Polícia investiga ação de skinheads contra gays no Rio

Por: ITALO NOGUEIRA

 

Apuração aponta gangues como responsáveis por ataques na zona sul, em Nova Iguaçu e em Niterói

Para polícia, grupo pode ter ligação com tortura e morte de garoto de 14 anos em São Gonçalo, duas semanas atrás


Cartazes em defesa do “orgulho hétero” e cartilhas contra o projeto que criminaliza a homofobia foram espalhados pela periferia do Rio por grupos de skinheads.

Para a polícia do Rio, essas gangues são responsáveis por uma série de ataques a homossexuais da zona sul do Rio, em Nova Iguaçu, São Gonçalo e Niterói.

A polícia diz não saber quantos gays foram vítimas dos skinheads, que se organizam pela web. Mas apura se Alexandre Ivo, 14, torturado e morto há duas semanas em São Gonçalo, foi vítima de ataque homofóbico.

Ele e amigos participavam de uma festa quando começou uma discussão com outro grupo. Após a briga, com agressões verbais e físicas, os amigos de Alexandre foram à delegacia registrar queixa e voltaram para a festa.

Por volta de 1h30, o menino foi embora sozinho. Não foi mais visto. No dia seguinte, seu corpo foi achado em um terreno baldio. Havia sido asfixiado e tinha lesões no crânio, possivelmente causadas por pedradas e agressões com barras de ferro.

A polícia chegou aos suspeitos pelo Disque-Denúncia. Apura se o crime foi motivado por homofobia ou pela briga. Para a mãe de Ivo, Angélica Vidal Ivo, 40, ele “sofreu a agressão por conviver com homossexuais”.

Os três envolvidos, Allan Siqueira de Freitas, 22, André Luiz Maçole, 23, Eric DeBruim, 22, presos preventivamente, negam o crime e ligação com skinheads.

A Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Rio acompanha as investigações e ONGs organizaram passeata contra o crime. Amigos de Ivo dizem, porém, que foram ameaçados. “Uma pessoa me ligou e disse que ia me matar se eu viesse”, disse um rapaz.

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática diz fazer rondas sistemáticas para tirar do ar sites que defendam a homofobia.
“Conseguimos tirar quando há defesa clara a agressões ou assassinatos, por ser incitação ao crime. Mas uma lei contra a homofobia, como existe contra o racismo, facilitaria nossa ação”, diz a delegada Helen Sardenberg.

 

HOMOSSEXUALISMO
Por e-mail, um representante carioca do grupo Carecas do Brasil (presente em ao menos nove Estados) disse à Folha não sentir ódio de homossexuais, mas “tanta intolerância quanto a de qualquer católico ou evangélico”. O grupo nega ter envolvimento na morte de Ivo.

“Nossa posição é contra o homossexualismo, e não contra homossexuais.”

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

para lembrar

Anúncio com Ashton Kutcher acusado de racismo

O novo anúncio com Ashton Kutcher para a empresa...

Clube alemão ganha fama com caveira, rock e luta contra racismo

Por: FÁBIO DE MELLO CASTANHO Sentados em uma...

Atos de racismo perderão o direito de fiança

Pela Constituição, delitos desse tipo não dão direito a...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=