Mudanças climáticas e os impactos na saúde da população negra

Artigo produzido por Redação de Geledés

O racismo mata e as alterações climáticas também matam

Em 1989, Spike Lee lançou “Faça a Coisa Certa”, filme que revela o cotidiano de uma comunidade pobre em um subúrbio dos Estados Unidos.  A convivência nada harmoniosa entre negros, hispânicos, coreanos e italianos é permeada por tensões constantes e relações que tecem uma linha entre entre discordar e permanecer. No filme, na Rádio do Amor, o DJ Love Daddy aconselha seus ouvintes sobre a onda de calor que se aproxima. “Fique em casa ou acabará com um capacete de plástico na cabeça”. Nas ruas, os mais velhos, sentados na calçada, falam sobre o calor extremo. 

Esse calor abordado por Spike Lee  conduz a narrativa do filme e faz parte do que aconteceu durante a chamada Seca de 1988, período em que ondas de calor extremas aliadas a tempestades de poeira responsáveis pela devastação de plantações e diversos incêndios em florestas, além de gerar um prejuízo considerável para o governo dos EUA. Na época, os dados mostravam uma média de 10 mil mortes em decorrência da onda de calor –  que durou 55 dias – algo registrado apenas em 1934 e 1936 no país.

As mudanças climáticas impactam diretamente na saúde da população e o combate às alterações climáticas poderá ser a maior oportunidade para melhorar a saúde global neste século. No entanto, as conversas sobre o impacto das mudanças no clima na saúde  são muitas vezes incompletas, dando-se pouca atenção à discriminação estrutural e à necessidade de haver justiça racial. Juntos, o racismo e as alterações climáticas interagem e têm efeitos desproporcionais nas vidas das populações negras. Os impactos recaem desproporcionalmente sobre grupos que já estão em desvantagem. 

Adicionar a desigualdade de gênero e raça às mudanças climáticas apresenta consequências, especialmente expondo mulheres e meninas a riscos sobrepostos, reconhecendo a interseccionalidade de gênero e raça no contexto das desigualdades. A pesquisa “Nossas palavras: vozes de mulheres afrodescendentes pela justiça reprodutiva e climática”, indica que a mudança climática pode piorar os resultados da saúde materna. Mostra como tragédias climáticas trazem impactos na realização dos direitos humanos, com a interrupção de serviços essenciais de saúde, aumento na probabilidade de ocorrência de violência baseada em gênero e aumentar as vulnerabilidades a práticas nocivas, como o casamento infantil.

As mudanças climáticas também aceleram a propagação de doenças infecciosas potencialmente letais. O relatório Lancet Countdown destaca que o aquecimento dos oceanos aumentou a área litorânea mundial adequada para a disseminação de bactérias Vibrio (que podem causar doenças como cólera) em 329 km a cada ano, desde 1982. Isso coloca 1,4 bilhão de pessoas em risco de diarreias e infecções graves, além de sepse. Até meados do século, os casos devem aumentar 39%. A incidência de dengue cresceu quase 30% em quatro décadas, com potencial de que a transmissão da enfermidade se eleve mais 37% em 2050.

Aproveitando o rápido avanço da ciência da detecção e atribuição, uma nova análise do Lancet Countdown (2023) mostra que mais de 60% dos dias que atingiram temperaturas elevadas que ameaçam a saúde em 2020 tiveram uma probabilidade duas vezes maior de ocorrer devido a alterações climáticas antropogénicas; e as mortes relacionadas com o calor de pessoas com mais de 65 anos aumentaram 85% em comparação com 1990-2000, substancialmente superior ao aumento de 38% que seria esperado se as temperaturas não tivessem mudado.

A crise climática é uma crise injusta e interseccional para os afrodescendentes. O reconhecimento dos impactos desproporcionais das mudanças climáticas na saúde, nos direitos e no bem-estar dos grupos racial, étnica e nacionalmente marginalizados tem aumentado, mas ainda aparece timidamente em negociações e mesas de decisão sobre os acordos de clima no mundo. As comunidades de afrodescendentes encontram-se entre as menos responsáveis pelas mudanças climáticas no mundo, embora enfrentem os impactos mais graves e sejam muitas vezes as pessoas mais afetadas que vivem nas áreas em alta vulnerabilidade. 

As crises ecológica, de biodiversidade e climática estão interligadas e afetam os territórios vulnerabilizados simultaneamente. O racismo ambiental configura uma das intersecções mais acentuadas entre as preocupações com o racismo e o clima e o meio ambiente. Inclui, por exemplo, o “recurso a práticas racistas para determinar quais comunidades são contempladas com infraestruturas de proteção da saúde, como espaços verdes, e quais são contempladas com rodovias e complexos industriais prejudiciais à saúde”.

O Acordo de Paris, assinado em 2015,  descreve como as partes “devem, ao tomar medidas para fazer frente às mudanças climáticas, respeitar, promover e levar em conta as respectivas obrigações em matéria de direitos humanos, direito à saúde, direitos dos povos indígenas, das comunidades locais, dos migrantes, das crianças, das pessoas com deficiência e das pessoas em situações em situação de vulnerabilidade e o direito ao desenvolvimento, bem como a igualdade de gênero, o empoderamento das mulheres e a equidade entre gerações”. Esses pontos do acordo não são tratados com mais intensidade e firmeza pelos negociadores ou chefes de Estado. Direitos Humanos ainda é um tabu nas discussões climáticas, que concentram olhares para os financiamentos. 

Saúde Quilombola

As comunidades quilombolas dependem da terra e dos recursos naturais. Recursos para seu desenvolvimento cultural, social, religioso, ancestral e econômico. Sob um Estado colonial brasileiro, os quilombolas sobrevivem com instabilidade jurídica em seus direitos territoriais, combinados ao fraco acesso aos cuidados de Saúde e Educação. Em diversas regiões do País, como na Amazônia, as disputas por terras entre quilombolas e outras populações tradicionais são intensificadas pela mineração e pelo agronegócio. 

O aumento do desmatamento combinado à intensificação da estação seca piora as emissões de carbono, o risco de incêndio e o estresse do ecossistema. Os resultados negativos para a saúde associados à insegurança alimentar incluem anemia, asma, problemas cognitivos, agressividade e ansiedade, depressão e suicídio entre crianças e problemas de saúde mental, diabetes, hipertensão, hiperlipidemia e sono deficiente entre adultos. Os eventos extremos, como tempestades, dificultam ainda mais o acesso a comunidades, deixando as populações sem cuidados básicos de saúde. A perda de biodiversidade é problema grave nas regiões, pois diminui os nichos ecológicos ocupados por predadores de espécies vetoriais e também cria novos nichos para vetores, hospedeiros e patógenos alternativos. Além disso, o desmatamento e a perda de habitat são frequentemente acompanhados de agressões psicológicas (estresse, desnutrição e aumento do contato com poluentes), o que pode afetar o sistema imunológico cronicamente e aumentar a suscetibilidade a patógenos.

Doenças do coração e mudanças climáticas

Os adultos mais velhos e os indivíduos negros não hispânicos nos Estados Unidos muitas vezes correm o risco de enfrentar efeitos adversos à saúde devido ao calor extremo. Em  2018, os negros americanos tinham 30% mais probabilidade de morrer de doenças cardíacas do que os americanos brancos. Eles também desenvolvem doenças cardíacas em idades mais jovens. Este risco acrescido deve-se, em parte, ao subinvestimento histórico e à contínua falta de infra-estruturas nas comunidades marginalizadas. Os residentes destas áreas muitas vezes não têm acesso a ar-condicionado e sofrem com o  efeito de ilha de calor urbano , onde as ruas ficam excessivamente quentes. Como resultado, os autores do estudo (MENCIONAR AQUI O ESTUDO) afirmam que os residentes nestas áreas estão entre os mais vulneráveis ​​aos impactos das alterações climáticas na saúde. O estudo “ Mudança projetada na carga de mortes cardiovasculares excessivas associadas ao calor extremo em meados do século (2036–2065) nos Estados Unidos contíguos”, estimou que em meados do século a quantidade de mortes cardiovasculares relacionadas com o calor nos EUA subiria até 233%, à medida que as alterações climáticas aumentam a intensidade, frequência e duração do calor extremo.

Anemia falciforme

As mudanças climáticas podem aumentar o risco de anemia falciforme de várias maneiras, é o que diz o artigo “Determinantes ambientais da gravidade da doença falciforme”, de . Por exemplo, as mudanças climáticas podem levar a um aumento da poluição do ar, com a possibilidade de piorar os sintomas da anemia falciforme. Além disso, as mudanças climáticas podem levar a um aumento da frequência e da intensidade de eventos climáticos extremos, como enchentes e secas. Esses eventos têm chances de levar a uma exposição maior a patógenos, o que pode aumentar o risco de infecções em pessoas com anemia falciforme.

A anemia falciforme é uma doença genética que afeta os glóbulos vermelhos. Os glóbulos vermelhos são responsáveis ​​por transportar oxigênio para as células do corpo. Na anemia falciforme, os glóbulos vermelhos são deformados e têm dificuldade de transportar oxigênio. Isso pode levar a uma série de problemas de saúde, incluindo dor, infecções e anemia. O problema é predominante entre indivíduos negros: segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, cerca de 8% da população negra (2021) foi diagnosticada com a anemia falciforme.

Ainda no Brasil, entre 2014 e 2020, a média anual de novos casos de crianças diagnosticadas com Doença Falciforme no Programa Nacional de Triagem Neonatal foi de 1.087, em uma incidência de 3,78 a cada 10 mil nascidos vivos. Estima-se que, atualmente, há entre 60 mil e 100 mil pacientes com Doença Falciforme no País, segundo dados do Ministério da Saúde.


Leticia Leobet – Assistente de Projetos de Geledés -Instituto da Mulher Negra

Mariana Belmont – Assessora de Clima e Racismo Ambiental de Geledés – Instituto da Mulher Negra, faz parte do conselho da Nuestra América Verde e da Rede por Adaptação Antirracista

+ sobre o tema

Racismo recreativo: atualizando os estereótipos contra as mulheres negras

No último sábado, 18 de janeiro, o programa Caldeirão...

O samba que virou cesta básica

A reportagem abaixo faz parte da série Geledés- Retratos...

para lembrar

Mãe-solo, Inaihe se torna empreendedora na pandemia

Em fevereiro de 2021, em plena pandemia, Inaihe Nainhana...

Quilombolas do Rio Grande do Sul pedem socorro para receber alimentos

“Os alimentos não estão chegando às comunidades quilombolas. Estamos...

“Uma OAB antirracista é a que assegura a participação de 30% a advogados negros e advogadas negras”

André Costa, advogado e consultor especializado em direitos políticos e...

“Falar de intolerância é fundamental, pois ela é o maior mal dos novos tempos”, diz Susanna Lira, cineasta

Em tempos de ascensão da intolerância no Brasil, os filmes e séries da cineasta Susanna Lira se tornaram mais do que relevantes. São hoje...

A costura das máscaras se tornou o sustento da família de Janaína

Costureira e moradora da Cidade Tiradentes, bairro periférico de São Paulo, Janaína Maria da Silva, de 40 anos, é mãe de dois rapazes, de...

“Eu faço roupa ativista” Isaac Silva

Uma onda de axé tomou conta do primeiro desfile do estilista baiano Isaac Silva na sexta-feira 18, na São Paulo Fashion Week. No encerramento,...
-+=