Livro sobre desigualdade social e racial reúne artigos de 34 escritores negros

Obra discute desigualdade social e racial a partir da Independência brasileira

A coletânea “Brasil 200 anos – A resistência negra ao projeto de exclusão racial” foi lançada nesta segunda-feira (10), no Itaú Cultural, em São Paulo. Com 34 artigos escritos por 18 mulheres e 16 homens negros, a obra traz reflexões sobre a desigualdade social e racial a partir dos 200 anos da Independência do Brasil.

Nesta quarta-feira (12), o evento de divulgação do livro será no Rio de Janeiro.

Entre os nomes que deram contribuição à obra estão os de Ana Maria Gonçalves, Anielle Franco, Ana Flávia, Bianca Santana, Djamila Ribeiro, Edna Roland, Zélia Amador de Deus, Cida Bento e Michael França.

“Todos esses autores dedicam suas vidas a perscrutar a questão racial. O que nos unifica é não aceitar a exclusão racial no Brasil. A ambição ao escrevermos este livro foi a de ter um país democrático sem racismo“, afirmou Sueli Carneiro, doutora honoris causa pela UnB (Universidade de Brasília) e fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra.

Organizador da coletânea, o professor Helio Santos conta que o livro foi escrito em apenas quatro meses por um coletivo negro com ativismo antirracista.

A iniciativa propõe um país mais justo, com equidade racial. “A Independência foi um grande fracasso se pensarmos na maioria da população brasileira. A desigualdade social tem cor e tem gênero. Somos resistência. Portanto, essa coletânea não é neutra, tem lado”, diz o professor.

Santos afirma que, graças ao movimento negro, hoje há uma percepção maior de que o racismo solapa o Brasil. “Mas ainda são necessárias políticas públicas sistemáticas para combatê-lo.”

Edna Roland, do Observatório do Racismo do Programa de Estudos pós-graduados de Ciências Sociais da PUC-SP, também comentou sobre a importância da militância negra e de como esse processo fez com que se pensasse quem é o negro e a negra no Brasil. “Hoje as pessoas reivindicam serem negras, fruto do que a minha geração realizou, que milita há mais de 30 anos.”

Roland chamou a atenção para as ações afirmativas e pontuou que um dos resultados mais importantes são as cotas raciais nas universidades públicas.

Já Nivia Luz, da comunidade Pirajá, mestra em Cultura pela UFBA (Universidade Federal da Bahia), destacou a importância da representatividade. “Os autores dos livros que estão na minha prateleira eu os conheço, eles estão aqui hoje. Este livro é a narração de um país que tenta nos esquecer. Nós não somos minoria, somos maioria.”

Divulgação

“Resistência negra ao projeto de exclusão racial – Brasil 200 anos (1822-2022)”

  • Organização de Helio Santos
  • Editora Jandaíra
  • 440 páginas
  • R$ 90

+ sobre o tema

para lembrar

“Só nos dão o osso” – releia entrevista com Ariano Suassuna

Confira conversa realizada com o autor, que morreu nesta...

A emergência de um novo olhar para a literatura afro brasileira

É sabido que a Literatura, em especial a brasileira,...

Territorialidades de Cidinha da Silva

Programa Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação no ato...

Literatura africana de língua portuguesa: 10 obras fundamentais

  por Sandro Brincher – Já li em alguma antologia...
spot_imgspot_img

Conceição Evaristo é eleita a nova imortal da Academia Mineira de Letras

A escritora Conceição Evaristo, 77, foi eleita nesta quinta (15) membro da Academia Mineira de Letras, na cadeira número 40, já ocupada por Afonso Pena Júnior e...

Conheça o livro ‘Um Defeito de Cor’, mais vendido online depois de enredo da Portela

Tema do enredo deste ano da Portela, o livro "Um Defeito de Cor", lançado em 2006 pela escritora mineira Ana Maria Gonçalves, alcançou, nas últimas...

Veja os novos livros infantis de Edimilson de Almeida Pereira e Cidinha da Silva

Diz o ditado que Exu matou um pássaro ontem com uma pedra que só jogou hoje. É mais ou menos isso o que faz Cidinha da Silva com...
-+=