Morre a atriz Léa Garcia, aos 90 anos

Enviado por / FonteO Globo

Ela estava no Festival de Gramado, onde seria homenageada

Morreu nesta terça-feira, aos 90 anos, a atriz Lea Garcia. Ela estava no Festival de Gramado, onde seria homenageada pelo conjunto da obra com o troféu Oscarito. A informação foi confirmada pelos familiares de Léa, nas redes sociais.

“É com pesar que nós familiares informamos o falecimento agora na cidade de Gramado no @festivaldecinemadegramado da nossa amada Léa Garcia”.

Post sobre falecimento de Léa Garcia — Foto: Instagram

Léa estava circulando pelo Festival, que começou no último sábado, todos os dias. Chegou a posar sorridente na frente do troféu Kikito.

A carioca Léa Lucas Garcia de Aguiar estreou nos palcos aos 19 anos de idade, na peça “Rapsódia Negra”, de Abdias do Nascimento. Foi o interlectual e criador do Teatro Experimental do Negro (TEN), inclusive, que viu seu talento, quando a conheceu no ponto do bonde, em 1950, na praia de Botafogo.

“Estava indo buscar minha avó para levá-la ao cinema quando uma pessoa veio ao meu encontro e perguntou: ‘Você não gostaria de fazer teatro?’”, contou Léa à revista ELA, do GLOBO.

Léa Garcia em Gramado — Foto: Cleiton Thiele/Agência Pressphoto

Relembre os trabalhos de Léa Garcia na TV

Léa, então, se apaixonou – não só por Abdias, com quem teve teve dois filhos (Henrique Christovão Garcia do Nascimento e Abdias do Nascimento Filho), mas pelas artes. A partir de então, seguiu carreira nas artes cênicas e, em 1956, esteve no elenco da peça “Orfeu da Conceição”, de Vinícius de Moraes. Ela também participou do filme, dirigido pelo francês Marcel Camus um ano depois. Sua atuação rendeu-lhe uma indicação ao prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes.

Na TV, a primeira novela de Léa foi “Acorrentados”, de 1969, na Record. Antes disso, participou de programas como “Grande Teatro”, da TV Tupi, e “Vendem-se Terrenos no Céu”. Sua estreia na TV Globo aconteceu em 1970, em “Assim na Terra como no Céu”, obra de Dias Gomes.

Léa esteve no elenco de sucessos da TV Globo como “Selva de pedra”, de Janete Clair, exibida em 1972, e “Escrava Isaura”, adaptação de Gilberto Braga para a obra de Bernardo Guimarães, no ar em 1976. Nesta novela, fez sua primeira vilã e sofreu represálias na rua.

“Escrava Isaura é o meu cartão de visitas. Tive muitas dificuldades em fazer cenas de maldade com a Lucélia Santos. Eu me lembro de uma cena em que, quando a Rosa (personagem de Léa) acabou de fazer todas as perversidades com a Isaura, eu tive uma crise se choro, me pegou muito forte. Chorei muito, não com pena, mas porque me tocou”, disse Léa ao site “Memória Globo”.

Na Manchete, fez parte de “Dona Beija”, em 1986, escrita por Wilson Aguiar Filho, “Tocaia grande”, de Duca Rachid baseado na obra de Jorge Amado, exibida em 1995, e “Xica da Silva”, de 1996, escrita por Walcyr Carrasco.

Nos anos 2000, participou ainda de “O Clone”, em 2002, novela de Glória Perez na TV Globo; “A Lei e o Crime”, em 2009, de Marcílio Moraes para a Record; a série do Globoplay “Assédio”, em 2018, escrita por Maria Camargo, entre outras participações. No dia 25 de agosto, entra no ar no Canal Brasil “Vizinhos”, um de seus últimos trabalhos.

Reconhecimento

Foram mais de 30 participações no cinema, entre curtas e longas-metragens, que renderam a Léa prêmios nacionais e internacionais. Além da indicação como melhor atriz do Festival de Cannes com “Orfeu negro”, seu primeiro filme, a carioca foi eleita melhor atriz, inclusive pelo júri popular, do Festival de Gramado por “Filhas do vento” (2005), de Joel Zito Araújo. Gramado a premiou novamente como melhor atriz de curta-metragem por “Acalanto”, em 2013.

+ sobre o tema

Geledés Instituto da Mulher Negra com pesar noticia o falecimento do fotógrafo Mário Espinosa

Mário Espinosa nasceu em Montevidéu - Uruguai em 1943....

Morre, aos 74 anos, o lendário boxeador Muhammad Ali

Ex-campeão mundial dos pesos-pesados e um dos mais conhecidos...

Doutora Fátima de Oliveira, presente em nossa história e nossa luta

Fátima Oliveira, 63 anos, médica, feminista emancipacionista, escritora, avó...

Salve sua força, Marlene Silva! Obrigada.

Não há em Belo Horizonte, gente negra de mais...

para lembrar

Léa Garcia

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de março...

Tina Turner: 10 dos maiores sucessos da lenda da música

A cantora Tina Turner, que morreu nesta quarta-feira (24/05)...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=