Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

'Nós... Mulheres do Século Passado' reúne perspectivas de autoras que são acadêmicas, cozinheiras e ministras

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro “Nós… Mulheres do Século Passado”, ela cunhou o termo conhecido como “dororidade”, que mistura as palavras dor e sororidade, para descrever a união criada a partir da dor das mulheres negras.

É da vontade de unir, ou aquilombar, nas palavras dela, que nasce “Nós… Mulheres do Século Passado”, lançado no fim do ano passado. Sem rigor acadêmico, Piedade convidou, junto às outras organizadoras Andréa Pacha e Cristina Gaulia, 76 mulheres das mais diversas origens para escrever textos livres.

Valia poesia, prosa, ensaio, o que viesse à mente. O livro traz ensaios sobre feminismos —no plural— feitos por essas mulheres de 32 a 84 anos, que são cozinheiras, artistas, estudiosas, filósofas e até ministras.

São as chamadas mulheres do século passado, ou seja, nascidas no século 20. “Nascemos no século passado, mas nossos problemas, com ou sem solução, acontecem no cotidiano presente, neste século que estamos atravessando, e não poderia ser diferente”, diz Piedade.

Ela cita Elza Soares ao dizer “eu sou now, meu tempo é o agora”. De fato, os problemas levantados no livro são atualíssimos. É o caso do ensaio de Elisabeth Baraúna, advogada e integrante da Comissão da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, que escreve sobre os impactos da pandemia de Covid nas mulheres negras.

O livro foi concebido nesse contexto. “Tive essa ideia a partir da pandemia. Onde tudo se tornou virtual, inclusive nossos contatos, trabalho, tempo”, diz Piedade.

O texto de Carla Menezes, escrito em primeira pessoa, sobre ser uma mãe solo também é atual em seu diálogo com uma realidade que persiste. O livro traz, ainda, nomes de grife como Zélia Duncan, Maria Elizabeth Rocha —primeira mulher ministra do Superior Tribunal Militar— e Sueli Carneiro.

Os temas são variados. Muita experiência pessoal entra nas narrativas, e vivências de gênero se misturam às de raça e de sexualidade. São tratados temas como envelhecimento, trabalho, reprodução. Mas cabem reflexões bem-humoradas sobre o amor, caso do texto de Pamela Castro sobre um relacionamento com uma inteligência artificial.

“Aprendemos com quem veio antes, aprendemos com quem veio depois e aprendemos com a juventude, nossa continuidade”, diz Piedade.


NÓS… MULHERES DO SÉCULO PASSADO

  • Preço R$ 65 (216 págs.)
  • Editora Máquina de Livros
  • Organização Vilma Piedade, Andréa Pachá, Cristina Gaulia

+ sobre o tema

Narrativas de presença e poder: diálogo geracional entre mulheres e homens negros

Em 1995, eu estava no mestrado (...), um colega...

A mulher negra no mercado de trabalho: A pseudoequidade, marcada pela discriminação da sociedade e a mídia no século 21

RESUMO Minuciosamente o trabalho demonstra a presença da discriminação racial...

Representatividade: grupo formado por cinco médicas negras inaugura clínica no Rio

Enquanto o mundo inteiro debatia os avanços da telemedicina,...

Atividades alusivas ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – Ceará

Nos últimos anos, o INEGRA juntamente com o Fórum...

para lembrar

Serena Williams protagoniza vídeo da Nike sobre empoderamento feminino

Vencedora de 23 Grand Slams, a tenista Serena Williams...

Precisamos reconhecer nossa palmitagem

Muito se tem discutido sobre a solidão da mulher...

Mulher negra sempre será subjugada, diz advogada Valéria dos Santos

Alvo de um episódio que causou revolta pelo racismo...

Um dia histórico para o Movimento das Mulheres

Ontem foi um dia histórico para o Movimento de...
spot_imgspot_img

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...

Da’Vine Joy Randolph vence o Oscar de Melhor atriz coadjuvante

Uma das favoritas da noite do 96º Oscar, Da'Vine Joy Randolph se sagrou a Melhor atriz coadjuvante da principal premiação norte-americana do cinema. Destaque...
-+=