Meu sonho é ver uma mulher negra presidente do STF

Depois de 78 anos da sua fundação, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) anunciou a primeira mulher negra ministra do órgão: Edilene Lôbo, natural de Taiobeiras, cidadezinha do norte de Minas Gerais.

A advogada foi escolhida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para ser ministra substituta do tribunal. Doutora em direito processual pela PUC-Minas (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) e mestra em direito pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Edilene é uma pesquisadora renomada, com estudos abrangendo temas como inclusão e direitos humanos, entre outros.

A notícia da nomeação de Edilene precisa ser comemorada. Ainda que muito tímida, a presença de uma mulher negra no Tribunal Supremo Eleitoral no exato momento em que a casa decidia pela inegibilidade de Jair Bolsonaro representou uma virada num jogo de cartas marcadas, do qual pessoas negras nunca puderam participar.

O racismo é o principal motivo pela ausência de mulheres negras nas cadeiras de poder pelo país. Duvida? Faça o exercício de pensar o cenário contrário: por 78 anos, só mulheres negras ocuparam as cadeiras do TSE. Em 2023, o primeiro homem branco é nomeado como ministro. Não parece ter algo errado?

Enfrentamos uma série de barreiras históricas, sociais e estruturais que dificultam a participação ativa na política. A discriminação racial e de gênero, aliada à falta de acesso à educação de qualidade, recursos financeiros e apoio político, contribuem para essa sub-representação.

Sonho alto: quero ver uma mulher negra presidente do Supremo Tribunal Federal. Também quero ver uma mulher negra presidente do Brasil. Pois sem a participação delas, não é possível a construção de uma sociedade justa, igualitária e democrática.

Será que meu sonho vai se realizar?

É necessário que haja um compromisso real por parte dos partidos políticos e da sociedade em geral para promover a inclusão e valorizar a presença das mulheres negras nos espaços de poder. Isso implica em criar mecanismos de apoio, incentivar a participação política desde a base, investir em formação e capacitação política e garantir que as vozes das mulheres negras sejam ouvidas e respeitadas.

É necessária a nossa luta pela ampliação desses espaços, para que as decisões políticas reflitam a diversidade e a realidade de todas as brasileiras, independentemente de sua cor de pele e para que possamos comemorar semanalmente a ascensão de Anieles, Beneditas, Margaretes, Marinas, Vilmas e Edilenes.

+ sobre o tema

Congresso aprova revisão da Lei de Cotas com vagas na pós-graduação

Os senadores aprovaram nesta terça-feira (24), em votação simbólica,...

“A música corajosa de um tambor distante”

Há factos em nossas vidas que podem suscitar novas...

Nota de Repúdio ao incentivo à homofobia na USP

Por: Julio Caetano     A Associação Brasileira...

para lembrar

‘Isso é cabelo de gente?’

‘Isso é cabelo de gente?’ Estudantes denunciam racismo em ensaio...

Racismo volta aos Estádios e Federação se omite. Vergonha, no país campeão do mundo

Terra Magazine Lamentável o silêncio de ontem à noite...

Idosa é condenada a quatro anos por insultos racistas na Avenida Paulista

Pena, contra a qual não cabe recurso, deve ser...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=