O ano passou, a dor permaneceu, mas a luta continua

Desde que assumi a minha identidade, comecei a ver as coisas ao meu redor de outra forma, tendo sempre em mente que sou uma eterna aprendiz. Sempre estudei em escola pública e há dois anos atrás passei para o Ensino Médio (um dos períodos que parece ser mais difícil na vida das jovens negras). Naquele ano, não tive tantos problemas em relação às minhas posições, afinal estava passando pela fase de descobertas como menina negra, percebendo qual era e é o meu lugar dentro da sociedade e tendo um outro olhar. 

Por Arielly Santos, do Meninas Black Power 

O ano passou, minhas ideias começam a amadurecer e as coisas mudaram, inclusive o turno em que estudava. Passei para o matutino, o turno mais elogiado da escola. Lembro-me dos primeiros meses, numa aula de Língua Portuguesa enquanto corrigíamos alguns exercícios, onde um destes abordava o negro no Brasil há mais de 80 anos atrás. Foi quando iniciou-se um longo debate sobre a questão do sistema de cotas raciais nas universidades brasileiras. Olhei ao meu redor e a maioria dos alunos não eram favoráveis, a minoria que talvez fosse, não se pronunciava, talvez por medo de ser contrariada. Foi ali que levantei a voz dizendo que eu era a favor. De repente o silencio tomou conta de todos e me olharam como se eu fosse um ser de outro planeta. Aquela foi a primeira vez que me posicionei e defendi aquilo que eu pensava, mal sabia que a partir disso eu precisaria ser mais forte, pois a luta só estava começando.

 

Leia Também: “Todo preconceituoso é covarde. O ofendido precisa compreender isso”, Mario Sergio Cortella

Após alguns meses, uma rádio bem conhecida em minha cidade estava fazendo aniversário, como forma de comemoração foram organizados vários shows de artistas nacionais na orla da praia, aberto à população. No grupo virtual da turma, na tentativa de intimidar-me, um de meus colegas comentou que “só daria NEGRO roubando naquele evento”, minha resposta àquele comentário inútil foi o silêncio e por isso resolvi sair dali, passando a ser tachada como “politicamente correta” pela maioria. Foi assim que se iniciaram as chacotas em cima do que eu defendia, cheguei a pensar que podia estar sendo radical.

Os meses se passaram e Agosto estava ali batendo na porta, era o mês em que ocorreria um desfile na escola e cada turma teria seus representantes. Nunca fui fã de desfiles (já que sempre o relacionam a concurso de beleza). No início me animei a participar, pois via aquilo como uma forma de representar as jovens negras que muitas vezes se retraem por culpa de um padrão de beleza que não as enquadra. Porém, logo desanimei. Ao olhar à minha volta e ser apoiada por alguns, resolvi me inscrever para o tal desfile. 

Leia Também: Os cotistas desagradecidos
O dia chegou e por onde andava via maquiagens, ansiedade, tensão e eu estava ali, calma e com um pouco de receio do que poderia vir, mas segui em frente. O resultado foi inesperado para muitos, mas ali estava eu, a segunda menina negra daquela escola a alcançar um dos lugares que os padrões de beleza e a baixa autoestima não permitem que muitas de nós sigamos em frente. Não podia acreditar e talvez já estivesse prevendo o que estava por vir. Fui alvo de piadas, racismo e preconceitos em forma de “opinião”. Naqueles momentos me via como Nayara Justino, Lupita Nyong’o e muitas mulheres pretas que passaram por essas e outras situações.

Lembrava-me que desde criança nunca me vi na televisão de forma que pudesse ter orgulho daquilo que eu realmente sou, mas hoje tenho grandes exemplos de mulheres negras que me orgulham e são verdadeiros espelhos. Ao pensar nelas, minhas forças se renovavam para seguir em frente. A luta pela desconstrução do racismo dentro do ambiente escolar não é fácil, e muitas vezes acaba sendo árdua, nos fazendo pensar em desistir, mas quando lembramos que no passado muitos negros e negras lutaram e não cessaram, temos mais um motivo para não desistir. O ano passou, a dor permaneceu e está cicatrizando, mas e a luta? Esta deve continuar.

+ sobre o tema

Hoje na história, 17 de Maio é dia Internacional contra a Homofobia, Lesbofobia e Transfobia

Transviado. Pervertido. Anormal. Doente. Estes termos utilizados contra os...

Encontro debate educação em Cuiabá

Um estudo realizado pela Organização das Nações Unidas para...

Sobre alisamento capilar, racismo e liberdade

Quero falar sobre alisamento com quem ainda alisa o...

para lembrar

As Negas de lá

‘How to get away with murder’, nova série de...

‘Há ausência da Mulheres Negras nos espaços onde as Mulheres Brancas estão avançando’

Em entrevista, militante histórica do movimento negro fala sobre...

Governo indeniza família de grávida morta após atendimento precário na rede pública

Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil Governo indeniza família...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=