Novo exame de DNA permite identificar origem de escravos

O exame permite descobrir quais os países dos escravos que foram enviados às Américas no século XVII

Do Terra 

Cientistas recorreram a um novo método para analisar amostras de DNA encontrados nos ossos de três africanos escravizados no século XVII. Os testes permitiram que fossem determinados, pela primeira vez, seus países de origem.

Até então, era difícil determinar com precisão a procedência dos 12 milhões de africanos transportados como trabalhadores escravizados até as Américas, entre 1500 e 1850. Havia poucos dados precisos na época e se, por um lado, era possível saber em qual porto essas pessoas tinham sido embarcadas, os países de origem eram um mistério.

Mas, neste caso, o DNA extraídos dos esqueletos desses três seres humanos permitiu que fossem determinados como originários de regiões onde hoje ficam Camarões, Gana e Nigéria, conforme estudo publicado nesta segunda-feira (10), na revista especializada “Anais da Academia de Ciências dos EUA”.

Os ossos de dois homens e uma mulher foram desenterrados em 2010, em uma obra na ilha de San Martín, no Caribe. Graças à nova metodologia, os pesquisadores descobriram que essas pessoas, conhecidas como “os três de Zoutsteeg”, vinham de uma região em Camarões onde se falava a língua banto.

“Tais descobertas oferecem as primeiras provas da origem étnica dos africanos explorados durante a escravidão”, como indicado no estudo dirigido por Hannes Schroeder, que trabalha no Centro de Geogenética do Museu de História Natural da Universidade de Copenhague.

A pesquisa também “demonstra que os elementos do genoma permitem responder a perguntas históricas careciam de provas há muito tempo”.

Este método permitirá a realização de sólidos avanços na pesquisa de outros restos arqueológicos encontrados em regiões tropicais, que contêm poucos vestígios de DNA em função do clima quente.

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

A ostentação negra incomoda

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode...

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman TEDx SaoPaulo Salon

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman. Lia fala...

Taís Araújo anuncia evento de mulheres contra racismo no Rio de Janeiro

Atriz e embaixadora da ONU Mulheres, Taís Araújo divulgou...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=