No melhor lugar

Manoelzinho Salustiano traz a São Paulo o maracatu do baque solto

CORTEJO DA VIRADA
Maracatu Piaba de Ouro

Enquanto na terra houver um Salustiano a cultura do maracatu existirá. Quem garante é o herdeiro natural do grande Mestre, Manoel Salustiano Soares Filho, de 43 anos, 29 dos quais de dedicação exclusiva à manifestação cultural pernambucana, cuja origem é atribuída a matrizes indígenas e africanas fundidas a folguedos praticados em engenhos de cana da Zona da Mata Norte do Estado. “O maracatu é minha vida, não consigo me ver em outra atividade a não ser dentro dessa cultura em que se aprende como numa faculdade”, diz aCartaCapital o primogênito do músico e artesão que em 11 de setembro de 1977 criou o Maracatu Piaba de Ouro. “Vivo disso e para isso. Aprendi com meu pai e me qualifiquei com mestres amigos dele”,  diz Manoelzinho, que vem a São Paulo participar da Virada Cultural. Em sua companhia, 30 dos 220 integrantes do Piaba de Ouro participam do Cortejo da Virada. Sábado 18 eles se unem a outras manifestações culturais que partem do Vale do Anhangabaú rumo ao Minhocão, no Centro.

Manoelzinho nasceu e se criou no terreiro de maracatu. Aos 14 anos começou os primeiros trabalhos artesanais, hoje conhecidos dentro e fora do País. “Fazia cada coisa feia e meu pai dizia que era bonito, aí eu me dedicava mais ainda. Ele falava que eu seria um artista e eu acreditei.” Dos outros 14 irmãos, 11 estão no grupo que Salustiano criou para matar a saudade da cultura de sua terra, Aliança. Quem lidera o folguedo é um dos filhos mais novos do Mestre, Dinda Salu, “menino que improvisa como um poeta”. Mesmo reduzido, o cortejo vem com representação completa, caboclos de lança, rei, rainha, baianas, músicos. Nas coloridas fantasias confeccionadas pelos integrantes estão pedreiros, motoristas, trabalhadores rurais, gente comum a viver momentos iluminados. “O maracatu nos ensina que somos todos iguais, tanto faz um traje de 3 mil reais quanto um de 100. Quando estamos ali nos sentimos no melhor

Naná Vasconcellos e as nações de maracatu ecoam em Recife

Maracatu, afoxé e percussão na Terça Negra de 7 de setembro

 

Fonte: Carta Capital

+ sobre o tema

Reinvenção do futebol: bola e arte para vencer o racismo

Em comemoração ao dia da Consciência Negra, o jornal...

Josephine Baker

Josephine Baker (03 de junho de 1906 –...

Chael Sonnen lutou dopado contra Anderson Silva

Foto UFC O americano versado...

para lembrar

O canto negro de Candeia

Relançamento de três discos do sambista Candeia revelam suas...

Contraprova confirma doping da corredora Simone Alves

Atleta está suspensa por uso do hormônio eritropoietina, que...

Revista elege seleção de 70 como a melhor equipe esportiva da história

Na votação, foram lembrados também o Dream Team dos...
spot_imgspot_img

Manifest: recriando a memória da Europa sobre o tráfico de pessoas escravizadas

Pessoas escravizadas. Pessoas. Antes de serem comercializadas e transportadas do continente africano pelo oceano Atlântico para as Américas e para a Europa, tendo Portugal,...

Pioneiro, Nelson Triunfo enfrentou ditadura para dançar break na rua

Pioneiro do break no Brasil, o artista Nelson Triunfo conta que foi preso muitas vezes por dançar na rua. “Eu ia preso direto. Tinha um delegado...

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...
-+=