Movimentos africanos de independência podem seguir exemplo do Sul do Sudão

Por António Cascais, DW

 

Opinião é do diplomata português Victor Ângelo, que chefiou missões da ONU na África. Criação do Sul do Sudão, em 9/7, poderá “ter impacto em países com divisões internas profundas”. Mas “Cabinda (Angola) é diferente”.

O Sul do Sudão proclamará a independência no próximo sábado, 9/7, criando o país número 193 do planeta, reconhecido pelas Nações Unidas. A divisão do maior país africano foi aprovada em 98,83% pelos sudaneses do Sul, em referendo realizado em janeiro deste ano.

Há quem tema que esta alteração do mapa político possa criar precedentes para outras regiões do continente africano e contribuir para guerras de secessão um pouco por toda África, criando focos de instabilidade – quem destaca esses temores é Victor Ângelo, diplomata português que trabalhou durante mais de 30 anos para as Nações Unidas e chefiou várias missões no continente africano.

“Na minha opinião, a independência do Sul do Sudão acabará por ter impacto noutros países africanos em que há divisões internas profundas”, afirma Ângelo, citando o exemplo de países que têm uma composição étnica e cultural semelhante à do Sudão. “Mas, além dessa situação de semelhança, há outras situações – em que tem havido movimentos independentistas, e esses movimentos podem dizer que o que aconteceu no Sudão pode perfeitamente servir de exemplo para outros países”, acrescenta.

“Cabinda é diferente”

Questionado se a divisão do Sudão poderia ter algum tipo de consequência para o enclave angolano de Cabinda – onde existem movimentos que querem uma separação de Angola –, Victor Ângelo disse que “não queria entrar na questão de Cabinda, porque a questão de Cabinda é uma questão muito diferente da do Sudão”.

Sobre a questão de a independência do Sul poder acabar com a histórica divisão Norte-Sul e com os conflitos ocorridos por essa separação, Victor Ângelo alertou para o facto de o Sul ter poucas capacidades de governação e de ser uma região sem estruturas. A questão da divisão dos lucros do petróleo, por exemplo, é bastante delicada, lembrou o especialista. A maior parte dos campos de petróleo está no Sul – o Norte tem os oleodutos.

Victor Ângelo salientou em entrevista à Deutsche Welle que é preciso ter muito respeito pelas fronteiras existentes, mas que cada caso é um caso. Segundo ele, há situações em que – por diversos motivos – é preferível alterar as fronteiras, nomeadamente quando as alterações podem contribuir para um apaziguamento de regiões em disputa.

O Chade, por exemplo, é “praticamente um espelho do Sudão. No norte do Chade, as populações são de maioria muçulmana; no sul, as populações são bantus, são populações negras e fortemente influenciadas pela cultura cristã”, disse Ângelo

 

Fonte: Zwelangola

+ sobre o tema

Ryca: Mãe da Beyoncé se casa com o ator Richard Lawson em um iate!

Tina Knowles, mais conhecida como a mãe de ninguém...

Lavagem marca um ano do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade

Para celebrar o primeiro aniversário do título de Patrimônio...

Haiti, país ocupado

por: Eduardo Galeano  Se perguntar a qualquer enciclopédia qual foi...

para lembrar

Chineses são os novos colonizadores da África?

A expansão econômica da China na África começou...

Política pública não auxilia quilombo a lutar contra racismo

A titulação que constitucionalmente atribui a remanescentes de...

Hoje na história: Dia da África celebra cultura e história do continente

Uma das principais raízes brasileiras ganha destaque nesta semana...

Brô MCs – Rap indígena é atração no Fórum Social Temático 2012

O primeiro grupo de rap indígena do Brasil ,o...
spot_imgspot_img

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Exposição e seminário em São Paulo celebram legado de Nelson Mandela

No dia 18 de julho é celebrado o Dia Internacional Nelson Mandela, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reconhecimento à contribuição...
-+=