Novo Código Penal moçambicano legaliza o aborto

Moçambique torna-se o quarto país africano a aplicar a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG). O presidente Armando Guebuza promulgou o novo Código Penal e, entre outras disposições, legalizou o aborto.
por Lígia Anjos no RFI

Depois de Cabo Verde, África do Sul e Tunísia, Moçambique junta-se a estes poucos países africanos que legalizaram o aborto. Esta nova lei permitirá que a IVG seja feita apenas em centros de saúde habilitados e intervenção realizada por profissionais qualificados, nas primeiras 12 semanas de gravidez.

A sociedade civil em Moçambique debate-se em torno desta questão desde 2006 e dá conta que o aumento de complicações, em seguimento a abortos sem assistência médica, representa, em muitos casos, a morte de 11% mulheres.

A Organização Mundial de Saúde calcula que uma gravidez em cada cinco, a nível mundial, termina em aborto induzido e cerca de 47 mil mulheres morrem devido a complicações surgidas em interrupções de gravidez feitas de forma insegura.

“O que nós queremos aqui é que as mulheres saibam que têm esse direito e o Estado tem o dever e direito de promover os serviços e condições de acessibilidade. O nosso país está de parabéns, o nosso parlamento está de parabéns, o pessoal do sector de saúde estão de parabéns porque tiveram um papel muito importante em fazer isto acontecer”, saudou a presidente do Fórum Mulher, Graça Samo.

A dirigente desta ONG moçambicana espera ainda que o país sirva de exemplo para outros países. “Sabemos que isto não é um ganho como um todo mas é um ponto de partida para um outro nível de advocacia”, uma vez que não será suficiente restringir-se a esta aplicação da lei “é preciso que os serviços e as condições sejam criadas nas unidades sanitárias e que as mulheres sejam educadas para evitarem irem à procura de serviços alternativos quando podem ir às unidades sanitárias”.

+ sobre o tema

Rio registra 11 casos de microcefalia em 2015

Doença teria relação com Zika vírus; em Pernambuco, governo...

O uso do crack na gestação causa sérios riscos ao feto

Aumento do consumo do crack entre mulheres e as...

Zika: ONU defende aborto em casos de microcefalia

Alto comissário cobrou revogação de leis que limitem a...

Ministra Eleonora Menicucci critica médico que não faz aborto legal

Para secretária de Políticas para Mulheres, profissional que não...

para lembrar

Doreen Pechey éuma bailarina da Royal Academy aos 71 anos

Doreen Pechey passou no exame de admissão dois anos...

Um legislativo pela vida das mulheres no Brasil

A reivindicação pela saúde das mulheres não se restringe...

Movimento na internet pede notificação de reações a anticoncepcionais

Em menos de sete meses desde a sua criação,...

Organizações feministas divulgam nota sobre Caso Frota x Eleonora Menicucci

FEMINISTAS CONTRA A CULTURA DO ESTUPRO Do Agencia Patricia Galvao CONSIDERANDO...
spot_imgspot_img

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...

Saúde: 307 crianças ianomâmis desnutridas foram resgatadas em 2023

Ao longo do ano de 2023, 307 crianças ianomâmis diagnosticadas com desnutrição grave ou moderada foram resgatadas e recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Há quase...

Anvisa cancela registro de mais de 1,2 mil pomadas de modelar cabelos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou nesta sexta-feira (29) os registros de 1.266 pomadas sem enxágue, ceras e sprays para modelar, trançar ou...
-+=