Número de alterações de nome e sexo de pessoas trans aumenta 43% em SP

Desde 2018, estado teve 5.700 mudanças em cartórios sem ações judiciais ou comprovação de cirurgia

O número de mudanças de nome e sexo de pessoa trans em cartórios no estado de São Paulo cresceu cerca de 43% em cinco anos, desde a autorização nacional para a alteração.

Segundo dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), desde 2018 cartórios de registros civil paulistas totalizaram 5.700 alterações sem a necessidade de procedimento judicial e nem comprovação de cirurgia de redesignação judicial, também conhecida como transgenitalização.

Regulamentada em todo o país em 2018, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a mudança de sexo em cartório foi regulada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a regra passou a vigorar em junho do mesmo ano.

Em seu primeiro ano de vigência, entre junho de 2018 e maio de 2019, foram contabilizadas 1.228 alterações, enquanto no último ano, de junho de 2022 a maio de 2023, foram registradas 1.755 mudanças de gênero, aumento de 42,9%.

Os números constam da Central de Informações do Registro Civil (CRC Nacional), base de dados nacional de nascimentos, casamentos e óbitos administrada pela Arpen-Brasil, entidade que reúne os 7.757 cartórios de registro civil do país.

“O aumento progressivo se deve principalmente à conscientização das pessoas, que estão cada vez mais a par de seus direitos”, diz Daniela Mroz, presidente da Arpen São Paulo. “Esse procedimento tornou todo o processo mais ágil, menos oneroso e mais acessível para todos.”

Os dados mostram ainda que os dois últimos períodos de vigência da norma foram aqueles em que houve maior crescimento.

No período de junho de 2021 a maio de 2022, houve crescimento de 45,9% em relação ao período anterior, quando os registros passaram de 740 para 1.080.

O período seguinte, de junho de 2022 a maio de 2023, teve alta ainda maior, com os números subindo para 1.755 alterações de gênero, um crescimento de 50,7%.

Entre as mudanças, as para o sexo feminino prevalecem. No primeiro ano da nova regulamentação foram 678 alterações do sexo masculino para o feminino, 515 do feminino para o masculino e em 35 casos não houve alteração.

Já no último ano da norma foram registradas 858 mudanças de masculino para feminino, 770 de feminino para masculino e em 127 casos não houve alteração de sexo.

COMO FAZER

Reúna documentos necessários

  • Documentos pessoais
  • Comprovante de endereço
  • Certidões dos distribuidores cíveis, criminais estaduais e federais do local de residência dos últimos cinco anos
  • Certidões de execução criminal estadual e federal, dos Tabelionatos de Protesto e da Justiça do Trabalho

Passo a passo

  1. Procure um cartório de registro civil
  2. Compareça ao cartório com todos os documentos e requerimento declarado a vontade de proceder à adequação da identidade, mediante averbação de prenome, do gênero ou de ambos
  3. O requerimento pode ser levado preenchido e assinado, usando modelo fornecido pelo próprio cartório
  4. O oficial de registro vai verificar a identidade, os documentos apresentados e tomará a livre manifestação da vontade da pessoa
  5. Se suspeitar de fraude, falsidade, má fé, vício da vontade ou simulação quanto ao desejo real da pessoa requerente, o oficial fundamentará a recusa e encaminhará o pedido para o juiz corregedor permanente
  6. Se tudo estiver certo, o oficial irá fazer a alteração do registro e comunicar o ato oficialmente aos órgãos expedidores de RG, ICN, CPF e passaporte, com como ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE)
  7. Retorne ao cartório no dia agendado para buscar a certidão alterada
  8. Providencie a alteração nos demais registros que digam respeito, direta ou indiretamente, a identificação nos documentos pessoais

O valor do procedimento varia em cada estado

Para mais informações, clique aqui

+ sobre o tema

Como a polícia e os hospitais silenciam as vítimas de estupro

Texto de Danielle Campoamor. Publicado originalmente com o título: “How...

A miscigenação racial no Brasil

A miscigenação racial presente em nossa sociedade vem se...

para lembrar

Com medo da maré levar meus filhos: a vida das mulheres das palafitas de Santos

Em casas sob as águas, equilibradas sobre plataformas, moram...

Mulheres são processadas após denunciarem casos de estupros

"Ninguém quer falar sobre coisas que machucam", diz a...

Receita para destruir o(a) amante

Sempre que um macho ferido me escreve, depois de...

De migrante à empreendedora, ex-executiva impactou a vida de 10 mi de mulheres

Em abril de 1970, dona Maria Laudice dos Santos...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=