Julho das Pretas: entenda movimento político de mulheres negras inspiradas por Tereza de Benguela

Enviado por / FontePor Vitor Paiva, do Hypeness

Em 25 de julho se comemora o Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra: a data que celebra a líder que comandou o quilombo de Quariterê, no século 18, é o ponto alto do calendário do “Julho das Pretas”, agenda coletiva que traz atividades voltadas para “o fortalecimento da ação política coletiva e autônoma das mulheres negras nas diversas esferas da sociedade”. Em 2022, o evento chega a sua décima edição, com 427 atividades sendo realizadas por mais de 200 organizações de mulheres negras em 18 estados do Brasil, e uma atividade realizada em Paris, na França.

O Julho das Pretas é uma ação criada em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra pela superação da desigualdade de gênero e raça, colocando a luta das mulheres negras como centro do debate. A 10ª edição retoma as atividades presenciais com o tema “Mulheres Negras no Poder, Construindo o Bem Viver”, com atos e manifestações em todo o país. Além dos dez anos, serão celebrados em 2022 os 30 anos desde que foi declarado pela ONU, em 1992, o 25 de Julho também como o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha.

Em 2022, serão 427 atividades por mais de 200 organizações de mulheres negras em 18 estados (Foto: Divulgação)

Além das manifestações, acontecerão exposições, aberturas, rodas de conversa, cineclubes, oficinas, lançamentos e muito mais, incluindo diversas atividades virtuais. Os eventos se darão ao longo do mês pelos estados da Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Distrito Federal, Sergipe, Paraná, Mato Grosso, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Piauí, São Paulo, Pará, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Santa Catarina. A agenda completa dos eventos pode ser acessada no site do Instituto Odara.

O dia 25 de julho foi decretado em 2014 como Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra pela presidente Dilma Rousseff, para celebrar a vida e a luta de Tereza, que foi reconhecida como rainha ao liderar o Quilombo de Quariterê, no atual estado de Mato Grosso, por mais de duas décadas. A rainha utilizava um sistema parlamentar, que se reunia semanalmente para tomar as decisões sobre o local, e ainda desenvolvia agricultura de algodão e fabricava tecidos comercializados fora do quilombo.

O Quilombo foi destruído em junho de 1770 pelas forças de Luís Pinto de Sousa Coutinho, mas a luta e a liderança de Tereza reluzem até hoje como exemplo da força e da importância da mulher negra na história do Brasil – e no combate ao racismo e a escravidão no mundo.

+ sobre o tema

Menina de 13 anos é abusada sexualmente em voo da American Airlines/

Autoridades americanas prenderam um homem de 26 anos suspeito...

Faz-de-conta, por Sueli Carneiro

Acaba de ser lançado o livro Não somos racistas,...

Comissão da Mulher na Câmara Municipal de SP é formada apenas por homens

A comissão responsável por discutir políticas públicas para as...

Mulheres gravam vídeo em solidariedade a Eleonora Menicucci

As deputadas Maria do Rosário (PT-RS) e Benedita da...

para lembrar

Concurso premia documentários de estudantes sobre Lei Maria da Penha

Dados da Secretaria de Políticas para Mulheres apontam que...

Samira Carvalho: Cisne negro

Samira Carvalho tornou-se tornar uma modelo reconhecida internacionalmente mas...

Gays e lésbicas contam por que escondem a orientação sexual no trabalho

Experiências passadas ruins e medo de sofrer com o...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=