ITAN E TAL: Afrofuturismo e pertencimento afro-indígena no sul do Brasil

Grupo Baquetá traz em seu novo espetáculo a presença negra e dos povos originários no estado do Paraná não contada nos livros de história.

Guiada por Ananse, a aranha que trouxe as histórias pra terra, pela onça Jaguaretê, os seres da mata e por sua orixalidade, uma menina se confronta com a possibilidade de adentrar uma jornada rumo à sua própria história.

Até julho de 2023, cerca de 35 mil crianças da rede estadual e municipal de ensino, do Paraná, poderão embarcar nessa jornada junto à Nati, personagem de nove anos que vive essa grande aventura em busca de suas origens. Trata-se do espetáculo Itan e Tal, nova montagem do Grupo Baquetá, que se dedica a criar espetáculos com foco na identidade e cultura africana, afro-brasileira e dos povos originários, um projeto novo voltado para estudantes e, também, à comunidade local. 

Itan e Tal conta a história de Nati, uma menina pretinha, que canta e adora brincar. Ao inventar o jogo chamado Mundo Invertido das Palavras, descobre que seu nome ao contrário é “Itan”. Em seu mundo de fantasia, ela inicia uma profunda jornada em busca do significado desta palavra, encontrando a sua história afro-indígena, por meio de uma viagem ao passado e ao futuro. 

Grupo Baquetá (Imagem enviada ao Portal Geledés)

Diferente dos outros espetáculos que marcaram a trajetória bem sucedida e consistente do Grupo Baquetá, Itan e Tal desafia os atores a saírem do papel de narradores ou interlocutores de histórias tradicionais e recriadas, para a construção de sua próprias histórias e personagens, construídos à partir dos referenciais dos arquétipos dos orixás. “Todos nós, do Baquetá, fomos crianças afro-indígenas, sem informações de nossos antepassados, das nossas histórias”, conta Kamylla dos Santos, fundadora do Grupo Baquetá. Além da dramaturgia, a sonoplastia também é autoral, os atores são cantores e compositores de todas as músicas do espetáculo. A musicalidade africana, afro-brasileira e indígena é que embala toda a história!

O espetáculo estreou em Março, no Teatro Guaíra, principal palco da cidade de Curitiba, com casa cheia. Cerca de 900 pessoas assistiram ao espetáculo, em um final de semana. Itan e Tal segue em circulação estadual, até Junho de 2023, e depois inicia circulação nacional, em festivais e circuitos culturais e artísticos.

Equipe experiente e afro-indígena referenciada!

O projeto Itan e Tal reúne uma equipe afrocentrada: o ator, diretor e pesquisador Marcel Malê assina a direção cênica, Nelson Sebastião está a frente da direção musical, Kunta Leonardo da Cruz assina a direção de movimento e coreografias. A Cenografia é assinada pela artista visual Ayala Prazeres, os figurinos foram elaborados por Carla Torres da Africanize Ecodesign, Preto Martins é o Dj e sonoplasta do espetáculo e Nathan Gabriel é o responsável pelo desenho de luz. O Grupo Baquetá é formado pelos artistas André Daniel, Maycon Souza e Kamylla dos Santos, que também assina a direção de produção.

Grupo Baquetá (Imagem enviada ao Portal Geledés)

O Grupo Baquetá é um coletivo de teatro afro-referenciado, sediado em Curitiba, que mescla música, teatro, dança, contação de histórias e teatro de formas animadas. Para o Grupo, a base do espetáculo é imaginar possíveis futuros por meio de uma lente cultural negra e indígena, resgatando valores e princípios apagados pela colonialidade. Para chegar a essa proposta, a montagem é inspirada no cosmograma bakongo, que é uma representação simbólica dos ciclos do sol, da vida, do universo e do tempo, que explica a criação do mundo, a vida humana e os processos sociais como metáfora do ciclo vital. Além da circularidade do cosmograma, Itan e Tal também usa como referência as afrografias, oralituras e o tempo espiralar proposto por Leda Maria Martins, para apresentar elementos da orixalidade e do afro-futurismo. A dramaturgia é original, construída a partir de histórias de Ananse, o homem aranha que tece linhas que conectam os céus e a terra.

Itan e Tal é resultado de um edital direcionado para produção de obras literárias para crianças e, neste contexto, as histórias dos povos originários não são incluídas. É preciso falar dos orixás, de jaguaretê e de outros elementos presentes até hoje na cultura nacional, transmitidos pela oralidade. Os itan são milenares e fundamentaram a literatura clássica, como as fábulas de Esopo, com contos de animais, sentimentos duais e outros elementos. Sua construção narrativa é semelhante aos contos e mitos dos povos indígenas brasileiros. “O que torna uma obra literária um clássico é sua excelência, sua capacidade de ser atemporal, de gerar emoções e reflexões. É comum apenas obras europeias ou escritas por pessoas brancas entrarem nessa classificação. Itan e Tal busca ampliar essas referências. Pois há histórias milenares, contos africanos e indígenas, que até hoje fazem sentido, despertam sentimentos humanitários. É imprescindível incluir histórias de autoria negra e indígena dentre o rol dos clássicos, ainda mais no contexto da infância, em que padrões e visões de mundo estão sendo construídos”, explica Kamylla.

Itan e Tal é patrocinado pela Audi, por meio do edital do PalcoParaná e a Secretaria de Estado da Cultura, e levará a experiência do teatro para cerca de 35 mil crianças de Curitiba e região metropolitana em espetáculos diários, ao longo de março à junho.

Para saber mais sobre o Grupo Baquetá:

www.grupobaqueta.com.br

https://linktr.ee/grupobaqueta

Instagram: @grupo_baqueta

Facebook: Grupo Baquetá

(41) 99827-1737

Ficha técnica:

Realização – Grupo Baquetá; Dramaturgia – Kamylla dos Santos e André Daniel; Elenco – André Daniel, Kamylla dos Santos e Maycon Souza; Direção cênica – Marcel Malê; Direção de movimento – Kunta Leonardo da Cruz; Direção musical – Nelson Sebastião; Cenografia – Ayala Prazeres; Máscaras – Eduardo Santos; Figurinos – Carla Torres – Africanize; Visagismo – Kenia Coqueiro; Desenho de luz – Nathan Gabriel; Produção musical/ sonoplastia – Preto Martins; Fotos e vídeos: Stay Flow; Design gráfico – Keyla Lima; Ilustrações: Cleyton Telles; Composição musical – Grupo Baquetá; Mediação Cultural – Isabel Oliveira; Direção de produção – Kamylla dos Santos; Produção executiva – Maikon Gueiros; Assistente de Produção – Rapha Natel; Intérprete de Libras – Nathan Sales; Assessoria de imprensa – Flamma Comunicação.

O Grupo Baquetá é uma produtora especializada em espetáculos e oficinas teatrais, musicais e de dança, com base nos saberes africanos, afro-brasileiros e dos povos originários do Brasil. Idealizado por Kamylla dos Santos, o Grupo Baquetá foi fundado na cidade de Curitiba (PR), em 2009, visando preencher uma importante lacuna: divulgar a cultura brasileira ancestral.

Desde então, seu compromisso é construir coletivamente contextos que instiguem reflexões e entendimentos que promovam o respeito à diversidade, sobretudo étnico-raciais, por meio de práticas de teatro, dança, música, artes visuais e literatura. 

Na prática, os artistas profissionais do grupo desenvolvem espetáculos autorais e oficinas, que são fruto da pesquisa da musicalidade, oralidade e o conhecimento destes povos, nem sempre valorizados na cultura brasileira. Por meio da arte, o Grupo Baquetá pretende plantar sementes que contribuem para o enriquecimento do repertório pessoal de crianças, jovens, adultos e professores.

O Grupo lançou dois álbuns nas plataformas digitais, o EP Baquetá (2021) e Baquetinhá (2023) com participações de Janine Mathias, Giovani DiGanzá, Leo Cardoso e Diorlei Santos, gravado no Estúdio Fervo, em São Paulo. Foi, também, contemplado com o Prêmio Arte Paraná, organizando a turnê por oito cidades do Paraná com o espetáculo “Baquetinhá: brincadeiras musicais”, em novembro de 2016. Já abriu o show da “Palavra Cantada” no Teatro Positivo e participou da Roda de Conversa com Sandra de Sá, em 2014, ambos com o espetáculo “Baquetinhá”.

+ sobre o tema

Beyoncé dá destaque a designers de moda africanos

Na sua conta de Instagram, Queen Bey fez questão...

Beyoncé homenageia Meghan Markle a transformando em rainha

Bey aproveitou o Mês da História Negra para homenagear...

Slash, guitarrista do Guns N ’Roses fala sobre quem foi Michael Jackson realmente

Slash concedeu recentemente entrevista ao site Kerrang e revelou...

Rihanna escala modelo de 67 anos para campanha de sua grife “FENTY”

Além de ter se tornado uma verdadeira magnata da...

para lembrar

Sidney Santiago Kuanza leva afetividade negra ao palco

por Igor Giannasi  Com passagens pelo cinema e pela tevê,...

Josephine Baker

Josephine Baker (03 de junho de 1906 –...

Isaac Julien: Geopoéticas

Curadoria de Solange FarkasDe 4 de setembro a...
spot_imgspot_img

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

A Sombra do Sonho de Clarice

O longa-metragem convidado para ser exibido no Lanterna Mágica no dia 21 de março foi O Sonho de Clarice, de Fernando Gutierrez e Guto...
-+=