Mais amor entre nós

Criado pela jornalista baiana Sueide Kintê, o objetivo do projeto é espalhar a sororidade e servir como ponte entre quem oferece e precisa de ajuda
por Djamila Ribeiro, da Carta Capital 

Fazer uma massagem, ajudar com o filho, oferecer orientação jurídica. Essas são algumas das doações oferecidas pelo projeto “Mais amor entre nós”. Criado pela jornalista baiana Sueide Kintê, o objetivo é espalhar a sororidade, termo usado por mulheres que significa solidariedade.

“O ‘Mais amor entre nós’ não inova. A gente aprende desde menina que nossa sobrevivência está ligada à ajuda a outra mulher negra

mais amor entre nos tranca

Para Sueide, o exercício de se doar foi algo que o Brasil aprendeu com as mulheres negras (Sueide Kintê/Acervo Pessoal)

“É meu dever como mulher negra, jornalista que saiu do útero de uma mulher de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo da Bahia, reproduzir a ampliar esse jeito de fazer que é nosso”, diz a jornalista. “E nossas mídias precisam ter a nossa cara. Eu cansei nas mídias tradicionais de querer integrar algo que não é nosso. Essas mídias também precisam entender que somos universais. É dizer ‘se você é mulher e precisa de algo que eu listei abaixo, me procure’. E compartilhar com outra mulher o que eu gosto de fazer. É um mito as mulheres serem rivais, é uma invenção do capital que só serve para produzir dogmas imprestáveis e crenças inúteis, limitantes”.

Além das doações, as mulheres se encontram presencialmente para discutir questões referentes a mercado de trabalho, empoderamento e estão trabalhando na construção de um aplicativo.

O projeto pode ser resumido com um ditado africano lembrado por Sueide: “Mulher é que nem água, sempre encontra um caminho”.

Para quem quiser participar e doar, é só clicar aqui.

. Desde uma xícara de café, açúcar, até compartilhar comida e a defesa, a gente se mete em briga pra defender a outra. A única coisa que eu fiz foi pegar esse aprendizado tão ancestral e colocar no Facebook, que é uma ferramenta que eu uso como jornalista e que serve para ampliar nossas vozes nesses tempos em que as violências também são ampliadas nas redes sociais. É um contra-ataque assertivo”, diz a jornalista.

Nascido como uma página no Facebook, o projeto hoje existe também como site e plataforma. Para além da Bahia, está presente atualmente em São Paulo, Acre, Rio de Janeiro, Brasília. O crescimento da ideia também se dá além do Brasil, em países como Argentina, Espanha, Angola, Cabo Verde e Inglaterra (Londres).

Importante ressaltar que o objetivo não é a troca, mas a doação. Sueide reforça que esse exercício de se doar foi algo que o Brasil aprendeu com as mulheres negras.

Dessa forma, o projeto funciona como uma ponte entre quem oferece a ajuda e quem precisa.

 

+ sobre o tema

Amor aos livros. E a elas

O potencial do mercado dos negros e das mulheres por...

Assédio não é elogio à beleza feminina

Não é raro me deparar com meninas que, para...

Tenho que compartilhar o que aprendi, diz Rachel Maia

À frente da Pandora, ela falou no Fórum CLAUDIA...

Sueli Carneiro é primeira negra a ter título de honoris causa da UnB

A Universidade de Brasília (UnB) deu o título de doutora honoris...

para lembrar

spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=