Guest Post »
Marielle Franco

Marielle é Justiça

“Agora é pra fazer valer. Sou força, porque todas nós somos. Sigo porque seguiremos todas nós juntas. Eu sou Marielle Franco: mulher, negra, mãe, da favela. Eu sou porque nós somos”

Marielle Franco

Os quatro tiros ecoaram fortes e secos. Talvez houvesse um silenciador na arma, como especulou uma das testemunhas que assistiu a apenas 10 metros a execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes na noite de 14 de março de 2018. Acreditavam mesmo que iriam silenciá-la para sempre, mas a morte da negra, lésbica e favelada a transformou em um símbolo internacional contra a opressão racial, de gênero, contra violência policial. Marielle se tornou um ícone para todas as mulheres e a comunidade LGBT+ do globo. Uma rua em Colônia (Alemanha) hoje leva o seu nome, que ainda foi grafado em inúmeras cidades pelo mundo. No Rio de Janeiro, estilhaçaram sua placa. Mas a cada golpeada, Marielle ressurge, pois é fênix. Neste Carnaval, seu largo sorriso desfilou estampado em bandeiras na Mangueira e levou a escola de samba a ser campeã. Prenderam suspeitos de seu assassinato dois dias antes de se completar um ano de sua morte. Mas não silenciaram as tantas outras Marielles que agora uníssonas perguntam: quem mandou matá-la? E por quê? Marielle é Justiça para todas e todos. Marielle é respeito; é dignidade; é uma sociedade mais justa e igualitária. E ninguém a cala mais.

Conversas mostram como uma advogada e um PM obstruíram as investigações sobre a morte de Marielle

ÉPOCA teve acesso ao relatório final da investigação, composto por depoimentos, grampos telefônicos, celulares e documentos apreendidos, que mostra co...

Anistia Internacional cobra de Witzel solução sobre assassinato de Marielle

Quase seis meses se passaram desde a prisão dos executores do crime. Nenhum outro avanço ocorreu na investigação do assassinato de Marielle desde entã...

Raquel Dodge quer ter acesso às investigações do caso Marielle

Em um pedido enviado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), Dodge ressalta que precisa ter acesso aos documentos para solicitar um eventual deslocamen...

“Quando nos matam duas vezes, a luta negra ressurge outras mil”

Quinze meses completos após suas mortes, em 14 de junho de 2019, caminhando para um ano e meio de ausências, continuam desconhecidos os mandantes do c...

Decisão contra Marília de Castro Neves, do TJ/RJ, foi unânime Do Migalhas Quentes A Corte Especial do STJ decidiu nesta quarta-feira, 7, receber parci...