Novo exame de DNA permite identificar origem de escravos

O exame permite descobrir quais os países dos escravos que foram enviados às Américas no século XVII

Do Terra 

Cientistas recorreram a um novo método para analisar amostras de DNA encontrados nos ossos de três africanos escravizados no século XVII. Os testes permitiram que fossem determinados, pela primeira vez, seus países de origem.

Até então, era difícil determinar com precisão a procedência dos 12 milhões de africanos transportados como trabalhadores escravizados até as Américas, entre 1500 e 1850. Havia poucos dados precisos na época e se, por um lado, era possível saber em qual porto essas pessoas tinham sido embarcadas, os países de origem eram um mistério.

Mas, neste caso, o DNA extraídos dos esqueletos desses três seres humanos permitiu que fossem determinados como originários de regiões onde hoje ficam Camarões, Gana e Nigéria, conforme estudo publicado nesta segunda-feira (10), na revista especializada “Anais da Academia de Ciências dos EUA”.

Os ossos de dois homens e uma mulher foram desenterrados em 2010, em uma obra na ilha de San Martín, no Caribe. Graças à nova metodologia, os pesquisadores descobriram que essas pessoas, conhecidas como “os três de Zoutsteeg”, vinham de uma região em Camarões onde se falava a língua banto.

“Tais descobertas oferecem as primeiras provas da origem étnica dos africanos explorados durante a escravidão”, como indicado no estudo dirigido por Hannes Schroeder, que trabalha no Centro de Geogenética do Museu de História Natural da Universidade de Copenhague.

A pesquisa também “demonstra que os elementos do genoma permitem responder a perguntas históricas careciam de provas há muito tempo”.

Este método permitirá a realização de sólidos avanços na pesquisa de outros restos arqueológicos encontrados em regiões tropicais, que contêm poucos vestígios de DNA em função do clima quente.

+ sobre o tema

Anúncio de ‘branqueador’ sai do ar após críticas de racismo na Tailândia

Vídeo mostra popular atriz que destaca importância de manter...

A Itália é o laboratório do totalitarismo moderno

Crescem a xenofobia e o racismo e a debilidade...

Jovens Brancos Tem Nome, Jovens Negros Tem Nome e Adjetivo

  Não gosto muito de falar sobre essa...

Empresário é acusado de destruir terreiro sagrado de candomblé Roça do Ventura

Ademir é acusado de destruir 14 hectares de área...

para lembrar

“Ela se esfregava no banho”, diz mãe de menina vítima de racismo aos 4 anos

A assistente sênior Gabriela Gaabe é mãe de Lorena,...

Polícia de Minas apura caso de racismo na internet

Junia Oliveira A Polícia Civil de Muriaé, na Zona da...

Vítima de racismo na Eslováquia, Adauto pensa em voltar ao futebol brasileiro

Fonte: Globo Esporte - Vítima de insultos racistas no...

Audiência pública discutirá acesso da juventude negra à Justiça

Evento ocorre no dia 3 de setembro, em Brasília-DF....
spot_imgspot_img

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...
-+=