Mais 2.000 comunidades africanas colocaram fim à mutilação ou corte genital feminino em 2011

Nações Unidas, Nova York – Em 2011, quase duas mil comunidades de toda África abandonaram a mutilação ou corte genital feminino. Assim, chegou a oito mil o número total de comunidades que renunciaram a essa prática nos últimos anos, segundo levantamento recentemente feito pelo UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas, e UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância.

“Essas constatações encorajadoras mostram que as normas sociais e as práticas culturais estão mudando, e as comunidades estão se unindo com o objetivo de proteger os direitos das meninas e das mulheres”, disse Dr. Babatunde Osotimehin, Diretor Executivo do UNFPA no Dia Internacional da Tolerância Zero com a Mutilação Genital Feminina, 6 de fevereiro.

“Fazemos um chamado à comunidade mundial para que se some a nós nesta iniciativa de importância crítica. Juntos, podemos colocar fim à mutilação ou corte genital feminino no lapso de uma geração e ajudar milhões de meninas e mulheres a ter vidas mais saudáveis e plenas e alcançar seu potencial”.

O novo relatório, Key Results and Highlights 2011 (Principais resultados e destaques de 2011), foi lançado pelo Programa Conjunto UNFPA-UNICEF para acelerar o abandono da prática de mutilação ou corte genital feminino. Esta iniciativa, estabelecida em 2008, tem o propósito de colocar fim à uma prática com graves efeitos para a saúde, imediatos e a longo prazo, que viola os direitos humanos das mulheres e das meninas.

A cada ano, cerca de três milhões de meninas e mulheres – ou cerca de oito mil meninas por dia – enfrentam o risco da mutilação ou corte genital. Segundo uma estimativa, entre 130 e 140 milhões de meninas e mulheres têm sido vítimas desta prática, principalmente na África e em alguns países da Ásia e Oriente Médio.

Os novos dados indicam que, com o apoio do UNFPA e UNICEF, as ações contra a mutilação ou corte genital feminino tiveram resultados satisfatórios em 2011. Em todo o continente africano foram oferecidas mais de 18 mil sessões de educação comunitária, cerca de três mil líderes religiosos declararam publicamente que é necessário eliminar este ritual e mais de três mil artigos em jornais trataram do tema.

Como resultado, durante 2011, cerca de duas mil comunidades declararam ter abandonado a prática. Os atos que celebraram tais declarações contaram com a presença de funcionários do governo, representantes muçulmanos, líderes católicos e protestantes, líderes tradicionais de aldeias e clãs, e milhares de outras pessoas em diversos países, entre eles Burkina Faso, Djibuti, Etiópia, Gâmbia, Senegal, Quênia e Somália. O Parlamento do Quênia aprovou uma lei que proíbe a mutilação/corte genital feminino; 13 estados do Sudão comprometeram-se com iniciativas para abandonar a prática; e no Egito mais de 3,6 mil famílias com meninas se expressaram contra tal prática. Além disso, os líderes religiosos da Mauritânia, Senegal, Mali, Guiné, Guiné-Bissau, Gâmbia e Egito promulgaram uma fatwa (pronunciamento legal) contra a mutilação genital na África Ocidental.

O Programa Conjunto UNFPA-UNICEF contra a Mutilação ou Corte Genital Feminino estimula a mudança usando uma abordagem com sensibilidade cultural e enfoque nos direitos humanos, que promove o abandono coletivo desta prática. O Programa abrange a participação de todos os grupos comunitários, entre eles líderes tradicionais e religiosos, mulheres, homens e as próprias meninas em si, para discutir os danos causados pela prática e destacar que esta não é um requisito religioso. O Programa também apoia leis e políticas contra a prática.

 

 

 

 

Fonte: Mulher Negra

+ sobre o tema

A ABL não merece Conceição Evaristo

Em julho deste ano, Conceição Evaristo, 71 anos, cruzava...

VIP relembra suas 12 capas de 2013: Nenhuma mulher negra

Para facilitadora do Blogueiras Negras, “isso é apenas o...

Documentário ‘Damas do Samba’ mostra como a mulher conquistou seu espaço

Filme reúne ícones da música, como Dona Ivone Lara,...

Cartas da prisão de Nelson Mandela por Sueli Carneiro

Em parceria com o Sesc São Paulo, convidamos a...

para lembrar

Programa Extra-classe – Feminismo Negro

Programa Extra-classe - Feminismo Negro

Show Por Uma Vida sem Violência – Margareth Menezes

    Assessoria de Comunicação Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado...

Livro reúne história inspiradoras de 14 empreendedoras negras

Sob a coordenação editorial da especialista em diversidade e...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=