Núcleo Ajeum estreia espetáculo de dança “PADÊ” com temporada no Sesc 24 de Maio

Padê é a dança de celebração da força que vai da gargalhada ao conflito, do olhar desconfiado ao sorriso largo, do sangue pulsando aos desejos de transformação. A desordem como uma possibilidade de reaver caminhos, lembrando-se de quem se é.

Núcleo Ajeum celebra a existência de corpos pretos a partir daquilo que os faz desejar a vida

De 28 a 30 de julho de 2023, sexta-feira e sábado às 20h, domingo às 18h, o Núcleo Ajeum (@nucleoajeum), realiza a temporada de estreia do espetáculo de dança “PADÊ”, no Sesc 24 de Maio, que fica na Rua 24 de Maio, 109 – República, São Paulo. Os ingressos podem ser adquiridos no site ou nas bilheterias do Sesc SP com valores a partir de R$ 12,00

Em “PADÊ”, Djalma Moura, criador, coreógrafo e diretor do núcleo, instiga os bailarinos na cena a externalizar desejos e pulsões de vida para criar uma dança ebó. Uma dança que venha como proposição de arrastar as mazelas físicas, emocionais e espirituais que ainda corrompem meninos e meninas negras e induzem aos seus extermínios.

Uma dança que busca revigorar o corpo e espírito tendo em vista a continuidade e manutenção da vida, seus desejos carnais, as trocas nesse mercado de Exú, recolhendo e partilhando boas notícias, para engolir e cuspir outro de si. Um inteiro em sua integridade que celebra sua existência e roça a vida em gozo, prazer e gargalhadas.

“Levando em consideração que o contrário de Exú é o cárcere, a certeza imutável, os dogmas e o medo da contradição, o apequenamento; Padê é a dança de celebração da força de ordem, da gargalhada, do conflito e contradição, do sexo e gozo, do olhar desconfiado e do sorriso largo, da encruzilhada, do sangue pulsando e dos desejos de transformação. Diante do inevitável, a vida!” comenta Djalma Moura, Diretor do Núcleo Ajeum.

Núcleo Ajeum – Padê – Foto: Bella Badaró

A proposta da obra coreográfica “PADÊ” parte da compreensão dos processos de manutenção da vida a partir de um estado de persistência e desejo. Quais são os desejos que nos mantêm vivos? Quais formas e formatos organizam nossos movimentos cotidianos na busca por vitalidade?

“A complexidade em lidar com esses disparadores que possibilitam caminhos infinitos exige que escutemos o processo de forma mais aguçada e porosa. Isso me instigou a ter um olhar mais atento junto às qualidades dos bailarinos, suas habilidades e vontades tanto individuais quanto coletivas, para conduzir os caminhos da obra, e encontrar outras formas de organização das gestualidades que surgiam”, complementa Moura.

Núcleo Ajeum – Padê – Foto: Bella Badaró

O Núcleo Ajeum em seus dois últimos trabalhos vem criando questões em torno do ciclo nascimento, vida e morte. Em “IKÚ”, a poética da morte e suas silhuetas evocam a perda, a reorganização da comunidade, o lamento e a celebração dos legados deixados por quem partiu. Já no espetáculo “LAMA” a proposta de compreender a invenção do corpo, uma matéria que vem da manipulação do barro, se transformando em revitalização do nascimento por mãos de encantamento que se questiona e reconfigura a partir das relações do que é corpo. “PADÊ” parte da busca por respostas criativas e dançadas sobre a desordem como mais uma possibilidade de reaver os caminhos percorridos, de parar e olhar para si, lembrando-se de quem se é. 

Sobre o Núcleo Ajeum

Criado em 2014 por Djalma Moura e sediado na periferia da Zona Sul de São Paulo, o Núcleo Ajeum pesquisa as estéticas negras e suas cosmovisões de mundo inseridas em contextos sociais, tradicionais e contemporâneos. As obras coreográficas do núcleo partem da encruzilhada entre contos, mitologias, filosofias e liturgias africanas e afro-brasileiras.

Com onze obras criadas ao longo da trajetória, entre elas produções de espetáculos para caixa cênica, espaços alternativos, ruas e audiovisual o núcleo também produz a Revista Ajeum, com duas edições publicadas, onde discorre sobre processos de criação das coreografias, seus atravessamentos, além de contar com contribuições de outros artistas e pensadores de dança e arte negra.

Destaque para o projeto “IKÚ” lançado em versão para o palco e versão de filme, ambas indicadas ao Prêmio APCA de 2022. A versão filme “IKÚ: A Morte Um Dia Acolherá o Orí” foi a vencedora deste prêmio na categoria Espetáculo não estreia em 2022. A versão presencial ganhou o Prêmio Denilto Gomes da Cooperativa Paulista de Dança na categoria Direção e Dramaturgia, no mesmo ano. 

Mais informações: www.nucleoajeum.com, www.facebook.com/nucleoajeum e @nucleoajeum

Ficha Técnica – Concepção, Direção e Coreografia: Djalma Moura. Intérpretes-Criadores: Aysha Nascimento, Djalma Moura, Erico Santos, Marina Souza, Sabrina Dias e Victor Almeida. Artistas Residentes: Barbara Aquino, Paulo Felito e Prudy Oliveira. Criação Musical: Lucas Brogiolo. Criação e Operação de Luz: Juliana Jesus. Figurino e Visagismo: Gil Oliveira. Cenário: Núcleo Ajeum. Confecção da Mesa: José Lourenço. Palavras de Pesquisa: Bruno Garcia Onifade, Luís Rufino e Baba Flávio de Yemonja. Preparadores Corporais: Djalma Moura, Jessy Velvet e Tainara Cerqueira. Assessoria de imprensa: Luciana Gandelini. Produção: Dafne Nascimento 

SERVIÇO: Estreia – Espetáculo “PADÊ” 

Com Núcleo Ajeum

Sinopse: Semente olho de boi e casca de fava. Duas pedras fechadas e uma aberta. Vértebra, penas e sangue animal. Uma mesa que acolhe subjetividades na intenção de gerar fricções pelos caminhos. Atravessar e ser atravessado. Com os olhares e gestos, criar estripulias. Colocar o próprio corpo na dimensão de ebó, com a magia do gesto, é criar um portal entre múltiplas existências que atravessam o passado, presente e futuro. É como comer, mastigar, engolir, gozar e devolver ao mundo transformado em uma dança que se apoia na força embrionária de Exú para alavancar desejos de uma vida doce. Uma fenda está aberta e a dança que surge no processo de regeneração habita campos de saúde, cura e prazer. Pois queremos acreditar que para a manutenção de uma boa vida saudável é preciso roçar. Já que a vida é doce para nela se viver, vamos gargalhar. Duração: 60 minutos

Quando: 28, 29 e 30 de julho de 2023 – Horário: sexta-feira e sábado 20h / domingo 18h

Onde: Sesc 24 de Maio – Endereço: R. 24 de Maio, 109 – República, São Paulo – SP, 01041-001

Ingressos: R$ 12,00 (Credencial Plena) /  R$ 20,00 (meia-entrada) / R$ 40,00 (inteira)

Informações: https://www.sescsp.org.br/programacao/pade/

+ sobre o tema

Carnaval Salvador 2012 BA – Bloco Ilê Aiyê com Arlindo Cruz

O próximo sábado (28) vai ser marcado pela Noite...

21 de Março – Toda beleza veio para ficar!

Para comemorar o  21 de Março - Dia Internacional...

Brasileira eleita miss Italia nel Mondo incentiva misses negras: “Nunca desistam!”

Silvia Novais, 25, é uma miss vitoriosa: foi miss...

Akim Camara um virtuose do violino na Holanda

O Maestro Andre Rieu apresentou Akim Camara um violinista...

para lembrar

Referências da cultura negra auxiliarão a formular políticas

O Ministério da Cultura (MinC) terá, a partir de...

Jornalista baiano lança livro digital sobre cenário da música pop negra em Salvador

O e-book 'Pop Negro SSA: cenas musicais, cultura pop...

Morre Sergio Roberto dos Santos, idealizador da Noite da Beleza Negra do Ilê Aiyê

O idealizador da Noite da Beleza Negra do bloco...

Ismael Ivo

Raiz negra da dança contemporânea, ele evoca corpo em...
spot_imgspot_img

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios de shows realizados em unidades do Sesc São Paulo nas décadas de 1970, 1980 e 1990,...

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...
-+=