Movimentos africanos de independência podem seguir exemplo do Sul do Sudão

Por António Cascais, DW

 

Opinião é do diplomata português Victor Ângelo, que chefiou missões da ONU na África. Criação do Sul do Sudão, em 9/7, poderá “ter impacto em países com divisões internas profundas”. Mas “Cabinda (Angola) é diferente”.

O Sul do Sudão proclamará a independência no próximo sábado, 9/7, criando o país número 193 do planeta, reconhecido pelas Nações Unidas. A divisão do maior país africano foi aprovada em 98,83% pelos sudaneses do Sul, em referendo realizado em janeiro deste ano.

Há quem tema que esta alteração do mapa político possa criar precedentes para outras regiões do continente africano e contribuir para guerras de secessão um pouco por toda África, criando focos de instabilidade – quem destaca esses temores é Victor Ângelo, diplomata português que trabalhou durante mais de 30 anos para as Nações Unidas e chefiou várias missões no continente africano.

“Na minha opinião, a independência do Sul do Sudão acabará por ter impacto noutros países africanos em que há divisões internas profundas”, afirma Ângelo, citando o exemplo de países que têm uma composição étnica e cultural semelhante à do Sudão. “Mas, além dessa situação de semelhança, há outras situações – em que tem havido movimentos independentistas, e esses movimentos podem dizer que o que aconteceu no Sudão pode perfeitamente servir de exemplo para outros países”, acrescenta.

“Cabinda é diferente”

Questionado se a divisão do Sudão poderia ter algum tipo de consequência para o enclave angolano de Cabinda – onde existem movimentos que querem uma separação de Angola –, Victor Ângelo disse que “não queria entrar na questão de Cabinda, porque a questão de Cabinda é uma questão muito diferente da do Sudão”.

Sobre a questão de a independência do Sul poder acabar com a histórica divisão Norte-Sul e com os conflitos ocorridos por essa separação, Victor Ângelo alertou para o facto de o Sul ter poucas capacidades de governação e de ser uma região sem estruturas. A questão da divisão dos lucros do petróleo, por exemplo, é bastante delicada, lembrou o especialista. A maior parte dos campos de petróleo está no Sul – o Norte tem os oleodutos.

Victor Ângelo salientou em entrevista à Deutsche Welle que é preciso ter muito respeito pelas fronteiras existentes, mas que cada caso é um caso. Segundo ele, há situações em que – por diversos motivos – é preferível alterar as fronteiras, nomeadamente quando as alterações podem contribuir para um apaziguamento de regiões em disputa.

O Chade, por exemplo, é “praticamente um espelho do Sudão. No norte do Chade, as populações são de maioria muçulmana; no sul, as populações são bantus, são populações negras e fortemente influenciadas pela cultura cristã”, disse Ângelo

 

Fonte: Zwelangola

+ sobre o tema

Afro-Cubanos

O termo afro-cubano se refere a cubanos de ancestralidade...

‘As mulheres são criadas para achar que o casamento é muito importante’ diz Chimamanda Adichie

Escritora aclamada pela crítica internacional, a nigeriana pertence ao...

Bolsas para graduação no Brasil

Estudantes de 24 países africanos podem tentar uma vaga...

para lembrar

Hoje na História, 15 de maio de 1994, acontecia o Genocídio em Ruanda

por: Lucyanne Mano O genocídio em Ruanda deixou 800 mil mortos...

Windeck – Todos os Tons de Angola uma novela africana na TV Brasil

Produção angolana, a novela Windeck - Todos os Tons...

Nasser e o Pan-Arabismo

Gamal Abdel Nasser, na verdade, era o principal...

Técnicos de laboratórios públicos africanos visitam o Lacen

Fonte: Agência do Pará- Conhecer o modelo de Controle de...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=