L’Ecole des Sables: o “chão” da dança contemporânea africana

Pés descalços no chão de areia. O calor senegalês prepara os corpos para a agitada rotina de treinamentos que os alunos da Ecole des Sables (escola de areia, em português) enfrentam. A escola de dança que fica a aproximadamente 200 metros do mar, é fruto das interconexões que marcam a África contemporânea. Situada em uma ilha de pescadores – repleta de Baobás – chamada Towbab Dialaw, a 50 quilômetros de Dakar, no Senegal, a Ecole foi fundada pela coreógrafa Germaine Acogny em 1998.

Por Rosa Couto no Afreaka

mulheres

Com o intuito de ser um centro de treinamento profissional aberto para dançarinos da África e do mundo todo, sua estrutura básica é composta por dois estúdios de dança, tendo o principal deles 400m² de chão coberto por areia. Além dos estúdios, a escola possui 3 vilas com um total de 24 casas, nas quais ficam alojados alunos e visitantes, além de salas de conferência e restaurante próprio.

A fundadora e diretora artística Germaine Acogny, considerada a mãe da dança contemporânea africana, é reconhecida por desenvolver uma técnica extremamente particular, unindo seus conhecimentos da dança Ocidental a uma estrutura africana de sentimentos, pautada no uso inovador da tradição – entendida não como local de retorno acrítico, mas como inspiração para o novo.

ToubabDialaw4

Antes de fundar a Ecole, Germaine havia dirigido a Mudra Afrique, uma escola de dança idealizada por Maurice Béjart e pelo primeiro presidente senegalês, Leopold Senghor – poeta que cunhou, junto com Aimé Cesaire, o termo “negritude”. Após o fechamento da Mudra Afrique, a coreógrafa e seu marido, Helmut Vogt, fundaram a companhia Jant-Bi (“o sol” na língua wolof), além da Ecole des Sables, mantendo em movimento os ideais pan-africanos de Senghor.

Dança, política e inovação estética distinguem a produção da Jant-Bi e marcam as diretrizes de ensino do centro de treinamento. O principal objetivo da Ecole é ser um local de educação e troca de conhecimentos sobre o tradicional e o contemporâneo e um local onde a dança africana é colocada no mesmo nível de importância das danças ocidentais. Reconhecida desde 2005 pelo Ministério da Educação do Senegal, a escola é o berço de dançarinos de diversas partes do mundo e a base de produções como Le Coq est Mort (1999), Fagaala (2003/2004) e Waxtaan (2007), frutos da aguda sensibilidade de Germaine, que em seu livroAfrican Dance diz:

“O movimento artístico no qual baseio meu próprio trabalho, enraizado em nossas tradições populares, não é um retorno à fonte. É, pelo contrário, um caminho totalmente diferente, pautado no urbano e no moderno, refletindo a África de hoje, uma África de arranha-céus, uma África de grandes contradições internacionais (…)”. Tradição e inovação expressam o teor da busca pelo movimento a ser explorado, evidenciando uma África protagonista e aberta ao mundo, com o coração fincado no continente, mas de frente para o Oceano “Atlântico Negro” que, como já destacou Paul Gilroy, tem potencial de interligar culturas e permitir que o novo, necessariamente, transborde.

struc_4014

 

Confira um vídeo da Cia Jant-Bi, composta por alguns alunos:

+ sobre o tema

Heloisa Pires – O Pescador de histórias

As ilustrações de Élon Brasil O Pescador navega...

Heloisa Pires Lima – A criação literária como um fio condutor

No meu caso, a criação literária é um...

‘Lima Barreto, ao terceiro dia’ conta vida e obra do escritor

Com texto de Luiz Alberto e direção de...

Seleção exibirá faixa contra armas, drogas, violência e racismo em partidas

Faixa exibida pela Seleção Brasileira nos últimos jogos...

para lembrar

Sobre o poder do movimento

O rosto de menina de Ana Pi disfarça os...

Inscrições abertas para artistas de dança negra, série “Diálogos Ausentes”

Itaú Cultural faz chamada aberta para artistas e produtores...

Negro, você sabe dançar?

É praticamente carnaval e outro dia um amigo angolano...

Rapper Akon anuncia contrato de R$ 31 bilhões para construir “Wakanda” na África

Akon garantiu um contrato de US$ 6 bilhões, cerca...
spot_imgspot_img

Manifest: recriando a memória da Europa sobre o tráfico de pessoas escravizadas

Pessoas escravizadas. Pessoas. Antes de serem comercializadas e transportadas do continente africano pelo oceano Atlântico para as Américas e para a Europa, tendo Portugal,...

Pioneiro, Nelson Triunfo enfrentou ditadura para dançar break na rua

Pioneiro do break no Brasil, o artista Nelson Triunfo conta que foi preso muitas vezes por dançar na rua. “Eu ia preso direto. Tinha um delegado...

Núcleo Ajeum estreia espetáculo de dança “PADÊ” com temporada no Sesc 24 de Maio

Núcleo Ajeum celebra a existência de corpos pretos a partir daquilo que os faz desejar a vida De 28 a 30 de julho de 2023, sexta-feira e...
-+=