Mulher elogia Hitler “por matar pretos” e é demitida

Funcionária recebeu demissão por justa causa após desejar que "todos os negros e velhos morressem logo". Justiça validou decisão

Uma operadora de caixa de 20 anos foi demitida por justa causa após dizer a uma faxineira afrodescendente, de 61 anos, que o ex-ditador da Alemanha Adolf Hitler era uma “pessoa extremamente inteligente, porque tudo que era preto ele mandava matar”.

A mulher entrou na Justiça do Trabalho para reivindicar seus direitos, uma vez que, demitida por justa causa, não tem acesso ao seguro-desemprego, por exemplo. No entanto, o juiz Orlando Losi Coutinho Mendes, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), julgou a demanda totalmente improcedente. A decisão foi tomada em 26 de dezembro passado.

Lenayde da Silva Pereira foi contratada em outubro de 2019 por uma farmácia em São Bernardo do Campo, Região Metropolitana de São Paulo (SP). As ofensas ocorreram quase dois anos depois, em setembro do ano passado. O Metrópoles teve acesso aos autos.

Uma testemunha relatou, em depoimento, que a operadora disse à vítima – que não será identificada nesta reportagem – que ela tinha sorte, pois, “se fosse presidente, determinaria o extermínio de pessoas com idade superior a 50 anos”. Na mesma ocasião, Lenayde disse que Hitler era uma pessoa extremamente inteligente, “porque tudo que era preto ele mandava matar”.

Em outra ocasião na mesma semana, a faxineira disse à mulher que era “preconceituosa”, pois não gostava de negros e velhos. Lenayde respondeu, porém, que não era preconceito, mas que apenas gostaria que “todos os negros e velhos morressem logo”.

A operadora foi demitida por justa causa uma semana depois, sob alegação de ter praticado ato lesivo da honra ou da boa fama.

Na petição inicial, apresentada à Justiça do Trabalho, Lenayde contrapôs as testemunhas e negou ter proferido ofensas racistas. A ex-operadora de caixa disse que apenas explicou à faxineira quem era Hitler: “um nazista branco de olhos claros que não queria que ninguém fosse diferente dele, pois matava pessoas pobres, negras, deficientes, velhos e judeus”.

A advogada Viviani Araújo de Pina, que representou Lenayde na ação, afirmou que a conduta da empresa, de demitir Lenayde por justa causa, nada mais foi que uma tentativa de se exonerar do pagamento das verbas trabalhistas devidas à funcionária.

“Ainda que a possibilidade da despedida por justa causa decorra do poder disciplinar do empregador, que, por sua vez, tem fundamento nos poderes de mando e gestão a ele inerentes, também há que se impor limite a esse poder, pois o tratamento do empregado com rigor excessivo é rechaçado pelo ordenamento jurídico”, escreveu, ao pleitear a nulidade da resolução contratual e o pagamento de consectários.

No entanto, a vítima confirmou, em depoimento, ter sido discriminada pela mulher. A faxineira contou que a operadora de caixa “difundia, no ambiente de trabalho, ideais nazistas”.

“O empregado é livre para expressar seu pensamento, porém é certo que tal direito não é absoluto e não pode albergar manifestações de cunho imoral e que resvalam em ilícito penal”, decidiu Mendes, do TRT-2.

“Comprovada a autoria e materialidade das condutas imputadas à trabalhadora, abalando a fidúcia necessária à existência do contrato de trabalho, sendo esses motivos determinantes e atuais para a ruptura do contrato, tem-se por lícita a dispensa por justa causa”, acrescentou o magistrado.

+ sobre o tema

Nota de Repúdio ao incentivo à homofobia na USP

Por: Julio Caetano     A Associação Brasileira...

Carta aos brasileiros: somos de fato um país acolhedor aos estrangeiros?

Fomos criados escutando vários mitos. O de que somos...

Internet ampliou mobilização contra racismo nos EUA

Visibilidade de casos de abuso de policiais contra negros...

para lembrar

A questão é racial, cara pálida!

Estados Unidos mais uma vez em chamas com os...

PF faz perícia e Civil abre inquérito para investigar frase racista escrita em banheiro da UFSM

A Polícia Civil abriu inquérito nesta quarta-feira (25) para investigar a frase racista...
spot_imgspot_img

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...
-+=