MP-BA oferece denúncia contra cinco homens por envolvimento na morte de Mãe Bernadete

Enviado por / FonteG1

Informação foi divulgada pelo órgão nesta quinta-feira (16), às vésperas de o crime completar três meses.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) denunciou cinco homens pelo assassinato da ialorixá e líder quilombola Bernadete Pacífico. A informação foi divulgada pelo órgão nesta quinta-feira (16), às vésperas de o crime completar três meses.

Mãe Bernadete, como era conhecida, foi morta na noite de 17 de agosto deste ano, na sede do Quilombo Pitanga dos Palmares, em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador. [Relembre o crime ao final da matéria]

De acordo com MP-BA, a denúncia foi oferecida na segunda-feira (13). Os homens são acusados de homicídio qualificado por motivo torpe, de forma cruel, com uso de arma de fogo e sem chance de defesa da vítima.

Dos cinco suspeitos, dois já tinham sido presos em setembro. Os outros três ainda não foram detidos.

  • Presos: Arielson da Conceição Santos e Sérgio Ferreira de Jesus
    Um deles foi preso por suspeita de receptar os celulares da líder quilombola e de familiares, roubados durante o homicídio. O segundo foi preso por suspeita de ser o executor do crime. A polícia não informou quem é o responsável por cada crime.
  • Foragidos: Josevan Dionísio dos Santos e Marílio dos Santos
    A SSP-BA afirmou que Marílio tem quatro mandados de prisão em aberto, mas não especificou os crimes pelos quais ele é investigado.
  • Solicitação do mandado de prisão preventiva: Ydney Carlos dos Santos de Jesus.

O órgão não especificou como cada um dos deles participou do crime, nem detalhou qual foi a motivação do assassinato da líder quilombola. Entre as linhas de investigação policial, está a disputa entre facções criminosas, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

Quando o caso completou um mês, a Polícia Civil (PC) da Bahia pediu à Justiça a prorrogação do inquérito que apura o assassinato. Esta prorrogação seria por mais um mês, com vencimento no dia 18 de outubro. Os trabalhos ainda não foram finalizados.

A família da ialorixá contratou peritos particulares no início deste mês e cobrou celeridade da polícia. As investigações são acompanhadas por integrantes dos conselhos nacionais de Justiça e do Ministério Público. Dois dias após o crime, o CNJ enviou dois magistrados à Bahia para acompanhar as ações.

Mãe Bernadete fazia parte do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH) do Governo Federal. A sede do quilombo Pitanga dos Palmares, onde ela vivia, era monitorada por câmeras de segurança. Apesar disso, três das sete não estavam funcionando, por falta de recursos.

Relembre caso

No dia do crime, Mãe Bernadete estava dentro de casa, com os netos, quando ouviu batidas na porta. Quando os dois suspeitos entraram na casa da vítima, ela pensou que se tratava de um assalto. A informação foi dada à polícia pelo neto da vítima, Wellington Gabriel de Jesus dos Santos, que estava na casa da avó na noite do ataque.

Ainda segundo Wellington, os homens pegaram o celular da avó e a mandaram desbloquear o aparelho. Eles também roubaram os celulares dos dois adolescentes que estavam na sala e exigiram que eles fossem para um dos quartos da casa.

Depois disso, um dos homens foi até o quarto onde Wellington estava e o mandou deitar no chão. “Deite no chão, seu ‘viado'”, exigiu. Ao sair do cômodo, o homem fechou a porta. O jovem, então, ouviu diversos disparos e ao sair do cômodo, encontrou a avó morta no chão da sala.

Sem telefone, Wellington utilizou o aplicativo de mensagens que estava aberto em seu computador para pedir socorro para pessoas que vivem no quilombo, deixou os familiares adolescentes com um vizinho e foi até o terreiro de candomblé, que fica em Pitanga dos Palmares, para ligar para a polícia.

Parentes da vítima saíram do quilombo e vivem sob escolata da Polícia Militar. Advogados que representam a família de Mãe Bernadete também relataram ter recebido ameaças.

Medo e ameaças

Familiares relataram que Mãe Bernadete sofria ameaças há pelo menos dois meses. Ela falou sobre isso durante um encontro com a presidente do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, em julho deste ano.

À polícia, Wellington relatou que não se lembra de ver a avó ser ameaçada, nem dela ter inimizades. Apesar disso, o jovem contou que Mãe Bernadete passou a ter “muitos medos” após a morte de Flávio Gabriel Pacifico dos Santos, conhecido como “Binho do Quilombo”, em 2017. Binho era filho de Bernadete e pai de Wellington.

“O inquérito está em sigilo até para família. Não resolveram o caso de Binho, e não vou permitir que o de minha mãe fique na mesma situação”, desabafou Jurandir Wellington, filho de Bernadete.

Ele agora está com a tutela dos três sobrinhos, filhos de Binho do Quilombo – liderança quilombola e filho de Bernadete, que foi assassinado em 2017, dentro do quilombo. Seis anos após o crime, ninguém foi preso.

+ sobre o tema

Pastor Marco Feliciano será investigado por suposto racismo

A Frente Parlamentar pela Igualdade Racial vai analisar...

PM mata seis vezes mais que Polícia Civil em São Paulo

Levantamento foi feito com base em estatísticas fornecidas...

História sobre racismo institucionalizado nos EUA e a posição de Quarterback

“Há quanto tempo você é um quarterback negro?”. Esta...

para lembrar

Algoritmos de plataformas e redes sociais ainda precisam de muita discussão para fugir de estereótipos

A inteligência artificial já domina várias atividades da nossa vida. Está...

Professora escreve carta sobre o cabelo de aluna nos Estados Unidos

Uma professora da escola Raggedy Anne Learning Center, em Chicago,...
spot_imgspot_img

STF prorroga validade das cotas raciais para concursos públicos

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a prorrogação das cotas raciais para o serviço público – ação afirmativa que expiraria no próximo dia 10. A Corte...

Racismo Ambiental é tema de Seminário promovido pela ActionAid

Nos dias 04 e 05 de junho, a ActionAid promoverá o “Seminário Racismo Ambiental”. O encontro será realizado das 09h30 às 17h (horário de...

A Universidade de São Paulo e os seus tribunais raciais

Em março, a Universidade de São Paulo gerou controvérsia ao barrar um aluno por não considerá-lo pardo. Como de costume, logo apareceram os críticos...
-+=