Não há desenvolvimento sustentável sem enfrentar o racismo

Enviado por / FonteKatia Mello

Artigo produzido por Redação de Geledés

Em 18 de setembro, às 9h (horário de Nova York), Geledés – Instituto da Mulher Negra realiza o evento “Não há desenvolvimento sustentável sem enfrentar o racismo” que acontece no escritório da Comunidade Internacional Bahá’í em Nova York, paralelamente à Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), com a intenção de acelerar o cumprimento dos objetivos da Agenda 2030. As populações e comunidades afrodescendentes ao redor do mundo estão cada vez mais distantes de alcançar um mundo desenvolvido e sustentável. Geledés entende, por meio de dados e diagnósticos, que o alcance dessa Agenda 2030 está marcado por questões de raça e gênero.

Neste sentido, o racismo tem sido instrumentalizado como prática de poder e ideologia que oprime, marginaliza e estrutura desigualmente as populações negras. Portanto, como bem anuncia o nome do evento, não há desenvolvimento sustentável se não houver um enfrentamento global ao racismo.  A organização fundada por mulheres negras visa com este evento posicionar as especificidades das comunidades afrodescendentes em interface com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e pactuar, por meio de recomendações das partes interessadas, soluções para o enfrentamento ao racismo.

Para Geledés, é fundamental que as nações assumam o compromisso de desenvolvimento sustentável com aproximadamente 250 milhões de pessoas que tiveram suas vidas atravessadas pelo tráfico transatlântico e mediterrâneo e que sofrem os impactos da crise climática, do racismo ambiental e de outras formas de violação de direitos. Caso contrário, isso significaria, efetivamente, não alcançar um mundo com justiça social e climática, com democracia e equidade para todas as populações.

O evento “Não há desenvolvimento sustentável sem enfrentar o racismo” contará com a participação de representantes da alta escala de governos, organizações, especialistas e executores da agenda em nível global. São eles a ministra Anielle Franco do Ministério da Igualdade Racial, Maria Gabriela Feitosa do Major Group Juventudes, Hawa Diallo chefe de Unidade e Oficial de Informação Pública na Seção de Relações e Advocacia com ONGs do Departamento de Informação Pública da ONU, Carl Murrel, representante da comunidade Bahá’í dos Estados Unidos e Leticia Leobet, de Geledés.

Geledés faz o convite para sua participação presencial neste evento. É só se inscrever pelo link

Organizado por: Geledés – Instituto da Mulher Negra

Data e horário do evento: 18 de setembro de 2023 às 09:00h (NY)

Local: 866 United Nations Plaza, Suite 120

New York, NY 10017

+1 212 803 2500

+ sobre o tema

O PLP 2.0 Aplicativo de Combate a Violência contra Mulher é premiado pela OEA

O aplicativo PLP 2.0 foi um dos premiados pela...

Webinário debate papel desempenhado pelo empreendedorismo social na pandemia

A Folha transmite, na próxima segunda-feira (7), o seminário virtual “Boas...

Feminismos vitais

O projeto “Enquanto Viver, Luto!”nasce da ideia de que...

para lembrar

Geledés e Alana lançam pesquisa sobre municípios que colocam a Lei 10.639/03 em prática

Em Diadema (SP), após um ano de implementação da Lei 10.639/03, que há 20 anos alterou a LDB e instituiu a obrigatoriedade do ensino da história e...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...
-+=