O que fazer pela equidade racial hoje? – artigo I

Seria pretensão de minha parte ter a resposta inteira para a pergunta-título e sempre procurei desenvolver as ideias e projetos com os quais me envolvi ao longo da vida operando em parcerias. Sou avesso a voos solos e deve ter sido por isso que acabei não tirando o meu brevê de piloto privado na minha juventude.

Por  Helio Santos, do Brasil de Carne e Osso

Agenda Liberal

O presente texto foi inspirado em um diálogo com um ativista – intelectual e educador exemplar – ao qual a luta antirracista do Brasil muito deve. Essa pessoa amiga me instou a pensar/propor caminhos estratégicos para um momento em que há riscos graves em jogo. Tudo o que essa pessoa expôs para mim, começa a se delinear com a clareza do sol. No dia 2 deste mês, os jornais noticiavam: “MBL, ruralistas e evangélicos se unem por Estado mínimo, reforma trabalhista e ajuste fiscal” (Folha de S. Paulo). Apelidam essa estratégia de “agenda liberal”; o que vem a ser um eufemismo absurdo. Estado mínimo para fortalecer a Saúde e Educação? Não; pelo contrário. Reforma trabalhista para pensar numa política de efetiva valorização dos talentos femininos e negros? Também não. A ideia é precarizar e reduzir direitos conquistados duramente. É desnecessário detalhar qual grupamento perderá mais com essa “agenda liberal”… Dois aspectos iniciais devem ser considerados: 1) a população negra, em sua larga maioria, sempre viveu aqui em algum tipo grave de crise, tanto do ponto de vista socioeconômico, como psicológico e moral; e 2) a Terceira lei de Newton – a da reação – que pode e deve ser transmutada da física para a vida social. É precisamente sobre o tópico 2 que pretendo me aprofundar aqui.

Ação & Reação

Quando evangélicos, ruralistas e movimentos conservadores se articularam pela maioridade penal muitos de nós duvidaram, mas eles acabaram ganhando aquela batalha. Agora eles anunciam publicamente o que pretendem com essa agenda tenebrosa – o que autoriza aos mais céticos se moverem. Como reação: o que os prejudicados por essas eventuais medidas devem fazer?

Antes de responder é importante ponderar: o eleitor negro é o único do mundo que elege e empodera os seus inimigos – aqueles que destroem seguidamente sua potencialidade.

+ sobre o tema

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade...

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo...

para lembrar

Os recados dos intelectuais negros para o BNDES

Os participantes do painel "Capital a serviço da Diversidade"...

A colonização continua pela televisão

Não é de hoje que os veículos de comunicação...

Colonialismo, Neocolonialismo e Balcanização: As três idades de uma dominação

À mutação da base material do capitalismo corresponde uma...

O direito de Poder chegar e Poder ficar

Colunista da Revista.ag, a ativista e empreendedora social, que...
spot_imgspot_img

De mal a pior

Todo ano a mesma chuva. Certas como a morte — não raro, trazendo-a — são as tempestades de verão no Rio de Janeiro. E,...

Retrospectiva Negra de 2023

Começamos o ano de 2023 recuperando a esperança em avanços na área de direitos humanos. Depois de quatro anos de conservadorismo opressor, negacionismo científico,...

‘O racismo editorial ajuda na manutenção das desigualdades no País’

O ato de contar uma história para pequerruchos é, antes de tudo, a vontade de interagir, de alcançar envolvimento com alguém tão (no meu...
-+=