nas cidades?

Feliz 2024 para quem? Minha primeira coluna do ano...

Desigualdade entre ricos e pobres agrava impacto das enchentes

Em países desenvolvidos ou de renda média, as enchentes...

Alagamentos aumentaram 57% na temporada passada de chuvas em São Paulo

A cidade de São Paulo teve um aumento na quantidade de...

Adaptação às mudanças climáticas para população negra 

A agenda de adaptação às mudanças climáticas ficou em segundo plano nas negociações e agendas nacionais. Mas o ano de 2023 ativou um gatilho...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A temperatura da cidade de São Paulo bate 33°C, mas lá fora, longe do meu ventilador,...

Alagamentos aumentaram 57% na temporada passada de chuvas em São Paulo

A cidade de São Paulo teve um aumento na quantidade de alagamentos na temporada de chuvas entre novembro de 2022 e abril do ano passado. Segundo...
-+=