Não comemore que uma Globeleza foi trocada por uma mulher negra que a Globo acha bonita

1- Mulheres negras só tem visibilidade em programações como a da Globeleza porque ainda somos tratadas como objetos só de desejo e diversão. Não dá para não interseccionar machismo e racismo para entender o porquê da necessidade de se colocar uma negra dançando seminua no Carnaval, na TV;

Por Stephanie Ribeiro, do Festival Marginal 

2- A representatividade negra na televisão é mínima e mesmo assim fruto de muita luta. Não dá para não questionar todo o racismo por trás da Rede Globo;

3- Não existe negra de verdade e nem negra de mentira, existem padrões de beleza pautados na branquitude que colocam a beleza de uma mulher negra como sendo superior a de outras mulheres negras, por ela se aproximar do que a própria branquitude pauta como bonito. Não entrem nesse jogo de achar que existe uma competição entre negras, existe um mundo racista e nenhuma beleza é superior a outra;

4- A própria Rede Globo tenta embranquecer suas “musas” as chamando de morena/mulatas. Isso é tentativa de amenizar a identidade delas, que julgam ser ofensiva. Mas ser NEGRO não é ofensivo! Além do mais, mulata é um termo machista, de origem espanhola, e a palavra vem de MULA, que nada mais do que o cruzamento entre cavalos e jumentas, no caso homens brancos senhores e estupradores e mulheres negras escravas;

5- Trataram a Nayara Justino de forma desumana, racista, humilhante e ainda criaram a ilusão de que a beleza de Érika Moura, a nova Globeleza, é superior a dela, quando não é. Por favor não comprem essa ideia;

6- Não somos exóticas! Somos mulheres negras belas e reveja o que você atribui como beleza exótica, pois geralmente essa expressão é direcionada à mulheres negras próximas ao padrão da branquitude, como Camila Pitanga, que é negra sim! E nunca vai deixar de ser;

7- E gostos e preferências se discutem, sim! O conceito de beleza também! Vivemos num mundo racista e machista, ONDE GOSTO É CONSTRUÍDO! Não querer discutir e desconstruir, não agrega em nada na luta contra tais opressões.

Globeleza3

 

Leia Também: 

Após comentários racistas de que Nayara Justino seria muito ‘preta’, Globo troca a Globeleza por uma mais clara
Entrevista com Stephanie Ribeiro

Universidade opressora, não passará e nem calará – Por Stephanie Ribeiro

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

Rihanna sobre rivalidade com Beyoncé: ‘Não coloquem mulheres negras umas contra as outras’

Beyoncé recebeu 9 indicações ao Grammy 2017, consagrando-se a...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=