Meu lugar de fala

Me gritaram: negra!
e muitos falaram que não, que era parda.
Me gritaram: negra!
e alisaram o meu cabelo.
quanto mais liso, mais aceita.
aí é só não usar vermelho
e não ser escandalosa igual preto.

Me gritaram: negra!
alguns falaram que eu nem não sou tão preta.
me gritaram: negra!
E esconderam toda minha história
Me gritaram: negra!
E eu chorei, porque queria ser parda.

Porque mesmo tendo 132 anos de abolição
me sinto escrava,
padronizada, estereotipada e
hipersexualidade ?
Porque a carne mais barata, sempre é a minha carne negra?
Porque esconderam nossa história?

Aprendi sobre o nosso ouro,
nossos antepassados,
sobre nossas lutas,
E que não teve compaixão
Mas sempre existiu Dandaras!
em contrapartida, muitos morrem sendo capitão do mato.

Não sou feia, não sou estranha
Não sou morena, não sou parda.
Somos livres por Zacimba Gaba!
Não tentem apagar os fatos!
desvalorizam nossa cor
mas gostam de um sexo com a “mulata”

Falam de consciência negra.
Mas ainda sentimos as chibatadas.

Me gritaram: Negra!
E escutei ainda mais forte “é parda!”
Me gritaram: Negra!
E eu quis recuar.
Me gritaram: Negra!
E muitas coisas não entendi.
Me gritaram: Negra!
E escutei “negro é feio!” “Vc é morena!”
Me gritaram: Negra!
E eu fiquei chocada.
Até que aprendi com Djamila que não sou mulata,
Garcia deixou sua carta,
Sueli me ensinou sobre desigualdade,
Mariele presente!
Bia a importância de ter consciência de classe e raça
Diário de uma favelada fez eu ficar inspirada.
Aí me gritaram: Negra!
E eu me movimentei, junto com a estrutura da sociedade.
Não precisaram mais me gritar Negra
pois já entendi o meu lugar de fala.

Inspiração para a criação da poesia: Poema musicado de Victoria Santa Cruz – me gritaram negra.

 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Resposta simples para um problema complexo: o debate sobre o retorno às aulas

“Ano se recupera. A vida não”. Com este mote...

Coisa mais linda e a invisibilidade da mulher negra

De uma forma abrangente a série aborda pautas muito...

Quem plantou, quem colheu, quem aguou? – O protagonismo feminino no meio rural

AVE MARIA DAS QUEBRADEIRAS “Ave palmeira Que sofre desgraça. Malditos: derruba,  Queima, devasta. Bendito...

Vidas que importam

As recentes mortes envolvendo negros e policiais brancos norte-americanos...

para lembrar

Nós Mulheres Negras

Historicamente centenas de mulheres negras tem se despontado na...

Pandemia ladeira abaixo – A gente sempre tem que morrer?

No início da pandemia, fomos chamados para uma ocorrência...

Na contracorrente do tráfico: os retornos para a África no século XIX

No carnaval carioca de fevereiro de 2003, a Escola...

Encontro Internacional Afro-Feminismos De Abya Yala: Uma aposta crítica para o agora

A partir de experiências de mulheres negras de diferentes origens, culturas, identidades de gênero e dissidências sexuais no ativismo feminista, antirracista e anticolonial na...

A cultura do estupro e suas diferentes intervenções nos corpos negros

Enquanto as mulheres negras estão mais vulneráveis a serem estupradas, os homens negros sofrem consequências de um “mito do negro estuprador” criado propositalmente como...

Tecnologia ancestral

Saudações,  Hoje é um dia no futuro que foi sonhado pelos nossos ancestrais.  Nessa encruzilhada em quem seus olhos encontram as minhas palavras, seu corpo dança. ...
-+=