domingo, novembro 28, 2021
InícioEm PautaMulheres levam 200 mil às ruas do Rio de Janeiro contra Bolsonaro

Mulheres levam 200 mil às ruas do Rio de Janeiro contra Bolsonaro

Presentes em ato denunciaram racismo, homofobia, misoginia e incitação à violência de candidato

O ato “Mulheres Contra Bolsonaro” reuniu mais de 200 mil pessoas no Rio de Janeiro, neste sábado (29). O público esperado – 40 mil confirmações no evento no Facebook – superou as expectativas dos coletivos de mulheres que organizaram o ato.

Ao longo da marcha, que saiu da Cinelândia, no centro da capital fluminense, em direção à Praça XV, milhares de pessoas gritavam palavras de ordem contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

“#EleNão porque sou contra o fascismo, a favor que as mulheres adquiram seus direitos e que eles não sejam subtraídos. Acredito em um país com liberdade em que a gente não precise combater retrocessos”, disse a Rosalina Barros, bibliotecária da Uerj.

Luma Vitório, da coordenação nacional do Levante Popular da Juventude, lembrou que a esquerda precisa se unir em torno de Fernando Haddad. As pesquisas apontam uma disputa entre o candidato do PT e Bolsonaro no segundo turno.

“Teremos dois projetos muito distintos no segundo turno: um deles é dos mais ricos, dos conservadores e dos que mandam no Brasil. O outro projeto é o da esquerda, de Haddad. A esquerda precisa se unir porque o que está em jogo é a história do povo brasileiro”.

blank
Foto: Pablo Vergara/MST-RJ

Os presentes ao ato lembraram de declarações de Bolsonaro contra mulheres, gays, negros e minorias. “Alguém que passa 27 anos como deputado fazendo tudo o que ele fez, inclusive apoiando o impeachment (da presidenta Dilma Rousseff), não pode ser eleito. Por isso ‘Ele Não!'”, afirmou Mairce Araújo, professora da Uerj.

O estudante Anderson Magalhães comentou a presença da comunidade LGBTQ+ no ato. “Bolsonaro não representa a sociedade brasileira atual. Quantos mais pessoas unidas aqui, mais vamos mostrar nossa insatisfação e descontentamento com essa tentativa de fazer nossa Constituição retroceder”.

Artistas também reforçaram o ato que teve o #EleNão como principal grito. O ator Paulo Betti disse que ser contra Bolsonaro é “uma questão de sanidade mental”.

“Sou a favor da diversidade, do respeito às etnias, a favor do desarmamento e não sou a favor da violência. Jamais passaria perto de alguém que de alguma maneira achasse justificável a tortura. É uma questão de sanidade mental a gente eliminar esse risco que ele significa”, afirmou o ator.

Na chegada ao local final do ato, na Praça XV, um palco foi montado para que diversos coletivos femininos fizessem apresentações musicais e recitassem poesias. Entre as artistas musicais, estiveram Liniker e Lan Lan.

Os atos contra Bolsonaro aconteceram em todas as capitais brasileiras e em outras dezenas cidades do país. Buenos Aires, Lisboa, Paris, Madri, Barcelona, Nova Iorque, Miami, Atlanta, Londres, Berlim, Munique, Dublin, Toronto, Montreal, Sidney entre outras cidades também protestaram contra o candidato do PSL.

 

RELATED ARTICLES