Modelo negra é agredida com empurrões e insulto racista em metrô da Inglaterra

A modelo londrina Mahaneela Choudhury-Reid, de 21 anos, sempre aparece nas páginas de revistas da Inglaterra como uma das mulheres mais bonitas e estilosas do país. Mas na última quarta-feira, as agressões sofridas por ela na estação Regents Park, da capital, estamparam os jornais. Mahaneela afirma ter sido chutada, empurrada e chamada de “negra filha da p*” por um homem branco, careca, de óculos e bem vestido. Após denunciar o caso no Twitter, o nome da modelo ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter do país.

“Esta manhã, na estação de Regents Park I foi vítima de um ataque por motivos raciais. Entrei no elevador com pelo menos quinze outras pessoas. As portas estavam se fechando e eu estava de frente para ela. De repente, um homem branco com cerca de 45 anos me empurrou com força total com as duas mãos sobre os meus ombros para dentro do elevador. Ninguém reagiu. À medida que o elevador subia, eu me virei para encarar o homem que estava de costas para mim. Ele continuou a me empurrar e ninguém reagiu”, contou a moça na rede social.

Logo após o desabafo, Mahaneela ganhou apoio dos seguidores. O homem ainda não foi identificado, mas diretor de operações do metrô de Londres, Phil Hufton, afirmou que a empresa vai investigar o incidente. As informações são do site London 24.

“Todos os nossos clientes têm o direito de utilizar os nossos serviços sem medo de ser maltratado. Nós não vamos tolerar um comportamento ofensivo em relação aos nossos clientes ou funcionários e nós incentivamos essa cliente a relatar o incidente à Polícia de Transporte Britânica. Vamos trabalhar com eles para investigar a fundo este incidente”.

Hufton completou, afirmando que todos os 700 funcionários da polícia de transporte têm trabalhado para eviar casos como este nas estações de metrô. Mahaneela afirmou que vai denunciar o caso à PTB e também mandou uma mensagem através do Twitter para as testemunhas da agressão.

“Para todos os adultos que presenciaram o que aconteceu esta manhã na estação Regent Park, que vergonha. Este é um exemplo clássico do “efeito de proximidade”, em que as pessoas não sentem a necessidade de agir, porque eles acreditam que os outros vão intervir. Nós não podemos permitir que as pessoas se comportam dessa maneira, porque perpetua a idéia de que este tipo de ataque é aceitável. As pessoas precisam resistir a qualquer tipo de violência / racista atos que eles ver- e acabar com este tipo de discriminação. Não basta pensar que alguém vai lidar com a situação. Se você ver algo que você não concorda, reaja”, finalizou.

 

 

Fonte: Globo

+ sobre o tema

Gentili, sua assistente negra e o apresentador de TV demitido por racismo nos EUA

A Univisión, maior rede de TV hispânica nos EUA,...

Ponte Preta acena na contramão do futebol brasileiro com um inédito presidente negro

Conhecedor do histórico pontepretano contra o racismo, o mandatário...

Os terroristas vestem fardas

MAIS UMA CHACINA. MAIS CINCO JOVENS NEGROS E POBRES...

para lembrar

Denúncias de racismo duplicam em quatro anos no Brasil

Mais de 1.500 denúncias de racismo ou por injúria...

Justiça mantém valor de indenização à família de Amarildo

Viúva e filhos devem receber R$ 500 mil, cada...

“Só lamento que tenha sido em Manchester e não na Bahia”

Internautas denunciaram, na manhã desta terça-feira (23), o perfil...

A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil

Depois que você terminar de ler este texto e...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=