Mais amor entre nós

Criado pela jornalista baiana Sueide Kintê, o objetivo do projeto é espalhar a sororidade e servir como ponte entre quem oferece e precisa de ajuda
por Djamila Ribeiro, da Carta Capital 

Fazer uma massagem, ajudar com o filho, oferecer orientação jurídica. Essas são algumas das doações oferecidas pelo projeto “Mais amor entre nós”. Criado pela jornalista baiana Sueide Kintê, o objetivo é espalhar a sororidade, termo usado por mulheres que significa solidariedade.

“O ‘Mais amor entre nós’ não inova. A gente aprende desde menina que nossa sobrevivência está ligada à ajuda a outra mulher negra

mais amor entre nos tranca

Para Sueide, o exercício de se doar foi algo que o Brasil aprendeu com as mulheres negras (Sueide Kintê/Acervo Pessoal)

“É meu dever como mulher negra, jornalista que saiu do útero de uma mulher de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo da Bahia, reproduzir a ampliar esse jeito de fazer que é nosso”, diz a jornalista. “E nossas mídias precisam ter a nossa cara. Eu cansei nas mídias tradicionais de querer integrar algo que não é nosso. Essas mídias também precisam entender que somos universais. É dizer ‘se você é mulher e precisa de algo que eu listei abaixo, me procure’. E compartilhar com outra mulher o que eu gosto de fazer. É um mito as mulheres serem rivais, é uma invenção do capital que só serve para produzir dogmas imprestáveis e crenças inúteis, limitantes”.

Além das doações, as mulheres se encontram presencialmente para discutir questões referentes a mercado de trabalho, empoderamento e estão trabalhando na construção de um aplicativo.

O projeto pode ser resumido com um ditado africano lembrado por Sueide: “Mulher é que nem água, sempre encontra um caminho”.

Para quem quiser participar e doar, é só clicar aqui.

. Desde uma xícara de café, açúcar, até compartilhar comida e a defesa, a gente se mete em briga pra defender a outra. A única coisa que eu fiz foi pegar esse aprendizado tão ancestral e colocar no Facebook, que é uma ferramenta que eu uso como jornalista e que serve para ampliar nossas vozes nesses tempos em que as violências também são ampliadas nas redes sociais. É um contra-ataque assertivo”, diz a jornalista.

Nascido como uma página no Facebook, o projeto hoje existe também como site e plataforma. Para além da Bahia, está presente atualmente em São Paulo, Acre, Rio de Janeiro, Brasília. O crescimento da ideia também se dá além do Brasil, em países como Argentina, Espanha, Angola, Cabo Verde e Inglaterra (Londres).

Importante ressaltar que o objetivo não é a troca, mas a doação. Sueide reforça que esse exercício de se doar foi algo que o Brasil aprendeu com as mulheres negras.

Dessa forma, o projeto funciona como uma ponte entre quem oferece a ajuda e quem precisa.

 

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=