PM que atirou em entregador no RJ alega legítima defesa; vítima está na UTI

Enviado por / FonteUOL

O policial militar Roy Martins Cavalcanti alegou que agiu em legítima defesa ao atirar no entregador Nilton Ramon de Oliveira, que se recusou a subir até o apartamento para entregar o pedido, no Rio. O caso ocorreu na segunda-feira (4), e a vítima está internada.

O que aconteceu

Depois de atirar no entregador, Roy Martins compareceu ao 32º DP de Taquara e prestou depoimento. De acordo com o boletim de ocorrência, o agente alegou que agiu em legítima defesa, na Vila Valqueire, zona oeste do Rio de Janeiro.

O PM foi liberado e o caso registrado como lesão corporal. A Polícia Civil chegou a apreender temporariamente a arma usada no crime, mas depois devolveu ao policial.

Em nota, a Corregedoria da Polícia Militar do Rio de Janeiro disse que foi instaurado um processo para apurar as circunstâncias do caso. Não foi informado se o agente será afastado de suas funções durante as investigações. O crime é investigado pelo 28º DP de Campinho.

UOL não conseguiu localizar o agente e sua defesa para pedido de posicionamento. O espaço segue aberto para manifestação.

Vítima está internada na UTI

Nilton Ramon está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Municipal Salgado Filho, zona norte do Rio. Ele foi atingido por um tiro na artéria femoral e passou por duas cirurgias. Um tio dele, que não quis se identificar, disse que o jovem já abriu os olhos e conversou com familiares.

De acordo com o tio, o projétil atravessou a perna do entregador. “Ele fez todos os procedimentos, graças a Deus está falando, abriu os olhos e falou chamando pela minha filha. Deu um sorriso para minha esposa, que é quem está acompanhando os procedimentos”, contou.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde esclareceu nesta quarta-feira (6) que o estado de saúde do entregador ainda é grave. Devido o tiro, ele precisou reconstruir a artéria, que ficou destruída.

“Um menino de bom coração”, diz tio

Conhecido pelos familiares como “Niltinho”, o entregador trabalha no ramo há quase quatro anos. O tio conta que ele teve poucas oportunidades na vida, mas que é um menino esforçado. “Não foi criado pela mãe, passou pouco tempo com o pai, um menino esforçado, largou os estudos para trabalhar, que era o que ele estava fazendo, um menino muito esforçado, um menino de bom coração, sabe?”, disse.

O tio explicou que nunca imaginou que o sobrinho fosse ser baleado durante o trabalho. “Minha cunhada veio me avisar dizendo que seria um acidente. Eu troquei de roupa rapidinho, peguei o carro e fui até o encontro dele. No caminho, descobri que ele tinha sido baleado”, lamentou.

Imagina você receber uma notícia de que um anjo querido teu tomou um tiro, foi parar no hospital, sabe, ensanguentado, sei lá, a gente tomou um susto muito grande, mas Deus é tão bom que ele deu todo o suporte, o menino tá se recuperando bem.

Tio de Nilton

Entenda o caso

O policial militar e a esposa dele fizeram um pedido de comida por aplicativo, que foi entregue por Nilton. Após a chegada da encomenda, o agente e a mulher teriam se recusado a descer para buscá-la, e o entregador informou que não iria subir até o apartamento deles porque não fazia parte de seu trabalho.

Como o PM não desceu, o entregador fez os trâmites de devolução do produto e retornou para o estabelecimento onde a compra foi feita, quando foi abordado pelo cliente, na praça Saiqui. Imagens feitas por Nilton mostram ele e Roy discutindo. O agente está armado e questiona por que o entregador está “com a mão na cintura”. O jovem nega que esteja armado, levanta a camisa e fala: “Tô armado não, filho. Sou trabalhador”.

Em seguida, o jovem diz estar sendo ameaçado pelo policial. “Ele está tentando me agredir. Mostrou a arma na minha cara. Tira a arma e faz na mão”, falou o trabalhador.

O agente rebate o entregador e diz que ele teria sido mal-educado com sua esposa. “Trabalhador o caralh*. Minha mulher te tratou com maior educação, vai tomar no seu c*. Seja educado. Não se propõe a fazer entrega? Então seja educado. Minha mulher tem 42 anos e te respondeu na maior educação”.

Posteriormente, é possível ver Nilton caído no chão, ensanguentado, baleado na perna. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

iFood bane PM da plataforma e diz que Nilton agiu corretamente

Em nota ao UOL, o iFood informou que a conta do PM foi banida da plataforma. Afirmando “não tolerar qualquer tipo de violência contra os entregadores parceiros”, a plataforma disse que o entregador está recebendo apoio jurídico, por meio da atuação de uma advogada do coletivo de defensoras Black Sisters in Law, que acompanhará todo o processo jurídico do caso.

“Nilton agiu corretamente”, diz gerente do iFood. Tatiane Alves também informou que a plataforma está em contato com familiares do trabalhador e se colocou à disposição para apoiá-los no que for necessário.

Entregador deve entregar pedido em “primeiro ponto de contato”, seja portão da casa ou portaria do prédio. A empresa disse informar os entregadores e consumidores sobre a recomendação. Ainda segundo a plataforma, ela vem promovendo iniciativas ações para conscientização de moradores e capacitação de profissionais de condomínios no Rio. “Esperamos que o caso não fique impune e que Nilton se recupere.”

+ sobre o tema

A Flecha de Zumbi Chegou ao Supremo Tribunal Federal

Por Elias Sampaio Secretário de Promoção da Igualdade Racial...

Idoso diz ter sido espancado por PM dentro do Hospital do Paranoá

Joel Pereira foi visitar a esposa e, ao vê-la...

O Racismo institucional se manifesta na extincao da TVE-FM cultura

Á SEPPIR, FUNDAÇÃO PALMARES E AO MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO. Por Emir Da...

Alagoas é o estado com maior índice de assassinatos de adolescentes

Índice de Homicídios na Adolescência foi apresentado nesta quarta...

para lembrar

Funcionário é demitido após postar foto com garoto negro

Gerod Roth perdeu o emprego por conter comentários racistas...

Lei estabelece sistema de cotas nos cursos de pós-graduação no RJ

Medida é válida para cursos nas universidades estaduais. Filhos de...

Distrito Federal terá Disque Racismo em 2013

A partir de 2013, um dispositivo de denúncia próprio...

O genocídio nosso, de todo dia

Não aguentamos mais.  Era assim que eu queria começar a...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=