Justiça decide que trainee da Magalu só para negros não é discriminatório

Na ação, movida pela Defensoria Pública, o programa foi chamado de "marketing de lacração" e o autor pediu indenização de R$ 10 milhões por danos morais

O programa de trainee exclusivo para candidatos negros, realizado pela rede varejista Magazine Luiza, a Magalu, desde 2020, não é discriminatório, de acordo com decisão da 15ª Vara do Trabalho de Brasília. Na quinta-feira (3/11), a juíza Laura Ramos Morais julgou improcedente o processo movido por um defensor público que pediu indenização de R$ 10 milhões da empresa e chamou o programa de “marketing de lacração”.

O programa de trainee exclusivo para candidatos negros, realizado pela rede varejista Magazine Luiza, a Magalu, desde 2020, não é discriminatório, de acordo com decisão da 15ª Vara do Trabalho de Brasília. Na quinta-feira (3/11), a juíza Laura Ramos Morais julgou improcedente o processo movido por um defensor público que pediu indenização de R$ 10 milhões da empresa e chamou o programa de “marketing de lacração”.

Em defesa, a Magazine Luiza alegou que o processo seletivo busca “a diminuição das diferenças raciais existentes nas posições de liderança da empresa”. De acordo com as documentações apresentadas nos autos, a juíza concordou que a Magalu “teve por escopo garantir a participação de jovens negros” nos cargos de chefia, tendo em vista que 53% do quadro de funcionários da varejista é composto por pessoas negras, mas só possui 16% de líderes negros. “A seleção proposta, portanto, de acordo com tal informação, teria por finalidade a correção dessa desigualdade”, alegou Morais.

“O processo seletivo não configura qualquer tipo de discriminação na seleção de empregados. Ao contrário, demonstra iniciativa de inclusão social e promoção da igualdade de oportunidades decorrentes da responsabilidade social do empregador”, declarou a juíza.

Decisão fundamentada no Estatuto da Igualdade Racial

Para justificar a decisão de julgar improcedente o processo movido pela Defensoria, a juíza Laura Ramos Morais ressaltou que o programa de trainee da Magazine Luiza “encontra guarida no ordenamento jurídico pátrio e internacional”. “Importante ressaltar que o ordenamento jurídico brasileiro reconhece a igualdade como fundamento do Estado Democrático de Direito”, esclareceu Morais ao citar a Constituição Federal de 1988.

A decisão foi fundamentada no Estatuto da Igualdade Racial, que, conforme lembrou a juíza na sentença, possibilita que a iniciativa privada adote “ações afirmativas para a correção de desigualdades raciais”. Laura Ramos Morais também acrescentou que, em janeiro de 2022, o Brasil promulgo a Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância.

A Convenção define que medidas adotadas com a finalidade de assegurar “em condições de igualdade, o exercício de um ou mais direitos humanos e liberdades fundamentais de grupos que requeiram essa proteção não constituirão discriminação racial, desde que essas medidas não levem à manutenção de direitos separados para grupos diferentes e não se perpetuem uma vez alcançados seus objetivos”. Assim, o Brasil se comprometeu a adotar políticas que assegurem os “direitos e liberdades fundamentais das pessoas ou grupos sujeitos ao racismo, à discriminação racial e formas correlatas de intolerância”.

“Isto posto, reconhecendo a validade do ‘Programa de Trainee 202’” lançado pela ré [Magazine Luíza], julgo improcedente o pedido de pagamento de indenização por danos morais, seguindo a mesma sorte os pedidos de tutela inibitória formulados nos autos”, concluiu a juíza. (Clique aqui para ler a decisão na íntegra)

MPT pediu extinção do ação contra a Magalu

O Ministério Público do Trabalho (MPT), em São Paulo, já havia indeferido, em 2020, uma série de denúncias recebidas contra a Magazine Luíza, incluindo o processo movido pelo defensor Jovino Bento Junior. Na ocasião, o órgão pediu que a ação da Defensoria fosse extinta, uma vez que, para o MPT, o trainee não configura violação trabalhista.

A Magazine Luiza lançou o programa de trainee exclusivo para candidatos negros em 2020, sendo a primeira empresa do Brasil a promover uma iniciativa dessa natureza. Na época, o processo seletivo causou polêmica na internet e ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter.

O trainee abriu um disputa nas redes sociais entre os que elogiaram a medida e aqueles que acusaram a Magalu de “racismo reverso” com brancos, usando a hashtag #MagazineLuizaRacista. Entre os críticos estava o vice-líder do governo na Câmara, deputado Carlos Jordy (PL). O parlamentar afirmou, por meio do Twitter, que entraria com representação no Ministério Público contra a empresa para que fosse apurado crime de racismo.

Em resposta, a varejista usou o mesmo argumento apresentado na defesa do processo movido pela DPU. Pelas redes sociais, a Magalu disse ao deputado que a empresa estava tranquila com a legalidade do programa. “Inclusive, ações afirmativas e de inclusão no mercado profissional, de pessoas discriminadas há gerações fazem parte de uma nota técnica de 2018 do Ministério Público do Trabalho”, escreveu.

+ sobre o tema

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no Brasil

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no...

Educação, direitos humanos e tecnologia: questões em jogo

Por Denise Carreira2 Comecei este nosso momento1, provocando vocês a lembrarem...

Goiás: trabalhadores resgatados dormiam com ratos e morcegos

Trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão no final...

para lembrar

Histórico da imprensa negra no Brasil pauta seminário de comunicação

Panorama sobre a comunicação negra no Brasil abriu o...

Como apagão de dados sobre vacinação no Brasil traz de volta ameaça de doenças já controladas

Não há dúvidas entre os profissionais de saúde e...

Anemia Falciforme, você sabe o que é?

A anemia falciforme é uma doença genética e hereditária,...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=