Movimento hip hop busca reconhecimento como patrimônio imaterial

Movimento se reuniu em Brasília e entregou dossiê ao Iphan

A comunidade do hip hop se reuniu em Brasília para uma marcha de reconhecimento do movimento. A marcha reuniu representantes do hip hop de vários estados do Brasil, que vieram entregar ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) o dossiê que vai dar início ao processo para declarar o movimento patrimônio imaterial do país.

Esse documento foi preparado por grupos de trabalho dentro do movimento do hip hop no Brasil inteiro, com auxílio do instituto. “Este ano nós completamos 50 anos do hip hop no mundo. E, no Brasil, completamos 40 anos de hip hop”, disse Cláudia Maciel, jornalista e integrante do movimento.

Brasília/DF, 17/07/2023, O movimento Hip Hop brasileiro, durante marcha da Cultura Hip Hop em celebração ao Cinquentenário mundial da Cultura Hip Hop. Foto: José Cruz/Agência Brasil

“É a hora da gente ir em busca do título de patrimônio cultural imaterial brasileiro. Cada estado se reuniu e construiu grupos de trabalho”, acrescentou. Segundo ela, o Iphan ajudou os grupos de trabalho na montagem da proposta a ser apresentada.

A produtora cultural Lidiane Lima destacou a função social de um estilo musical que se transformou e se tornou um indutor de políticas públicas. “O hip hop, trabalha muito pela sociedade brasileira. Aonde o governo não consegue chegar o hip hop está lá, levando também políticas públicas, esperança, transformação. Então, se a sociedade brasileira e o governo reconhecem o hip hop, significa que o nosso trabalho valeu a pena”.

Brasília/DF, 17/07/2023, O movimento entrega documento que pede o reconhecimento de patrimônio imaterial do Hip Hop brasileiro ao presidente do Iphan, Leandro Grass. Foto – José Cruz/Agência Brasil

O presidente do Iphan, Leandro Grass, parabenizou a mobilização de todos os envolvidos com o movimento que, também para ele, representa um estilo musical que se expandiu e se expressa em outros aspectos da sociedade, não apenas o musical.

“[É] uma síntese sincretismo cultural de várias perspectivas, de várias influências que sintetizam justamente este modelo de expressão, que não é só musical. É também em outras vertentes”, disse.

“Agora tem início o processo de reconhecimento formal institucional da cultura do hip hop como patrimônio imaterial brasileiro. Esse processo vai levar um tempo para que a gente possa consolidar todos esses princípios da cultura hip hop”, completou.

+ sobre o tema

Liderança negra comenta lei que designa comemoração no 20 de Novembro

  Campo Grande (MS) - A presidenta da República, Dilma...

“O Mordomo” lidera bilheteria nos EUA

O drama racial O Mordomo continua dominando as...

La filósofa que rescata la raíz negra de la Argentina

Por: Alejandra Rey   En cada fiesta patria...

‘Mona Lisa africana’ é vendida por mais de R$ 5 milhões, em Londres

A obra apelidada de "Mona Lisa africana", que se...

para lembrar

Por que Dilma perdoou dívidas africanas – por Mauro Santayana

A África é estrategicamente importante para o Brasil. ...

Filho de Will Smith é a nova estrela da Louis Vuitton

Já começaram a ser revelados alguns pormenores da nova...

“Deusa da melanina”: senegalesa conquista a internet

Dona de uma cor impressionante, a modelo Khoudia Diop...
spot_imgspot_img

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...

Jordan Peele faz anúncio misterioso nas redes sociais

Jordan Peele tem planos para outubro. Ele publicou uma foto com a data de 23 de outubro deste ano em fundo preto e não acrescentou...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...
-+=