Ministras Eleonora Menicucci e Luiza Bairros entregam o Prêmio Lélia Gonzalez

As representantes das 13 organizações contempladas pelo Prêmio Lélia Gonzalez – Protagonismo de Organizações de Mulheres Negras receberam as placas comemorativas das mãos das ministras Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), e Luiza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Todas as instituições premiadas estavam representadas e apresentaram informes do uso dos recursos recebidos do prêmio. As premiações foram entregues nesta quinta-feira (23), em Brasília, pelas promotoras do prêmio, a SPM e Seppir.

A ministra Eleonora (SPM), que conheceu, conviveu com a homenageada e leu suas obras, fez questão de ressaltar a importância de Lélia Gonzalez para as feministas brasileiras. Segundo a ministra, Lélia combateu implacavelmente o racismo e que esteve sempre à frente, não apenas com sua obra extraordinária, mas principalmente com atitude, que ela demonstrava de forma combativa.

O pensamento de mulheres negras e não-negras, conforme enunciou a ministra Eleonora Menicucci, foi influenciado pela obra da ativista. Ao destacar como a atitude de Lélia impressionava e contaminava mulheres e homens, a titular da SPM disse que a luta de Lélia contra o racismo teve uma homenagem justa por meio do prêmio, por parte do governo federal.

Sobre a premiação, a ministra Luiza Bairros afirmou que representa uma homenagem a todas as mulheres negras, por meio dessas organizações agraciadas. Bairros fez uma sugestão para que a Marcha das Mulheres Negras, que acontecerá em 2015, seja um ponto comum em todos os projetos agraciados.

O prêmio integrou a programação do Seminário O Feminismo Negro e o Pensamento de Lélia Gonzalez, realizado no mesmo dia em que foram agraciadas as 13 instituições vencedoras.

 

 

 

Fonte: Secretaria de Políticas para Mulheres

+ sobre o tema

A mulher negra que desafia o capital imobiliário

História de Carmen Silva, líder sem-teto em SP, perseguida...

Carta à minha amiga Alisada

Queridx amigx alisadx, Por Karoline Gomes Do Ovelha Mag Há muito queria...

Luiza Bairros relembra o bairro predominantemente de brancos em que viveu em Porto Alegre

Lázaro Ramos entrevista Luiza Bairros, ministra-chefe da...

para lembrar

Taís Araújo sobre os cabelos crespos: “Me apropriei das minhas origens”

Taís Araújo falou sobre assumir os seus cabelos crespos...

Universidade Johns Hopkins em Baltimore cria “Bolsa de Estudos Marielle Franco”

O Programa de Estudos Latino-Americanos (LASP) da Escola de...

Empreendedores criam negócios para aumentar representatividade negra na publicidade

De casting de modelos a banco de imagens, eles...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=