ONU Mulheres e universidades lançam parceria pelo fim do trote violento contra gênero e raça

Mobilização faz parte da iniciativa O Valente não é Violento, vinculada à campanha do Secretário-Geral da ONU “UNA-SE pelo fim da violência contra as mulheres”.  Primeiras aulas públicas se iniciarão em São Paulo, em fevereiro, na Cásper Líbero e na USP

Do Onu Mulheres

No marco da campanha do Secretário-Geral da ONU “UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, a ONU Mulheres, grupos de estudos de gênero e raça das Universidades brasileiras, coletivos feministas e a Diretoria de Mulheres da UNE (União Nacional dos Estudantes) se juntam para dizer NÃO à violência simbólica e física contra calouras e calouros nos trotes universitários. As entidades lançam hoje, 6 de fevereiro, uma  Carta pelo Fim do Trote violento contra Gênero e Raça, com o intuito de expressar publicamente um compromisso institucional a favor de mulheres, trans, lésbicas, gays, negras e negros, que há anos são vítimas da violência nos trotes.
Nos últimos dois anos, surgiram no Brasil diversas denúncias contra trotes universitários organizados por veteranos, que lançam mão de práticas machistas, lesbofóbicas, homofóbicas, transfóbicas e racistas contra calouras e calouros. Ano após ano, esse grupo é submetido a atividades agressivas definidas por veteranos, nas festas das faculdades e dentro das residências estudantis – a maioria deles, homens brancos e de classe média alta.

Entre as atividades propostas na Carta para dar fim a essas práticas violentas estão a elaboração de uma campanha de mídia e advocacy contra o trote violento, que conscientize universitárias e universitários a respeito da violência de gênero e raça, e a formação de uma rede institucionalizada de apoio, com a implementação de comitês de apuração e ouvidorias.

Na recepção da calourada, no primeiro semestre letivo de 2015, serão realizadas aulas públicas sobre o trote violento e a igualdade de gênero e raça, na Faculdade Cásper Líbero, na USP (Universidade de São Paulo) e na Universidade Federal de Goiás, onde alunas e alunos também tomarão contato com o tema por meio de materiais de comunicação, como lambe-lambes e faixas.

As ações também incentivam a denúncia de violências sofridas ou presenciadas por meio do aplicativo Clique 180 (http://clique180.org.br) disponível para download nos sistemas de telefones inteligentes (smartphones) IOS e Android, do portal Minha Voz (www.minhavoz.com) e do mapa Chega de Fiu Fiu (www.chegadefiufiu.com.br), a fim de tornar públicos os casos de violência e fornecer informações como serviços públicos de assistência policial, jurídica e psicológica pós-violência ou de prevenção.
Eliminação da violência de gêneroO Valente não é Violento é uma iniciativa da campanha UNA-SE Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, do Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que conta com o envolvimento de todas as agências da ONU e é coordenada pela ONU Mulheres. No Brasil, a ação conta com o apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

Tem como objetivo estimular a mudança de atitudes e comportamentos machistas, enfatizando a responsabilidade que os homens devem assumir na eliminação da violência contra as mulheres e meninas. Desse modo, a juventude da América Latina e do Caribe poderá ter uma vida livre da violência de gênero.

Parceria Institucional: ONU Mulheres; O Valente não é Violento (iniciativa das Nações Unidas com o apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República); USP Diversidade; Genera – Núcleo FEA de Pesquisa em Gênero e Raça; Poligen – Grupo de Estudos de Gênero da Poli-USP; Ser-Tão – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade da UFG; Diretoria de Mulheres da UNE; Faculdade Cásper Líbero; Coletivo Feminista Histéricas; Instituto Federal do Maranhão; Centro Acadêmico Visconde de Cairu – FEA- USP; Centro Acadêmico João Mendes Júnior – Mackenzie.

Agenda de Aulas Públicas sobre igualdade de gênero e raça:

Faculdade Cásper Líbero: 10/2, terça-feira

Debate sobre gênero e relações raciais no ambiente universitário, em dois horários:
das 8h30 às 10h, com:
– Juliana Serzedello, professora de História
– Liraucio Girardi Júnior, professor de Sociologia
– Camila Araújo, aluna de Relações Públicas e integrante do coletivo AfriCásper
– Centro acadêmico Vladimir Herzog
das 19h30 às 21h, com:
– Bianca Santana, professora do curso de Jornalismo, integrante da Casa de Lua Organização Feminista
– Rodrigo Antunes Morais, professor do curso de Publicidade e Propaganda (a confirmar)
– Vinicius de Vita, aluno do curso e Jornalismo e integrante da Frente LGBT
– Giulia Araújo, aluna de jornalismo e integrante da Frente Feminista Casperiana Lizandra
Onde: Avenida Paulista, 900, Bela Vista, São Paulo – SP

USP Diversidade – Universidade de São Paulo: 24/02, terça-feira, a partir das 9h
Evento Democracia Universitária, ética e corpo: não à opressão, nenhuma vida vale menos
Onde: Teatro da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). Av. Dr. Arnaldo , 455, São Paulo – SP.

Dia 25/2, quarta-feira
Calourada unificada organizada pelo DCE – Evento sobre gênero e diversidade (a confirmar)
Onde: Universidade de São Paulo – Campus Cidade Universitária.
Informações para a imprensa:
Amanda Kamanchek Lemos
Coordenadora da Campanha O Valente não é Violento/Nações Unidas (ONU)
Telefone: (61) 3038-9296 | 11 9998 9122
E-mail: [email protected]

Isabel Clavelin
Assessora de Comunicação da ONU Mulheres
Telefone: (61) 3038-9140 | 9179 9230
E-mail: [email protected]

+ sobre o tema

Curso online discute o encarceramento de mulheres no Brasil

Coletivo Di Jejê lança curso inédito sobre a população...

Os desafios da mulher negra no Brasil

"EU GOSTO DE SER MULHER..." "Você não é negra, é...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

“Já quis ser mais clara”, diz jovem negra da Brasilândia vencedora do Miss Odara CCJ

Quando pensamos em concurso de miss, automaticamente nos vem...

Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e...

Diversidade sexual no meio acadêmico é tema de encontro na Universidade de Brasília

Brasília – Diversidade sexual foi o tema que norteou...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=