Nova curadora de moda do MASP: “Roupas podem ser armadura contra o racismo”

“Sempre fui curiosa”. É com essa frase que a nova curadora adjunta de moda do MASP (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand) começa a falar de sua trajetória profissional.

Hanayrá Negreiros, de 29 anos, foi anunciada no cargo em maio e, até 2022, será responsável pela curadoria do projeto Masp Renner, que une artistas e estilistas para criar obras de arte em formato de vestimenta que farão parte do acervo do Museu — nos últimos anos, ocuparam o mesmo cargo a publisher Patricia Carta e a jornalista de moda Lilian Pacce.

A pesquisadora é especialista em moda e relações étnico-raciais e passou o mestrado estudando os trajes e adornos usados em rituais de candomblé. Em entrevista a Universa, por telefone, ela afirma que “as roupas podem ser armadura contra o racismo”, frase que pegou emprestada da amiga e consultora de estilo Paloma Gervasio, e diz que, no Museu, pretende olhar para “outras histórias” da moda, discutindo o envolvimento de pessoas negras e indígenas neste universo.

As pretensões de Hanayrá parecem andar lado a lado com os ideais do MASP, que em 2019 publicou um manifesto prometendo “descolonizar o museu”, após críticas por falta de diversidade em seu quadro de curadores e entre os artistas com obras expostas.

“Minha ideia é partir do entendimento de que não existe uma história na moda, mas algumas, diversas e plurais — essas são palavras que estão presentes na missão do Museu”, fala. “As críticas são força motriz para a mudança. Não tem mais volta. Por mais que pareça que o país está em um retrocesso, esses lugares estão sendo reivindicados por corpos dissidentes — não só negros, mas indígenas e trans também. É necessário que instituições de arte e cultura pensem a partir do que é diverso e façam uma escuta atenta”, argumenta.

Foto de Therezinha Negreiros, “costureira de profissão” e avó de Hanayrá, tirada em 1953 (Foto: Arquivo pessoal/Hanayrá Negreiros)

“Pessoas negras sempre estiveram envolvidas com a moda”

Neta de costureira do lado materno e de alfaiate do lado paterno, ela conta que cresceu tendo como referência em casa a máquina de costura da avó e diz que “não tinha como” seguir outro caminho que não fosse a moda — mas, durante a faculdade, no início dos anos 2010, sentiu falta de ouvir histórias como as de sua família nas salas de aula.

“A moda, especialmente no espaço acadêmico, é muito elitista. Quando eu estava na universidade, não tive nenhum professor negro e eram poucos os estudantes negros como eu. A gente não falava de decolonialidade como hoje e a grade curricular era totalmente eurocêntrica. Mesmo quando a gente estudava o Brasil, era de uma forma estereotipada e que passava longe de referências negras e indígenas”, lembra.

Foi conhecendo mais a fundo a história da família, que se construiu a partir da escravidão nas cidades do oeste paulista, que Hanayrá virou a chave e entendeu que a moda, que pode ser um espaço de opressão para mulheres negras como ela, funciona também como ferramenta de resistência. “Roupas podem ser armadura contra o racismo”, afirma.

Quando encontrou a certidão de casamento dos avós maternos, recentemente, Hanayrá se deparou com o termo “costureira de profissão” para designar o ofício da noiva, Therezinha Negreiros. “Achei muito chique”. brinca. O avô paterno, que era alfaiate, ainda está vivo para contar episódios de quando costurava ternos no Maranhão, nas décadas de 40 e 50.

“Compartilhei essas histórias em sala de aula e muitos alunos negros contaram que também tinham a costura como profissão na família. Caiu a ficha de como a moda é uma memória coletiva para famílias negras”, lembra.

As memórias da minha família me deram força e repertório para trabalhar na área, porque entendi que as pessoas negras sempre estiveram envolvidas com o vestir — desde as mulheres escravizadas que trabalhavam em casas especializadas no Rio de Janeiro, até as que costuravam para as mulheres brancas nos casarões das fazendas no interior de São Paulo.

A moda é política

A historiadora e pesquisadora de moda retoma que, entre os séculos 19 e 20, itens como joias e sapatos eram essenciais para diferenciar pessoas negras escravizadas de pessoas negras que se libertaram e conseguiram ascender social e economicamente.

“Quando o homem negro consegue ter acesso a algum estudo e ascender social e economicamente, sendo contador ou comerciante, por exemplo, ele ainda é exceção. É aí que o sapato vira um item tão importante. Naquele tempo, você reconhecia um escravizado porque ele andava descalço, então usar um sapato social bem lustrado, brilhando, era uma arma contra o racismo. Um século depois, a gente ainda confunde um homem negro de terno com um motorista, um segurança ou outras posições consideradas subalternas, mas, de toda forma, estar ‘bem vestido’ é uma possibilidade de não ser parado pela polícia. Por isso, digo que as roupas podem servir de armadura contra o racismo”, explica.

A percepção de moda como uma ferramenta de resistência surgiu apenas na fase adulta, depois de concluir a graduação. “Tive algumas questões que têm a ver com o racismo desde a escola, como não usar cores muito fortes, por exemplo, porque não combinariam com a pele negra. Eu era uma das poucas alunas negras. Seja batom vermelho, esmalte colorido, tudo isso eu demorei para usar, mesmo tendo em casa a referência da minha mãe, que é uma mulher muito colorida”, lembra.

No começo, a moda me oprimiu, sim, mas hoje consigo entendê-la como ferramenta de libertação, de resistência.

 

+ sobre o tema

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Corpo de mulher amarrado com fios telefônicos é encontrado em meio ao lixo

Vítima foi encontrado por morador da região; polícia investigará...

Maria da Penha quer interiorizar políticas de combate à violência doméstica

A biofarmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes disse hoje...

Sul e Sudeste lideram ranking de homofobia no Brasil, aponta relatório

O Grupo Gay da Bahia (GGB), que anualmente divulga...

para lembrar

Violência contra mulher explode e número de mortes cresce 266%

Servidores e estudantes participam de manifesto contra a violência...

Aline Midlej sobre ser uma jornalista negra: ‘Minha presença é política’

A âncora do Jornal das 10, da GloboNews, Aline...

Ice Blue, vamos falar sobre machismo?

No final desta manhã, foi publicada no SPRESSOSP da...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=