O Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública querem condenar o Estado de São Paulo e a Acirp por racismo

Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública querem condenar o Estado de São Paulo e a Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto) a pagar indenização por danos morais de R$ 200 mil por divulgação de campanha considerada racista; alvo são cartazes da Polícia Militar de “dicas de segurança” que traziam a imagem de uma mulher branca sendo observada por um homem negro atrás de um poste

O Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública querem condenar o Estado de São Paulo e a Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto) a pagar indenização por danos morais de R$ 200 mil pela divulgação de uma campanha considerada racista.

O alvo da polêmica são cartazes da Polícia Militar de “dicas de segurança” que traziam a imagem de uma mulher branca sendo observada por um homem negro atrás de um poste.

“Ao associar um possível criminoso com a figura estereotipada de um negro, tal fato causou um sentimento de diminuição de toda a raça perante a sociedade, sendo que isso conduziu a um inegável sofrimento moral” afirma ação cível pública movida na sexta-feira passada pelo promotor de Justiça Sebastião Sérgio da Silveira e o defensor público Paulo Giostri.

Em nota, a Polícia Militar diz “lamentar a percepção equivocada e exagerada” feita pelas entidades que lutam pela igualdade racial.

“Como já afirmado, a figura do ‘criminoso’ no referido material de prevenção em questão, foi meramente representado pela caracterização de uma ‘silhueta’, para exemplificar o risco de uma pessoa andar desacompanhada em local ermo e escuro, bem como, o ‘modus operandi’ de quem pretende, de forma esquiva, surpreender uma potencial vítima nessas circunstâncias”, diz o texto.

+ sobre o tema

Human Rights Watch – Brazil: Executions, Cover Ups by Police

Despite Reforms, Extrajudicial Killings Persist in São Paulo ...

Objetivo da Unicamp é a excelência e a inclusão social, diz reitor da universidade

Instituição terá neste ano mais de 50% dos alunos...

“Professora gritou que eu seria empregada doméstica para limpar o chão das filhas dela” diz aluna cotista da UFMG

(foto: Reprodução/ Facebook) Lorena Cristina de Oliveira Barbosa, de 20...

Empreendedor negro ganha 32% menos e desigualdade desafia novo governo

"Vamos impulsionar as pequenas e médias empresas, potencialmente as...

para lembrar

spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=