Por que ainda precisamos falar sobre cotas

Enviado por / FontePor Letícia Vidica, da CNN

"Acessar a Universidade quebra o ciclo da pobreza. E, há pouco mais de uma década, pensar em ter um diploma universitário nas mãos era quase como pensar em ir para a Lua"

“…e se tornou o (a) primeiro/primeira da sua família a entrar na Universidade, a ter um diploma universitário”.

Você já deve ter lido ou ouvido essa frase por aí algumas vezes. E, caso entrar na faculdade tenha sido um processo natural, hereditário e ancestral da sua família, talvez ela não faça tanto sentido assim para você. Mas para muita gente deste país, isso muda toda uma trajetória.

Acessar a Universidade quebra o ciclo da pobreza. E, há pouco mais de uma década, pensar em ter um diploma universitário nas mãos era quase como pensar em ir para a Lua – um sonho distante e quase impossível para muita gente preta, parda, periférica, pobre, quilombola, indígena e estudantes de escola pública

…eis que então surgem as cotas e isso muda tudo. Elas se tornaram a chave para que essas pessoas acessem os bancos da universidade, consigam ter um diploma na mão e a possibilidade de sonhar com um futuro diferente daquele que a sociedade já tinha traçado para elas.

Hoje, estudantes pretos e pardos são mais de 50% dos matriculados nas instituições federais.

Nem sempre foi assim, já que, durante muito tempo, as heranças do Brasil escravocrata não permitiam que pessoas pretas tivessem esse direito que sempre foi apenas um privilégio de pessoas brancas, com maior poder aquisitivo e pertencentes das classes sociais mais altas desse país.

Depois de mais de três séculos de escravidão no Brasil, a primeira Constituição de 1824, por exemplo, determinava que “a instrução primária é gratuita para todos os cidadãos”.

O xis da questão é que escravos não eram considerados cidadãos. Em 1837, uma lei também dizia com todas as letras que escola não era lugar de negros: “São proibidos de frequentar as escolas públicas: Primeiro: pessoas que padecem de moléstias contagiosas. Segundo: os escravos e os pretos africanos, ainda que sejam livres ou libertos”.

E, falando de lei, a primeira legislação brasileira que previa cotas não foi para os negros. A chamada Lei do Boi, de 1968, previa vagas nas escolas técnicas e universidades para filhos de donos de terras, de fazendeiros!

Na teoria, é lindo dizer que a educação é a base de tudo. Concordo que ela seja. Mas a educação também é a base de muitas desigualdades

Tente você estudar a vida toda numa escola com ensino ruim e defasado, ou ter que andar quilômetros para acessar a escola ou ter a violência e a criminalidade presentes no seu ambiente escolar. Ou não ter dinheiro suficiente para chegar até escola ou para se alimentar bem dentro de casa. Ou ter que abdicar dos estudos para ajudar sua família. Entre essas e outras dificuldades, como concorrer a uma vaga na universidade em pé de igualdade? E nem vamos pensar ou falar de esforço porque meritocracia é ilusão em terras brasileiras.

Por isso, mesmo que atrasada, as cotas são a maior reparação histórica deste país.

É a tentativa de trazer mais equidade ao ensino superior, aumentar a presença de negros, pobres, indígenas nas universidades. É a tentativa de reduzir o abismo entre escolas públicas e particulares, de assegurar mais igualdade de oportunidades aos negros na vida social, econômica, política e cultural do Brasil. É a tentativa de permitir uma ascensão social aos negros e, de fato, trazer mais representatividade em posições de poder.

Com a política de cotas, o filho da faxineira virou médico. A filha do porteiro virou advogada. A neta da cozinheira estuda Ciências Sociais. A filha da babá sonha em ser engenheira. E o filho do patrão pode em breve trabalhar na empresa administrada pelo neto do seu antigo motorista

Com tudo isso, concordo com o nosso sambista e mestre Candeia de que os negros precisam seguir cantando um samba na Universidade e, aí então, jamais voltarão ao barracão.

+ sobre o tema

O Ministério Público Federal encaminhou denúncia de racismo contra Clovis Saraiva professor da UFMA

O Ministério Público Federal encaminhou à Justiça, na última...

Hélio de la Peña reclama de racismo após ter filho revistado pela polícia

Joaquim, filho de Hélio de la Peña, estava com...

Blackface na torcida também é racismo

A caracterização de pessoas negras de forma estereotipada, geralmente...

Perigo: ele nasceu preto

Perigo: ele nasceu preto Confira o poema Perigo: ele nasceu...

para lembrar

Juíza de Curitiba condena homem negro e associa supostos crimes à raça dele

Uma decisão de 19 de junho, mas publicada nesta...

Green Book: o livro até que pode ser verde, mas o filme é bem branco

  No Oscar 2019, pelo menos quatro dos oito títulos...

Alunos protestam em favor de cotas

Caminhada "Movimento Cotas Já!" começou no Bairro de Fátima...

Jovem brasileira se suicida na Itália após suposto racismo

SÃO PAULO, 26 JAN (ANSA) – Uma adolescente de...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=